Natália Correia, a mulher que era muitas

Por: Sofia Costa Lima a 2019-09-13 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Natália Correia

Natália Correia

Natália Correia nasceu na Fajã de Baixo, São Miguel, Açores, a 13 de setembro de 1923. Poetisa, ficcionista, contista, dramaturga, ensaísta, editora, jornalista, cooperativista, deputada à Assembleia da República (primeiro pelo PSD, depois como independente pelo PRD), foi uma das vozes mais proeminentes da literatura e da cultura portuguesas na segunda metade do século xx, tendo resistido energicamente ao Estado Novo e aos radicalismos do pós-25 de Abril. Ecuménica e eclética, filantropa e idealista, anteviu um novo tempo, que garantisse a paz, a dignidade humana, a justiça social e o direito à diferença como raízes indeléveis da democracia. Morreu em Lisboa, a 16 de março de 1993.

VER +

10%

Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica
24,40€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

20%

10%

Descobri que Era Europeia
18,80€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Entre a Raiz e a Utopia
9,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

O Direito a Recordar | Somos Livros Edição Comemorativa

Olga Tokarczuk disse, numa entrevista, em 2020, ao jornal Expresso, que “a história é muitas vezes vista como uma parTida de xadrez jogada pelas peças brancas (...), pouco sabemos e pouco aprendemos sobre a história das pessoas comuns.” Não é necessariamente assim. Há trinta e cinco anos, o historia- dor José Mattoso propunha um “alargamento da escala às dimensões da humanidade inteira e da totalidade do tempo”, dito doutro modo: “não dar mais valor à queda de um império do que ao nascimento de uma criança, nem mais peso às ações de um rei do que a um suspiro de amor.” Mattoso antecipava “avalanches de objeções”, mas não há dúvida que é a História com todas as peças que encontramos na obra das historiadoras que nos deram a honra de participar nesta edição comemorativa da Somos Livros. Nas conversas desta rubrica (cujo título fica esclarecido), falamos do raiar dos “de baixo” como sujeito político e das suas inclinações contrar- revolucionárias (Fátima Sá e Melo Ferreira). Vemos como a Primeira República fracassou por não ter sabido conquis- tar (ou conservar) o seu apoio (Alice Samara). Recordamos como o Estado Novo procurou doutrinar indivíduos e famílias e como lidou com os milhares de refugiados que fugiram do nazismo e, a partir de setembro de 1939, da Guerra que, como uma mancha de óleo, alastrava na Europa (Irene Flunser Pimentel).

Os "Bisouards" e a Fundação da Bertrand | Somos Livros Edição Comemorativa

 No século XVI, são poucos os estrangeiros de que há notícia dedicados ao comércio do livro em Portugal — Francisco Caeiro refere os gauleses João de La Coste e Miguel Deslandes (CAEIRO, 1980: 147) —, mas esta realidade vai mudar radicalmente no século seguinte. D. João V interessava-se pelo progresso científico e pelas artes do livro. No seu reinado, houve desenvolvimentos em várias ciências (matemática, geometria, ciências naturais, química, física, astronomia e medicina) e publicaram-se numerosos livros sobre assuntos científicos, muitos deles traduções de tratados e manuais estrangeiros (PROENÇA, 2015: 445-446).

O autor que leu 27.000 livros de banda desenhada Marvel

Chama-se Douglas Wolk o entusiasta autor de banda desenhada que leu todos os fascículos da Marvel desde 1960 a 2017: 27.000 no total. Desta experiência, surgiu o livro Al of the Marvels, publicado em 2021 pela Penguin USA.

“Sou da ilha das línguas de fogo.

Com elas aprendi a metrificar o espírito.” 

 

Foi poetisa, dramaturga, ensaísta, jornalista e  deputada da Assembleia da República. Acima de tudo, Natália Correia foi uma mulher que queria debater ideias e lutar por aquilo em que acreditava.

Marcou a cultura nacional de uma forma inigualável. Nem depois de ter sido condenada a 3 anos de pena suspensa, por ter escrito um livro considerado polémico, Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e SatíricaNatália se deixou calar. A censura, aliás, nunca a assustou.

 


 

A influência feminina que a moldou

Natália Correia nasceu na Fajã de Baixo, em Ponta Delgada. A estadia na ilha de São Miguel não foi longa, mas foi marcante. Natália nunca esqueceu os Açores e sentia-se ligada ao arquipélago de uma forma quase sublime, visceral. A letra do hino dos Açores é, aliás, da sua autoria.

Com 11 anos, viu-se obrigada a partir para o continente. O pai foi para o Brasil; ela, a mãe e a irmã seguiram para Lisboa. A relação próxima com a mãe, mas também com as avós e tias, permitiu-lhe desde cedo ter uma consciência diferente sobre o poder da mulher.

Sem medo de arriscar, Natália era considerada, por quem a conheceu, uma mulher extremamente inteligente e perspicaz. Em Lisboa, já depois de concluídos os estudos, envolveu-se em vários movimentos de oposição ao Estado Novo, como o MUD (Movimento de Unidade Democrática) e a CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática). Apoiou, ainda, as candidaturas para a Presidência da República do general Norton de Matos (1949) e de Humberto Delgado (1958).

 

Os problemas com a PIDE e as idas a tribunal

Durante as décadas de 1950 e 1960, Natália Correia  recebia várias personalidades da cultura portuguesa em sua casa. Estas reuniões serviam, quase sempre, para criticar o Estado Novo.

A sua posição em relação ao regime era de tal forma conhecida que a PIDE apreendeu vários dos seus livros. O caso mais notável aconteceu com Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica, um trabalho de seleção, anotações e prefácio inteiramente da responsabilidade de Natália Correia. O livro foi proibido por ter sido considerado ofensivo e imoral. O caso chegou a tribunal e Natália foi condenada a três anos de prisão, com pena suspensa.

Mais tarde, foi a responsável editorial de  Novas Cartas Portuguesasda autoria de Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa e Maria Teresa Horta. O caso das três Marias, como ficou conhecido, foi um marco na história portuguesa da causa feminista. As autoras foram levadas a tribunal e o caso ganhou contornos internacionais, com manifestações a favor das autoras. O julgamento começou em outubro de 1973, e só terminaria depois da Revolução do 25 de abril de 1974, acabando as autoras por ser absolvidas.

 

 

O botequim, as tertúlias e a política

A intervenção social de  Natália Correia  não se ficava pela escrita. Em 1971, fundou o bar Botequim, que acabaria por se tornar, desde logo, um local onde se reuniam  intelectuais e figuras públicas. Nos anos que se seguiram, Natália promoveu frequentemente conversas sobre temas que considerava relevantes para a sociedade portuguesa.

Dona de uma capacidade única para expor as suas ideias e opiniões, foi eleita deputada em 1979, pelo PPD, partido de Sá Carneiro,  de quem era amiga. Cumpriu o mandato, de 1980 a 1983, e depois abandonou o partido. Havia de regressar à Assembleia da República como independente, para um mandato entre 1987 e 1991.

 

Um universo gigante dentro dela

Natália Correia nunca se absteve de fazer referências feministas importantes nas suas intervenções públicas, privadas e até na sua obra. Defendia o papel que considerava que a mulher devia ter na sociedade e na sua emancipação.

Em 1981, recebeu a medalha de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada. Dez anos depois, em 1991, venceu o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores e foi distinguida Grande-Oficial da Ordem da Liberdade, que distingue personalidades por serviços relevantes prestados em defesa dos valores da Civilização.

Morreu inesperada e precocemente em março de 1993. A sua morte deixou o panorama cultural e intelectual português mais pobre.

Em 2018, a sua vida, juntamente com as histórias de Snu Abecassis e Vera Lagoa, pseudónimo de Maria Armanda Falcão, deu lugar a uma série de 13 episódios, realizada por Fernando Vendrell e exibida na RTP, com Soraia Chaves a interpretar Natália Correia.

Enquanto promovia a série, Soraia Chaves disse ao jornal O Sol que Natália Correia “não era uma só mulher, era muitas mulheres, tinha um universo gigante dentro dela”. E esta talvez seja, de facto, a melhor forma de a definir. Só assim poderá explicar-se a sua relevância e o seu papel.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.