"As Mulherzinhas", (ainda) uma obra essencial

Por: Sónia Rodrigues Pinto a 2021-07-26 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Louisa May Alcott

Louisa May Alcott

Louisa May Alcott é uma autora americana que sonhava ser atriz mas que acabou por se tornar numa escritora incontornável no panorama da literatura juvenil. Criada com a família na Nova Inglaterra, cresceu rodeada de destacados intelectuais, tais como Nathaniel Hawthorne e Henry David Thoreau, amigos do seu pai, que era filósofo e professor. Além da sua notoriedade como escritora, a autora tornou-se muito popular pelas posições que assumiu em defesa da abolição da escravatura e do direito de voto para as mulheres.

VER +

10%

Mulherzinhas
12,50€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Quizz: Qual livro de Stephen King deve ler?

Quer nunca tenha lido Stephen King, quer já se encontre familiarizado com os seus livros, é fácil sentir-se intimidado pela extensão da obra do Rei do Terror. Embora seja mais conhecido por ser o mestre dos  thrillers, o autor tem vindo a aventurar-se também em géneros como a ficção científica, a fantasia, o romance policial, o conto e o ensaio. Ao todo, são mais de 200 as obras assinadas pelo autor, quantidade essa que pode deixar até o leitor mais dedicado a sentir-se um pouco perdido. Para ajudar, fizemos um pequeno quizz que o ajudará a escolher qual deverá ser a sua próxima (ou quem sabe, a primeira) leitura de Stephen King. 

Jorge, o mais "Amado" escritor brasileiro

Nasceu Jorge Leal Amado de Faria mas foi como Jorge Amado que ficou conhecido no Brasil e por todo o mundo. Autor de obras de sucesso como Gabriela, Cravo e Canela, Capitães de areia ou, para o público infantojuvenil, O gato malhado e a andorinha Sinhá, foi um dos autores brasileiros mais traduzidos e também um dos mais acarinhados pelos leitores. Embora já nos tenho deixado há vinte anos, no final deste mês é publicado um novo livro de memórias do autor, intitulado Navegação de Cabotagem (Dom Quixote), no qual relata episódios caricatos da sua vida, desde uma bebedeira com Pablo Neruda, uma reunião política com Picasso, ou uma visita ao bordel ou ao terreiro de candomblé com Carybé ou Dorival Caymmi. 

Jorge Luis Borges, o eterno bibliotecário

Hoje, comemoramos 122 anos do nascimento deste autor que, mesmo cego, viu o mundo e as pessoas mais profundamente pois, como canta Chico Buarque, “Os poetas, como os cegos, podem ver na escuridão”.

Louisa May Alcott foi escritora de ficção e poesia. No seu longo currículo, constam também a profissão de governanta, costureira, professora e, inclusive, enfermeira. Ficou para sempre conhecida pela obra As Mulherzinhas, publicada em 1869. Com traços autobiográficos, esta obra transporta-nos para o quotidiano das irmãs March, enquanto aguardam pelo retorno do pai, combatente na Guerra Civil Americana (1861-1865). Tal como Josephine (Jo) March, heroína da história, também Alcott foi a segunda de quatro irmãs, revelando a mesma atitude inconformada para com a sociedade e, de uma forma ainda mais notória, perante o papel da mulher na época.

Passados mais de 150 anos desde a sua publicação, As Mulherzinhas mantém-se atual e popular, e foi escolhido, pelos leitores Bertrand, como Melhor reedição de obras essenciais em prosa, no âmbito da 5.ª edição do Prémio Livro do Ano Bertrand. Mas o que torna um romance juvenil, escrito no século XIX, numa obra essencial nos dias de hoje?


A autora escreveu este livro inspirada em pequenos detalhes da sua vida. Enquanto o pai das irmãs March combatia na Guerra Civil Americana, Bronson Alcott era um fanático religioso incapaz de sustentar a família. Por essa razão, Louisa e as três irmãs sobreviviam da caridade de familiares e amigos, acabando por não viver juntas (The Atlantic). À luz dos acontecimentos que marcaram a vida de Louisa May Alcott, As Mulherzinhas transforma-se quase como uma carta de amor à família e, em especial, às irmãs, tomando como ponto de partida a relação especial de Jo, Beth, Amy e Meg.

 

“Quero fazer qualquer coisa esplêndida antes de ir para o meu castelo, algo heroico ou maravilhoso que não seja esquecido depois da minha morte.” – Josephine March

 

As Mulherzinhas tornou-se numa obra de referência em todo o mundo. Por um lado, os críticos destacam o lado feminino da história, ao retratar quatro jovens na sua passagem para mulheres adultas. Por outro, é impossível ignorar o heroísmo e protagonismo de Josephine March e as suas semelhanças com a própria autora.

Alcott apoiou o fim da escravatura e foi uma das primeiras feministas e sufragistas nos Estados Unidos da América. A autora nunca aceitou as normas impostas pela sociedade, acabando por não casar e dedicando-se ao seu trabalho enquanto escritora.

Também Jo viveu mediante as suas próprias regras. Dedicada aos livros e à escrita, acabaria por se casar anos mais tarde, diferindo aqui de Louisa May Alcott, mas fazendo-o por escolha própria e não por uma questão de conveniência. De espírito rebelde, com uma personalidade forte e vincada, a segunda irmã March mostra, desde o início da história, do que é realmente feita:

 

"Nem quero pensar que tenho de crescer, ser uma Menina March, usar vestidos compridos e ser empertigada como uma flor, quando prefiro os jogos dos rapazes, o trabalho e os seus modos descontraídos. Não me conformo com o facto de não ser rapaz, e muito mais agora, que gostava de lutar ao lado do nosso pai e tenho de ficar em casa a tricotar como uma velhinha preguiçosa!" – Josephine March

 

Edição original de Mulherzinhas, ilustrada pela irmã mais nova da autora.

 

Uma obra essencial, 150 anos depois

O Prémio Livro do Ano Bertrand distingue, todos os anos, obras literárias em prosa e em poesia. Lançado em 2017 pela Livraria Bertrand, este é o primeiro prémio literário, em Portugal, atribuído por livreiros e leitores de todo o país. Na 5.ª edição deste galardão, foram mais de 76 mil votos os que elegeram as melhores obras de 2020 em cada uma das cinco categorias: Melhor livro de ficção lusófona, Melhor livro de ficção de autores estrangeiros, Melhor reedição de obras essenciais em prosa, Melhor livro de poesia e Melhor reedição de poesia.

Na categoria de Melhor reedição de obras essenciais em prosa, As Mulherzinhas, da editora Relógio D’Água, foi a escolha dos leitores, colocando em segundo lugar o clássico O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (que alcançou o primeiro lugar na escolha dos livreiros).

O representante da editora, Francisco Vale, não escondeu o orgulho e salientou a importância “de um elevado número de leitores da mais antiga livraria do mundo” terem escolhido como vencedoras as obras da Relógio D’Água.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.