As Leituras de Patti Smith

Por: Beatriz Sertório a 2019-10-22 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Hermann Hesse

Hermann Hesse

PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA 1946

Romancista e poeta alemão, Hermann Hesse nasceu em 1877 na pequena cidade de Calw, na orla da Floresta Negra e no estado de Wüttenberg. Como os pais depositavam esperanças no facto de Hermann Hesse poder vir a seguir a tradição familiar em teologia, enviaram-no para o seminário protestante de Maulbronn, em 1891, mas acabou por ser expulso. Passando a uma escola secular, o jovem Hermann tornou a revelar inadaptação, pelo que abandonou os seus estudos.
Hermann Hesse começou depois a trabalhar, primeiro como aprendiz de relojoeiro, como empregado de balcão numa livraria, como mecânico, e depois como livreiro em Tübingen, onde se teria juntado a uma tertúlia literária, "Le Petit Cénacle", que teria, não só grandemente fomentado a voracidade de leitura em Hesse, como também determinado a sua vocação para a escrita. Assim, em 1899, Hermann Hesse publicou os seus primeiros trabalhos, Romantischer Lieder e Eine Stunde Hinter Mitternacht , volumes de poesia de juventude.
Depois da aparição de Peter Camenzind, em 1904, Hesse tornou-se escritor a tempo inteiro. Na obra, refletindo o ideal de Jean-Jacques Rousseau do regresso à Natureza, o protagonista resolve abandonar a grande cidade para viver como São Francisco de Assis. O livro obteve grande aceitação por parte do público.
Em 1911, e durante quatro meses, Hermann Hesse visitou a Índia, que o teria desiludido mas, em contrapartida, constituído uma motivação no estudo das religiões orientais. No ano seguinte, o escritor e a sua família assentaram arraiais na Suíça. Nesse período, não só a sua esposa começou a dar sinais de instabilidade mental, como um dos seus filhos adoeceu gravemente. No romance Rosshalde (1914), o autor explora a questão do casamento ser ou não conveniente para os artistas, fazendo, no fundo, uma introspeção dos seus problemas pessoais.
Durante a Primeira Guerra Mundial, Hesse demonstrou ser desfavorável ao militarismo e ao nacionalismo que se faziam sentir na altura e, da sua residência na Suíça, procurou defender os interesses e a melhoria das condições dos prisioneiros de guerra, o que lhe valeu ser considerado pelos seus compatriotas como traidor.
Finda a guerra, Hesse publicou o seu primeiro grande romance de sucesso, Demian (1919). A obra, de caráter faustiano, refletia o crescente interesse do escritor pela psicanálise de Carl Jung, e foi louvada por Thomas Mann. Assinada nas primeiras edições com o nome do seu narrador, Emil Sinclair, Hesse acabaria por confessar a sua autoria. Deixando a sua família em 1919, Hermann Hesse mudou-se para o Sul da Suíça, para Montagnola, onde se dedicou à escrita de Siddharta (1922), romance largamente influenciado pelas culturas hindu e chinesa e que, recriando a fase inicial da vida de Buda, nos conta a vida de um filho de um Bramane que se revolta contra os ensinamentos e tradições do seu pai, até poder eventualmente encontrar a iluminação espiritual. A obra, traduzida para a língua inglesa nos anos 50, marcou definitivamente a geração Beat norte-americana.
1919 foi também o ano em que Hesse travou conhecimento com Ruth Wenger, filha da escritora suíça Lisa Wenger e bastante mais nova que o autor. O escritor renunciou à cidadania alemã, em 1923, optando pela suíça. Divorciando-se da sua primeira esposa, Maria Bernoulli, casou com Ruth Wenger em 1924, tendo o casamento durado apenas alguns meses. Dessa experiência teria resultado uma das suas obras mais importantes, Der Steppenwolf (1927). No romance, o protagonista Harry Haller confronta a sua crise de meia-idade com a escolha entre a vida da ação ou da contemplação, numa dualidade que acaba por caracterizar toda a estrutura da obra.
Em 1931 voltou a casar, desta feita com Ninon Doldin, de origem judaica. Com apenas quatorze anos, havia enviado, em 1909, uma carta a Hermann Hesse, e desde então a correspondência entre ambos não mais cessou. Conhecendo-se acidentalmente em 1926, foram viver juntos para a Casa Bodmer, estando Ninon separada do pintor B. F. Doldin, e a existência de Hesse ter-se-à tornado mais serena.
Durante o regime Nacional-Socialista, os livros de Hermann Hesse continuaram a ser publicados, tendo sido protegidos por uma circular secreta de Joseph Goebbels em 1937. Quando escreveu para o jornal pró-regime Frankfürter Zeitung, os refugiados judeus em França acusaram-no de apoiar os Nazis. Embora Hesse nunca se tivesse abertamente oposto ao regime Nacional-Socialista, procurou auxiliar os refugiados políticos. Em 1943 foi finalmente publicada a obra Das Glasperlernspiel, na qual Hesse tinha começado a trabalhar em 1931. Tendo enviado o manuscrito, em 1942, para Berlim, foi-lhe recusada a edição e o autor foi colocado na Lista Negra Nacional-Socialista. Não obstante, a obra valer-lhe-ia o prémio Nobel em 1946.
Após a atribuição do famoso galardão, Hesse não publicou mais nenhuma obra de calibre. Entre 1945 e 1962 escreveria cerca de meia centena de poemas e trinta e dois artigos para os jornais suíços.
A nove de agosto de 1962, Hermann Hesse veio a falecer, aos oitenta e cinco anos, durante o sono, vítima de uma hemorragia cerebral.

VER +
Marcel Schwob

Marcel Schwob

Uma das mais importantes figuras da vida cultural parisiense. Frequentou os círculos simbolistas e surrealistas. Antes de se tornar escritor, foi jornalista, cronista e um estudioso do argot medieval, das tradições orientais e das literaturas antigas anglo-saxónicas. Dedicou-se à crítica, à teoria literária e traduziu e divulgou em França vários autores de relevo.

VER +
Jean Genet

Jean Genet

Filho ilegítimo e abandonado pelos pais, Jean Genet nasceu em Paris a 19 de dezembro de 1910.
Com apenas 10 anos foi acusado de roubo e levado para uma instituição destinada a jovens delinquentes. Apesar de inocente, Genet decidiu, devido à falsa acusação, tornar-se ladrão. Assim, passou grande parte da infância e da juventude em instituições para delinquentes, tendo vindo a desenvolver uma crença própria: endurecer-se contra a dor e repudiar um mundo que não o aceitava.
Na década de 1930, Genet viveu em vários países europeus como ladrão, até que, em 1943, depois de ter cumprido uma pena de prisão por roubo, começou a escrever. As suas peças transmitem as suas experiências na prisão, abordando temas como a prostituição, o roubo e a homossexualidade.
Enquanto dramaturgo, Genet tornou-se uma voz importante do teatro do absurdo. A sua obra inclui também vários romances e argumentos de filmes. Morreu no dia 15 de abril de 1986.

VER +
Carlo Collodi

Carlo Collodi

Escritor de literatura infantil e jornalista italiano, Carlo Collodi, de nome verdadeiro Carlo Lorenzini, nasceu em Florença em 1826. Assumindo o pseudónimo "Collodi", em honra da pequena aldeia toscana onde a sua mãe havia nascido, assinou comédias e artigos de imprensa, dos quais se destacam as fervorosas contribuições para o Il Fanfulla. Em 1876, criou uma série infantil cujo protagonista era o vilão Gianettino, mas o seu grande sucesso chegaria, em 1881, com a publicação no Giornaledei Bambini, do primeiro episódio de "Pinocchio", com o nome Storia Di Un Burattino, com ilustrações de Eugenio Mazzanti. Publicou, durante este período, Macchiette (1880), Occhie Nasi (1881) e Storie Allegre (1887), coletâneas satíricas e humorísticas dos seus artigos publicados na imprensa. Ignorando a fama potencial da sua obra, Collodiveio a falecer, na sua Florença natal, a 26 de outubro de 1890.

VER +
Patti Smith

Patti Smith

Patti Smith é escritora e artista musical e visual. Começou a ser reconhecida durante os anos 1970 pela fusão revolucionária de rock’n’roll e poesia do seu trabalho. O disco seminal, intitulado Horses, mostrando na capa a célebre fotografia tirada por Robert Mapplethorpe, foi aclamado como um dos cem melhores álbuns de sempre. Patti Smith gravou onze álbuns. Os seus desenhos foram expostos no Gotham Book Mart, em 1973, e pelo Andy Warhol Museum, em 2002. Foram também alvo de uma mostra, juntamente com fotografias e instalações da sua autoria, na Fondation Cartier pour l’Art Contemporain em Paris, em 2008.
Smith é autora de livros que a Quetzal tem vindo a publicar: Apenas Miúdos, em 2011, e M Train, em 2016. Recebeu, em 2005, a mais alta distinção da República Francesa no campo das artes, Commandeur des Arts et des Lettres. Em 2007, passou a integrar o Rock & Roll Hall of Fame.
Patti Smith casou-se com o já desaparecido Fred Sonic Smith, em Detroit, em 1980. Tiveram um filho, Jackson, e uma filha, Jesse. Patti Smith vive atualmente em Nova Iorque.

VER +
Robert Musil

Robert Musil

Robert Musil (1880-1942) nasceu em Klagenfurt, na Áustria. Estudou engenharia e mais tarde filosofia, matemática e psicologia, doutorando-se na Universidade de Berlim, em 1908. Durante a Primeira Guerra Mundial serviu o exército austríaco e depois da guerra ocupou vários postos como funcionário público no Ministério da Defesa. Nos anos 20 torna-se escritor a tempo inteiro e jornalista independente. Quando os nazis ocupam Viena, em 1938, Robert Musil exila-se com a mulher, na Suíça, tendo vivido em Zurique e depois em Genebra, cidade onde morreu. Da sua obra, que abarca o romance, o ensaio, o teatro e o conto, destacam-se, além do presente romance, O Homem sem Qualidades, considerada uma das obras literárias mais importantes do século XX (Prémio Goethe em 1933). Parte da sua obra foi publicada postumamente.

VER +
Louisa May Alcott

Louisa May Alcott

Louisa May Alcott é uma autora americana que sonhava ser atriz mas que acabou por se tornar numa escritora incontornável no panorama da literatura juvenil. Criada com a família na Nova Inglaterra, cresceu rodeada de destacados intelectuais, tais como Nathaniel Hawthorne e Henry David Thoreau, amigos do seu pai, que era filósofo e professor. Além da sua notoriedade como escritora, a autora tornou-se muito popular pelas posições que assumiu em defesa da abolição da escravatura e do direito de voto para as mulheres.

VER +

Mark Twain

VER +

20%

Mulherzinhas
9,90€ 7,92€
PORTES GRÁTIS

20%

As Aventuras de Pinóquio
29,00€ 23,20€
PORTES GRÁTIS

20%

The Thief'S Journal
12,50€ 10,00€
PORTES GRÁTIS

20%

O Príncipe e o Pobre
12,00€ 9,60€
PORTES GRÁTIS

20%

O Jogo das Contas de Vidro
22,20€ 17,76€
PORTES GRÁTIS

20%

The Children'S Crusade
34,96€ 27,97€
PORTES GRÁTIS

20%

O Homem sem Qualidades I
29,90€ 23,92€
PORTES GRÁTIS

20%

Woolgathering
16,25€ 13,00€
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

As vozes da revolução soam a poesia

“Aqueles que queimam livros, mais cedo ou mais tarde, acabam também por queimar pessoas.” A frase do poeta Heinrich Heine (1797-1856) é como um eco que se mantém atual. A censura assume várias formas e não discrimina países ou continentes. Pode atacar a comunicação social, como prova um estudo do Conselho Europeu para a Proteção de Jornalistas1 que relata como, desde o início da pandemia, a liberdade de imprensa tem sido cada vez mais comprometida. Pode atacar a mais forte das democracias, como comprova o ataque ao Capitólio, em Washington, em janeiro de 2021. E pode ultrapassar a barreira da humanidade, fazendo-nos reviver a grande pergunta de Primo Levi sobre “se isto é um homem”.

Ai Weiwei | A arte que grita liberdade

“Todos podemos ser agentes de mudança. Por vezes, os desafios que nos rodeiam impedem-nos de saber por onde começar.” O artista chinês Ai Weiwei é mundialmente conhecido pelas suas criações, que esbatem a ténue fronteira entre arte e ativismo. Depois de ter fugido da China, vive atualmente no Alentejo, tem uma exposição patente na Cordoaria Nacional e verá as suas memórias chegarem às livrarias no final de 2021. Antes da exposição e das tão aguardadas memórias, detivemo-nos no documentário Ai Weiwei: Yours Truly (2020), que se propõe inspirar-nos a agir e a defender os direitos humanos. Tudo começa com uma forma simples e direta de demonstrar empatia: o envio de um postal.

10 mitos desvendados e 10 exercícios para um cérebro saudável

Acreditava José Saramago que "fora da cabeça não há nada". No dia em que se assinala o Dia Mundial do Cérebro, uma data criada para promover sensibilização para as doenças neurológicas, desvendamos mitos sobre o nosso órgão mais complexo e partilhamos consigo alguns exercícios fundamentais para o manter em forma. Sempre com a ajuda daqueles que acreditamos serem os melhores amigos do nosso cérebro: os livros!

Conhecida como música, artista visual e escritora, Patti Smith , autora de livros como o bestseller Apenas miúdos   ou o mais recente Devoção , é também uma leitora ávida. Em conversa com o jornal The Guardian , confessou ter-se apaixonado pelos livros mesmo antes de saber ler e recordou algumas das leituras que a marcaram indelevelmente.
 

O LIVRO QUE MUDOU A SUA VIDA
Mulherzinhas , de Louisa M. Alcott

Para Patti, o clássico do século XIX sobre as irmãs Meg, Jo, Beth e Amy  foi o livro que mais impacto teve na sua vida. É, aliás, a Louisa M. Alcott que devemos a incursão de Patti Smith na literatura, uma vez que foi a personagem Jo March que a levou a querer ser escritora. 

Se pensarmos bem em Jo, a irmã  maria-rapaz das quatro, de convicções fortes, sonhos grandes e um amor pelos livros (tanto pela leitura como pela escrita), é fácil perceber porque a cantora norte-americana poderá ter-se identificado com ela.

No final deste ano, sairá uma nova adaptação cinematográfica deste livro, na qual Jo March será representada pela atriz irlandesa Saoirse Ronan. Veja o trailer aqui .

 
O LIVRO QUE GOSTARIA DE TER ESCRITO:
As Aventuras de Pinóquio , de Carlo Collodi

Embora pudesse ter escolhido qualquer gigante da literatura, quando foi questionada acerca de qual o livro que gostaria de ter escrito, Patti optou por um clássico da literatura infantojuvenil. As Aventuras de Pinóquio, de  Carlo Collodi , o conto que serviu de inspiração para o clássico da Disney é, segundo a cantora, o livro perfeito para qualquer idade. 

Nas suas palavras, o livro pelo qual diz ter-se apaixonado aos sete anos de idade, aborda temas como a “criação, a guerra entre o Bem e o Mal, a redenção e a transfiguração” numa linguagem que apela a miúdos e graúdos.

 
O LIVRO QUE MAIS INFLUENCIOU A SUA ESCRITA:
The Thief's Journal , de Jean Genet

O livro mais autobiográfico de Jean Genet , o autor francês que viveu a maior parte da sua vida como ladrão, foi, para Patti, o livro que mais influenciou a sua escrita.

Embora fale apenas na influência que este teve no género em que escreve – “um misto entre autobiografia e ficção poética” – podemos, igualmente, encontrar semelhanças no tipo de temas abordados ou na forma como ambos exploram, de forma crua, a complexidade do íntimo humano.

 
O LIVRO QUE NÃO CONSEGUIU TERMINAR:
O Príncipe e o Pobre, de Mark Twain

Embora seja um livro relativamente curto, Patti Smith confessa não ter conseguido chegar ao fim do livro O Príncipe e o Pobre,  de um dos mais conceituados escritores da literatura norte-americana, Mark Twain .

Embora não chegue a justificar a razão, a cantora diz quando tentou ler o livro sobre o filho do rei e o mendigo, que decidem trocar de papéis, a leitura deu-lhe tanta ansiedade que chegou a vomitar. Desde aí, diz que nunca o terminou, nem é capaz de o fazer. 

 
O LIVRO QUE EXPANDIU A SUA MENTE:
O Jogo das Contas de Vidro , de Hermann Hesse

A utopia O Jogo das Contas de Vidro do autor alemão   Hermann Hesse    é, segundo Patti Smith, o livro que mais expandiu a sua mente.  Passado no século XXIII,  descreve uma comunidade mítica na qual uma elite intelectual condensa todo o conhecimento disponível da matemática, música, ciência e arte num jogo elaboradamente codificado que define os valores da sociedade. 

Para a cantora, este livro apresentou-lhe “um processo totalmente diferente de mapear o inteleto criativo” .

 
 
O LIVRO QUE MAIS GOSTA DE OFERECER COMO PRESENTE:
The Children's Crusade , de Marcel Schwob

Para Patti Smith, o livro The Children’s Crusade de Marcel Schwob nunca falha como presente. Profusamente elogiado pelo poeta Rainer Maria Rilke , conta a história das cruzadas de crianças que ocorreram no século XIII.

Embora tanto o livro como o seu autor tenham caído um pouco no esquecimento (não existindo sequer uma edição em português), Patti garante que é de uma beleza intemporal,  a que ninguém ficará indiferente.

 
O LIVRO QUE TEM VERGONHA DE AINDA NÃO TER LIDO:
O Homem Sem Qualidades , de Robert Musil

O Homem sem Qualidades , do austríaco Robert Musil , é um daqueles livros que muita gente gosta de ter na estante mas poucos leram. Tendo sido publicado em três volumes, pela editora Dom Quixote, é considerado o maior projecto romanesco, “deliberada e quase necessariamente inconcluso e inconclusivo” , da literatura do século XX.

É, por isso, compreensível que também Patti confesse ter este livro na estante há anos e ainda por ler.  Contudo, conclui com a segunda resolução: “Acredito que está na hora.”

 
 
O LIVRO PELO QUAL GOSTARIA DE SER LEMBRADA:
Woolgathering , de Patti Smith

Embora ainda não tenha sido editado em português, Patti Smith considera que Woolgathering é a obra pela qual deveria ser lembrada enquanto escritora. Este livro autobiográfico, que pode também ser lido como um romance de formação, conta a jornada de autoconhecimento de Patti, no seu percurso para se tornar artista.

Para Smith, vencedora do National Book Award em 2010, este livro é a expressão mais pura da sua imaginação.

 

Conheça a lista completa dos livros que marcaram Patti Smith aqui .

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.