Eleições legislativas: tudo o que precisa de saber e 9 livros essenciais

Por: Beatriz Sertório a 2024-02-27

10%

Na Cabeça de Pedro Nuno
14,80€ 13,32€
PORTES GRÁTIS

10%

Na Cabeça de Montenegro
14,80€ 13,32€
PORTES GRÁTIS

10%

Na Cabeça de Ventura
14,80€ 13,32€
PORTES GRÁTIS

10%

Não Foi por Falta de Aviso | Ainda o Apanhamos!
16,90€ 15,21€
PORTES GRÁTIS

10%

No Sonho Selvagem do Alquimista
16,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Portugal Esquecido
19,90€ 17,91€
PORTES GRÁTIS

10%

Como Mentem as Sondagens
17,90€ 16,11€
PORTES GRÁTIS

10%

Política para Crianças
16,45€ 14,81€
PORTES GRÁTIS

10%

E se Fôssemos a Votos?
8,00€ 7,20€
PORTES GRÁTIS

10%

Quem Quer Ser Primeiro-Ministro
24,99€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Vem aí a Noite dos Livros Censurados

No ano em que comemoramos 50 anos da Revolução que instaurou a liberdade em Portugal, o Plano Nacional de Leitura quer lembrar autores que foram e continuam a ser censurados ou banidos, em Portugal e no mundo. Durante a semana de 22 a 28 de abril, é lançado o desafio a bares, centros culturais, associações, livrarias, bibliotecas, institutos, teatros e outros, para que organizem noites de livros censurados, trazendo à luz textos e autores que ao longo da História foram votados à escuridão.

5 coisas surpreendentes que eram proibidas antes do 25 de abril

Para quem não viveu durante este período da História de Portugal, até pode parecer mentira, mas o nosso país era um lugar muito diferente antes de 25 de abril de 1974. Para além das proibições evidentes impostas por um regime ditatorial, como a liberdade de expressão ou de imprensa, havia algumas um pouco mais… fora da caixa. No livro Antes do 25 de abril era proibido, o jornalista António Costa Santos recorda este tempo de restrições em que sentenças como “é proibido”, “não se faz”, “parece mal” ou “é pecado” ditavam as normas e os costumes, muitas vezes com consequências muito sérias para os incumpridores. 

5 novos autores portugueses na corrida ao Prémio Livro do Ano Bertrand

Na sua 8ª edição, o Prémio Livro do Ano Bertrand conta com alguma caras novas entre os finalistas. Da seleção de 70 livros apurados à segunda fase de votações, fazem parte cinco estreias literárias de autores portugueses, com obras de diferentes géneros literários, desde a poesia ao ensaio. Fique a conhecer os livros finalistas deste cinco autores portugueses que prometem dar que falar, e se já é Leitor Bertrand tenha atenção ao seu e-mail para eleger os vencedores – as votações começam no dia 3 de abril.

Depois da demissão do primeiro-ministro, António Costa, no dia 7 de novembro, e da consequente dissolução do parlamento, os portugueses vão a votos para decidir o futuro do país. As eleições legislativas antecipadas estão marcadas para dia 10 de março, e está nas mãos de mais 10,8 milhões de eleitores residentes em território nacional e no estrangeiro escolher o partido que irá formar o próximo Governo e representá-los durante os próximos quatro anos. Os nove livros que sugerimos são essenciais para conhecer melhor os candidatos que vão a votos e entender aquilo que está em jogo.


Mas primeiro, quem são as forças políticas que vão a votos?

No total, são 19 as forças políticas a concorrer nas eleições legislativas, menos duas do que em 2022. Os eleitores poderão escolher entre os seguintes partidos e/ou coligações: PS, Aliança Democrática (PSD/CDS/PPM), Chega, IL, BE, CDU (PCP/PEV), PAN, Livre, Nós, Cidadãos!, Alternativa 21 (MPT/Aliança), ADN, PTP, RIR, JPP, Ergue-te, MAS, Nova Direita, Volt Portugal e PCTP/MRPP.

No caso do PSD, candidata-se coligado em 21 círculos com CDS e PPM, que integram a Aliança Democrática (AD). No círculo da Madeira, sociais-democratas e centristas mantêm a coligação, denominada Madeira Primeiro e PPM concorre sozinho.


E quantos deputados são eleitos por círculo?  

Serão eleitos 230 deputados para representarem os portugueses na Assembleia da República. Lisboa mantém-se como o maior círculo eleitoral (elegendo 48 deputados), seguido pelo Porto (40), Braga e Setúbal (com 19), Aveiro (16) e Leiria (10). Coimbra elege nove deputados, assim como Faro e Santarém, enquanto Viseu tem oito lugares no parlamento para distribuir.

Nas regiões autónomas, Madeira mantém seis deputados e os Açores cinco. Viana do Castelo e Vila Real elegem cinco deputados e Castelo Branco quatro. Beja, Bragança, Évora e Guarda votam para eleger três deputados por círculo, enquanto com dois mantêm-se Portalegre, Europa e Fora da Europa.


Como posso saber onde devo ir votar?

A informação sobre o local de voto fica disponível apenas 15 dias antes das eleições.

Pode obter esta informação de três formas:

  • Presencialmente na junta de freguesia do local de residência ou na câmara municipal;
  • Aceder à página da internet em www.recenseamento.mai.gov.pt;
  • Enviar uma mensagem escrita (SMS) gratuita para o número 3838, com a mensagem “RE (espaço) número de CC/BI (espaço) data de nascimento", escrevendo a data a começar pelo ano, mês e dia de nacimento [aaaammdd]. Exemplo: RE 12345678 19531007.


As nossas sugestões de leituras:

Na Cabeça de Pedro Nuno, de Ana Sá Lopes

Chegou a ser declarado politicamente morto e obrigado a abandonar o Governo. Já antes estivera à beira da demissão quando cometeu o erro político de desautorizar António Costa. Mesmo assim, ressuscitou e conseguiu alcançar o lugar com que sonhava há muito. Com este livro da autoria da jornalista Ana Sá Lopes, poderá entender melhor o pensamento do líder do PS, Pedro Nuno Santos, e a sua visão para o futuro do país.

Na Cabeça de Montenegro, de Miguel Santos Carrapatoso

O cargo de líder parlamentar, no período da troika, deu-lhe o estatuto de herdeiro do “passismo”. Mas as relações com Passos Coelho arrefeceram e o legado que agora persegue é outro e mais antigo. Recusou por três vezes ser governante e por duas vezes foi derrotado em autárquicas. Já fez e desfez alianças, esteve politicamente morto e ressuscitou. Depois de algumas falsas partidas chegou à liderança. Da autoria do jornalista Miguel Santos Carrapatoso, este livro é indispensável para ficar a conhecer melhor o líder do PSD.

Na Cabeça de Ventura, de Vítor Matos

André Ventura foi um fura-vidas. A persona mediática que criou nasceu na CMTV como comentador de futebol. Na adolescência convertera-se ao catolicismo, a ponto de se tornar um fundamentalista religioso. Depois de ganhar visibilidade televisiva soube pô-la ao serviço da sua ambição de notoriedade. Assim descreve o jornalista Vítor Matos, o presidente do partido CHEGA, fundado em 2019. Um livro fundamental para compreender melhor esta figura que o autor descreve como “uma espécie de Fausto português, que foi trocando aquilo em que acreditava por tudo o que satisfizesse a sua ambição”.

Não Foi por Falta de Aviso | Ainda o Apanhamos!, de Rui Tavares

O mais recente livro do porta-voz do Livre é um dois em um. De um lado, as crónicas que há muito alertavam para a ameaça do autoritarismo. Do outro, aquelas que nos apontam o caminho para um Portugal melhor. Nos 50 anos do 25 Abril, é tempo de revisitar uma tensão fundamental ao ser português: a tensão entre pequenez e grandeza, entre velho e novo. Para desatar o nó, não basta o «dizer umas coisas» dos populistas e não chegam as folhas de cálculo dos tecnocratas. É preciso descrever a visão de um Portugal melhor e partilhar um caminho para lá chegar.

No Sonho Selvagem do Alquimista, de Mariana Mortágua

Doutorada em Economia, Mariana Mortágua explica neste livro os principais processos de criação de moeda e o modo de funcionamento dos bancos. Acompanhando a sua evolução desde a Idade Média, a autora reflete sobre o poder associado às relações financeiras e de dívida. E sobre as novas formas de poder financeiro, nomeadamente a «banca-sombra» e as criptomoedas. Um livro importante para quem quiser aprender mais sobre o tema, mas também para ter um melhor entendimento do pensamento económico da atual coordenadora do Bloco de Esquerda.

Portugal Esquecido – Retratos de um país desigual, de Catarina Martins e João Teixeira Lopes

Para olhar para o futuro, é preciso olhar primeiro para o passado e para o presente. Neste trabalho de recolha sociológica e económica, coordenado por Catarina Martins, ex-coordenadora do Bloco de Esquerda, e João Teixeira Lopes, fica a conhecer um conjunto de realidades presentes em Portugal e de que poucas vezes se fala. Para além disso, apresenta ainda propostas de transformação social para o futuro do país em que «a paz, o pão, habitação, saúde, educação» da canção de Sérgio Godinho ainda não estão ao alcance de todos.

Como Mentem as Sondagens, de Luís Paixão Martins

A poucos dias das eleições legislativas de 2022, a previsão mais frequente da comunicação social portuguesa era de empate técnico. Nenhuma sondagem previu uma maioria absoluta. O mesmo erro tem-se repetido um pouco por todo o mundo. A TV quer dar-nos a ilusão de que consegue antecipar o futuro mas esconde a complexidade dos estudos de opinião. Luís Paixão Martins, o autor de Como Perder uma Eleição, que tem neles um dos seus instrumentos de trabalho, traça-lhes a evolução histórica
 uma história fascinante e pouco conhecida — e faz a autópsia do que está a correr mal, analisando à lupa um caso concreto recente.

Política para crianças, de Mafalda Cordeiro; Ilustração: Rita Antunes

Para crianças ou para adultos mais leigos, este livro explica conceitos fundamentais para entender política e a forma como ela influencia o nosso dia-a-dia. Acompanhado pelas ilustrações lúdicas e divertidas de Rita Antunes, ensina miúdos e graúdos o que é a política, como se formam governos, a importância do voto e como a nossa participação na sociedade pode influenciar o futuro. Inclui ainda atividades e desafios para toda a família.

E se Fôssemos a Votos?, de Luísa Ducla Soares; Ilustração: Rachel Caiano

No mais recente livro de Luísa Ducla Soares, uma das mais reconhecidas autoras de literatura infantojuvenil em Portugal, um avô paciente responde a todas as perguntas da sua neta e alguns dos seus colegas sobre o que são as eleições e para que servem. Depois de descobrirem a importância deste instrumento e de como é fundamental para o bom funcionamento de uma sociedade democrática, decidem juntos replicar tudo aquilo que aprenderam na sua própria escola.

Jogo Quem Quer Ser Primeiro-Ministro

Por fim, um jogo de tabuleiro perfeito para jogar em família no fim de semana das eleições. Recomendado para maiores de doze anos, é indicado para quem gosta de política mas especialmente para quem não gosta. Nele, cada jogador representa um dos sete partidos políticos e ganha quem conseguir chegar primeiro à casa Primeiro-Ministro. Quem será que tem o que é preciso para ser o próximo líder do nosso país?

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.