"Uma ida ao motel e outras histórias" | Palavras adultas de engano e redenção

Por: Marisa Sousa a 2021-05-27

Bruno Vieira Amaral

Bruno Vieira Amaral

Bruno Vieira Amaral nasceu em 1978. Colabora com a revista Ler, o Expresso e a Rádio Observador. O seu primeiro romance, As Primeiras Coisas (Quetzal, 2013), foi distinguido com o Prémio PEN Clube Narrativa, Prémio Literário Fernando Namora, Prémio Time Out e Prémio Literário José Saramago, em 2015. Em 2016, foi nomeado uma das Dez Novas Vozes da Europa (Ten New Voices from Europe), escolha da plataforma Literature Across Frontiers. O seu segundo romance, Hoje Estarás Comigo no Paraíso (Quetzal, 2017), recebeu o prémio Tabula Rasa 2016-2017 na categoria de Ficção, e o segundo lugar do Prémio Oceanos 2018. Em 2018, foram reunidos os seus melhores textos dispersos no volume Manobras de Guerrilha e, em 2020, os seus contos em Uma Ida ao Motel, livro que venceu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, em 2021. Os direitos dos seus livros foram vendidos para vários países. Integrado Marginal é a primeira biografia que publica.

VER +

10%

Uma Ida ao Motel
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Uma Ida ao Motel e outras histórias, de Bruno Vieira Amaral, uma coletânea dos contos anteriormente publicados no Expresso Diário, é para gente grande. Aponta-nos a vida com um letreiro néon onde algumas letras teimam em não acender. Conduz-nos pela mão pelas arestas disto que é ser-se adulto, não deixando de nos soprar ao ouvido os acordes do paraíso perdido da infância. Acabou de valer ao autor o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, no valor pecuniário de 7500 euros, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores (APE).


Entramos, sem aviso prévio, nas vidas de pessoas como nós, que tantas vezes, veem a narrativa dos dias em contramão. O cenário é uma Lisboa que, mudando-se-lhe o nome e a maquilhagem, poderia ser qualquer outra cidade. Rosário, Marina, Teresa, Virgínia. Os nomes pouco importam quando a música que dançam é a mesma: a fome de felicidade marca branca, anunciada nas revistas em letras gordas; os dias que marcam passo ao ritmo do tédio.
 

"O passado era-lhe mais familiar que o filho, o marido, a casa, essas vilas de um país estrangeiro."  Bruno Vieira Amaral


Aparício, Pedro, Mané, Ludmila. Os nomes pouco importam quando lhes vemos o rosto a espreitar na prosa aguçada. As famílias desfeitas a fingir promessas, a pilha de roupa à espera, o estranho no chat a despertar vontades fora do calendário de um casamento. Está tudo lá. Paula, Júlia, Madalena, Otávio, Joaquim, Eugénia. O passado a gritar pelas brechas dos dias remendados, os ténis gastos, a lancheira com o almoço, a pobreza cansada e envergonhada.


Uma comunidade feita de pessoas-ilha. Queixumes agrilhoados em empregos detestados, a rotina que mói a conta-gotas, o cansaço crónico, o telemóvel, o perfil, os gostos. A felicidade que cresce, frondosa, do cultivo de inimizades. A indignação como religião. O sexo, a culpa, a fúria e a frustração. Prédios recheados de culpados e mártires, vítimas e santos. Ódios de trazer por casa como pijamas de flanela gastos. O álcool e os comprimidos, algodão-doce a curar as dores de crescimentodos adultos. A perda da inocência e as ilusões que aquecemos em banho-maria, embalados pelas estatísticas no telejornal. A vida fora dos trilhos. Os nomes pouco importam. No fim, engole-se um pedaço de fé e continuamos caminho. “Tudo se resolve. Tudo se resolve.”

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.