Enfrentar o medo com elegância poética

Por: Marisa Sousa a 2020-08-04

Lawrence Ferlinghetti

Lawrence Ferlinghetti

Lawrence Ferlinghetti (1919-2021), patrono anarquista dos poetas norte-americanos, tornou-se pacifista depois de testemunhar a destruição de Nagasáqui – um ativismo que cultivaria toda a vida. Em 1953, fundou a Livraria City Lights, em São Francisco, palco da contracultura beat e de leituras acompanhadas de jazz e álcool noite dentro, onde Kerouac e Burroughs marcaram presença. É autor de mais de quarenta obras, nas quais se destacam Uma Coney Island da Mente (1958) e Pictures of the Gone World (1955). Quis libertar a poesia do mofo da academia, dar voz a autores necessários e afirmava: «Não me dei conta de que era poeta, dei-me conta de que tinha algo a dizer.»

VER +
José Tolentino Mendonça

José Tolentino Mendonça

Poeta, sacerdote e professor, José Tolentino Mendonça nasceu na ilha da Madeira em 1965. Estudou Ciências Bíblicas em Roma e vive no Vaticano desde 2018. Em 2019, foi nomeado Cardeal pelo Papa Francisco; em 2022 foi anunciado como prefeito do novo Dicastério para a Cultura e a Educação da Santa Sé. A sua poesia é publicada pela Assírio & Alvim e a obra ensaística, desde 2017, pela Quetzal. Foi-lhe atribuído o Prémio Pessoa em 2023.

VER +
José Jorge Letria

José Jorge Letria

José Jorge Letria é ficcionista, jornalista, poeta, dramaturgo. Nasceu em Cascais, em 1951, onde foi vereador da Cultura de 1994 a 2002. Traduzido em mais de dez idiomas, foi premiado em Portugal e no estrangeiro: destacam-se dois Grandes Prémios da APE, o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Eça de Queiroz – Município de Lisboa, o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte e o Prémio de Poesia Guerra Junqueiro. As antologias "O Fantasma da Obra", "O Livro Branco da Melancolia" e "Poesia Escolhida" condensam o essencial da sua poesia. Foi, ao lado de José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, um destacado cantor político, tendo sido agraciado, em 1997, com a Ordem da Liberdade. É mestre em Estudos da Paz e da Guerra nas Novas Relações Internacionais pela Universidade Autónoma de Lisboa e pós-graduado em Jornalismo Internacional. Doutorou-se com distinção em Ciências da Comunicação no ISCTE. É presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, presidiu ao Grupo Europeu de Sociedades de Autores e Compositores (GESAC), com sede em Bruxelas, e ao Comité Europeu de Sociedades de Autores da Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores, com sede em Paris.

VER +
Jorge de Sena

Jorge de Sena

Jorge de Sena nasceu em Lisboa a 2 de novembro de 1919 e morreu em Santa Bárbara, na Califórnia, a 4 de junho de 1978. Licenciado em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia do Porto, parte para o exílio no Brasil em 1959 e aí doutora-se em Letras e torna-se regente das cadeiras de Teoria da Literatura e de Literatura Portuguesa. Muda-se para os Estados Unidos da América em 1965, lecionando na Universidade de Wisconsin e, anos depois, na Universidade da Califórnia. Poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta e tradutor, é considerado um dos mais relevantes escritores de língua portuguesa do século XX, autor de títulos como Metamorfoses (1963), Os Grão-Capitães (1976), O Físico Prodigioso (1977) e Sinais de Fogo (1979), este último considerado a sua obra-prima.

VER +
Filipa Leal

Filipa Leal

Filipa Leal nasceu no Porto em 1979. Duas das suas obras mais recentes, Vem à Quinta-Feira e Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano, foram finalistas do Prémio Correntes d’Escritas e semifinalistas do Prémio Oceanos. Está editada na Colômbia, em Espanha, em França (com a plaquete La Ville Oubliée) e no Brasil. Formada em Jornalismo pela Universidade de Westminster, em Londres, é mestre em Estudos Portugueses e Brasileiros pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Está representada em várias antologias em Portugal e no estrangeiro (Venezuela, México, Grécia, Bulgária, Países Baixos ou Eslovénia). Como argumentista, destaca-se o seu guião para Jogo de Damas, com a realizadora Patrícia Sequeira — Prémio de Melhor Guião nos Festivais de Cinema do Chipre e de Copenhaga.

VER +
Manuel Alegre

Manuel Alegre

O poeta Manuel Alegre foi galardoado, juntamente com o fotógrafo José Manuel Rodrigues, com o Prémio Pessoa 1999, uma iniciativa do jornal "Expresso" e da Unisys. Foi a primeira vez que este prémio, que pretende «reconhecer uma pessoa de nacionalidade portuguesa com uma intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária e científica do país», foi atribuído ex-aequo. Pinto Balsemão, em representação do júri, justificou a escolha do nome de Manuel Alegre, que viu reunida a sua obra poética no volume "Trinta Anos de Poesia" (Publ. D. Quixote), por «ser uma referência da poesia portuguesa deste século» e representar « a visão de um Portugal aberto ao mundo e um humanismo universalista atento a tudo o que nos rodeia».
Manuel Alegre, que poucos meses havia sido consagrado com o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários, pelo conjunto da sua obra, a propósito da publicação do livro "Senhora das Tempestades", nasceu em Águeda em 1936 e estudou Direito na Universidade de Coimbra, onde participou ativamente nas lutas académicas. Quando cumpria o serviço militar em Angola, participou na primeira tentativa de rebelião contra a guerra colonial, sendo então preso pela PIDE. Seguiu-se o exílio em Argel, onde foi membro diretivo da F.P.L.N. e locutor da rádio Voz da Liberdade. A sua atividade política andou sempre a par da atividade literária e alguns dos seus poemas ("Trova do Vento que Passa", "Nambuangongo Meu Amor", "Canção com Lágrimas e Sol"...) transformaram-se em hinos geracionais e de combate ao fascismo, copiados e distribuídos de mão em mão, cantados por Adriano Correia de Oliveira ou Manuel Freire. Os seus dois primeiros livros, "Praça da Canção" (1965) e "O Canto e as Armas" (1967) venderam mais de cem mil exemplares. Comentando o prémio, em entrevista ao "Diário de Notícias", o escritor afirmava: « Devo tudo aos meus leitores. É, sobretudo, uma vitória deles. Porque foram os leitores que, ao longo da minha vida literária, estiveram sempre perto de mim e me ajudaram a vencer várias censuras (política e estética). Expresso-lhes a minha gratidão.»
Regressado do exílio em 1974, "o poeta da liberdade" desempenhou um papel de relevo no Partido Socialista. Foi membro do Governo, deputado da Assembleia da República e ocupou um lugar no Conselho de Estado, funcionando muitas vezes como uma espécie de consciência crítica do seu partido. Os livros mais recentes (note-se ainda a incursão pela prosa: "Jornada de África", 1989, "Alma", 1995, e " "A Terceira Rosa", 1998) levam-no ao diálogo com poetas de outros tempos, como Dante ou Camões, ou a refletir sobre a condição humana, a morte e o sentido da existência, de que são exemplo os "Poemas do Pescador", que se enfrenta com o enigma da sua vida, incluídos no livro "Senhora das Tempestades", «Senhora dos cabelos de alga onde se escondem as divindades / (...) Senhora do Sol do sul com que me cegas / / (...) Senhora da vida que passa e do sentido trágico // (...) Senhora do poema e da oculta fórmula da escrita / alquimia de sons Senhora do vento norte / que trazes a palavra nunca dita / Senhora da minha vida Senhora da minha morte.»
Recebeu o mais prestigiado galardão das letras lusófonas, o Prémio Camões, em 2017.

VER +

10%

Vem à Quinta-Feira
11,10€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

A Invenção do Dia Claro
16,65€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Vem aí a Noite dos Livros Censurados

No ano em que comemoramos 50 anos da Revolução que instaurou a liberdade em Portugal, o Plano Nacional de Leitura quer lembrar autores que foram e continuam a ser censurados ou banidos, em Portugal e no mundo. Durante a semana de 22 a 28 de abril, é lançado o desafio a bares, centros culturais, associações, livrarias, bibliotecas, institutos, teatros e outros, para que organizem noites de livros censurados, trazendo à luz textos e autores que ao longo da História foram votados à escuridão.

5 coisas surpreendentes que eram proibidas antes do 25 de abril

Para quem não viveu durante este período da História de Portugal, até pode parecer mentira, mas o nosso país era um lugar muito diferente antes de 25 de abril de 1974. Para além das proibições evidentes impostas por um regime ditatorial, como a liberdade de expressão ou de imprensa, havia algumas um pouco mais… fora da caixa. No livro Antes do 25 de abril era proibido, o jornalista António Costa Santos recorda este tempo de restrições em que sentenças como “é proibido”, “não se faz”, “parece mal” ou “é pecado” ditavam as normas e os costumes, muitas vezes com consequências muito sérias para os incumpridores. 

5 novos autores portugueses na corrida ao Prémio Livro do Ano Bertrand

Na sua 8ª edição, o Prémio Livro do Ano Bertrand conta com alguma caras novas entre os finalistas. Da seleção de 70 livros apurados à segunda fase de votações, fazem parte cinco estreias literárias de autores portugueses, com obras de diferentes géneros literários, desde a poesia ao ensaio. Fique a conhecer os livros finalistas deste cinco autores portugueses que prometem dar que falar, e se já é Leitor Bertrand tenha atenção ao seu e-mail para eleger os vencedores – as votações começam no dia 3 de abril.

Numa entrevista ao Correio Braziliense, em abril, Mia Couto, biólogo e poeta moçambicano, quando questionado sobre o espaço da poesia em tempos de incerteza e sobre se o medo poderia ser enfrentado com 'elegância poética', afirmou que a poesia poderia ser boa aliada em tempos de pandemia, acrescentando que, se esta ”constituir uma visão alternativa do mundo, e não apenas uma forma de arte, então ela terá poderes para enfrentar este mundo”. “Às vezes, tudo o que resta é a palavra”, concluiu. E foi com palavras e poesia que muitos quiseram vestir os dias em que, confinados, assistiam ao medo e à morte a fazerem manchetes nas televisões — a fazer lembrar os seres descritos por Platão, na sua alegoria da caverna, que vislumbravam apenas uma ténue sombra da realidade projetada nas suas paredes. Foi a alimentar os sonhos a poesia (“Ó subalimentados do sonho! A poesia é para comer.”, Natália Correia) que muitas esperas se tornaram suportáveis porque, acreditamos, tal como Juan Ramón Jimenez, que “A poesia, como deus, como o amor, é só fé.”


“LISBOA DE PESSOA ALEGRE E TRISTE / E EM CASA RUA DESERTA / AINDA RESISTE”

 

A 18 de março de 2020 foi declarado, em Portugal, o estado de emergência. Três dias depois, a 21 de março, o Dia Mundial da Poesia era celebrado de forma bem diferente do que aconteceu em anos anteriores. Para assinalar a data, o poeta Manuel Alegre partilhou, na sua página no facebook, um poema dedicado a Lisboa “com praças cheias de ninguém”, que a cidade “ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste” e, que apesar de tudo, “ainda resiste”. O poeta José Jorge Letria também assinalou a data, divulgando um poema inédito que conta que: “Esta ausência não foi por nós pedida / este silêncio não é da nossa lavra / já nem Pessoa conversa com Pessoa / com o feitiço sempre imenso da palavra.”

 

 

UM VÍRUS “ENTRE NÓS E AS PALAVRAS”

 

Depois de encerradas as portas do Pinguim Café, a mais famosa e antiga tertúlia de poesia do Porto foi transmitida em live streaming. Os responsáveis pelas tertúlias afirmaram não permitir que o vírus se interpusesse entre eles e as palavras e desafiaram as pessoas a encherem a cave virtual com a partilha de poemas e canções. “As noites nunca têm uma temática, correm livres e ao sabor da inspiração e das vontades dos participantes. Assim será também esta noite”, garantiu Rui Spranger antes da realização da primeira sessão virtual. Entre os poemas e excertos que se afiguravam como pertinentes, Spranger destacou, entre outros, um d’Carta a Meus Filhos Sobre os Fuzilamentos de Goya, de Jorge de Sena, que diz a certa altura “Acreditai que nenhum mundo, que nada nem ninguém / vale mais que uma vida ou a alegria tê-la. / É isto o que mais importa — essa alegria.” e a última frase de A Invenção do Dia Claro, de Almada Negreiros: “Só faltava uma coisa, salvar a humanidade”. (Visão)

 

Sessão Pinguim - Poesia em casa

“HAVEMOS DE IR AO FUTURO”

A 12 de abril, as ruas desertas do Bonfim, no Porto, erguiam a esperança e as promessas de futuro, usando a poesia da Filipa Leal.

“(…) Havemos de ir juntos ao futuro / ou se não houver boleia para todos ao mesmo tempo / havemos de nos encontrar lá./ Havemos de ir juntos ao futuro e no futuro estará finalmente tudo como dantes” (in Vem à Quinta-Feira, Assírio & Alvim).

 

“O PORTO EMBALADO PELO CANTO DAS SUAS JANELAS”

 

20 de abril. Um poema escrito à janela cresceu e fez-se ponte entre duas desconhecidas (Público). Rossana Ribeiro, num “acto de desespero”, colou na janela do seu 3.ª andar, no centro do Porto, a mensagem: “Olá, como estás?”. Uma das respostas que recebeu foi a de Ana Neiva, que na janela do seu 1.º andar afixou a mensagem: “Olá, vai ficar tudo bem. Vizinhos top.” Rapidamente o diálogo tomou forma e o desafio nasceu: “Fazemos um poema?”. Nascia assim, a quatro mãos, um poema escrito por duas desconhecidas. “O Porto adormeceu / Embalado pelo canto das suas janelas” foram os primeiros versos e muitos se seguiram daí para a frente. A métrica e o ritmo pouca importância têm quando a poesia, tal como disse Ferlinghetti, é “a distância mais curta entre duas pessoas”.

 

Bonfim. Porto, Abril 2020.

 

E É TAMBÉM À JANELA QUE SE COMEMORA A LIBERDADE

 

Sem possibilidade de realizar as tradicionais comemorações do 25 de abril nas ruas, como é hábito, e em pleno estado de emergência e com algumas das liberdades restringidas, a celebração da liberdade ganhou uma pertinência relevada. Um pouco por todo o país, as vozes saíram às janelas e varandas para entoar Grândola, Vila Morena. Em Vila Franca de Xira, um grupo de moradores juntou-se para ler os poemas da liberdade aos portugueses confi nados em casa. Na Covilhã, a Câmara Municipal lançou a iniciativa “Poetas da Liberdade”, partilhando diariamente poemas alusivos à Revolução dos Cravos e à liberdade, da autoria de Manuel Alegre, Sophia de Mello Breyner Andresen, José Jorge Letria, Zeca Afonso e José Carlos Ary dos Santos.

 

© Sic Notícias

 

PARA ESPANTAR A MORTE…

 

Clube dos Poetas Vivos
No início do confinamento, rapidamente nos começámos a aperceber de que tudo passava a acontecer online. O difícil começou a ser, a partir de determinado momento, escolher entre a torrente de acontecimentos que, à falta de ruas e palcos, de esplanadas e teatros, de restaurante e cinemas, passaram a estar ali tão perto, na palma da nossa mão. O ser humano, entre outras coisas, tem a incrível capacidade de rapidamente se adaptar às circunstâncias. O Clube dos Poetas Vivos, iniciativa realizada em parceria pelo Teatro Nacional D. Maria II e pela Casa Fernando Pessoa desde 2016, não parou. Os encontros, em torno dos poetas e das suas palavras, passaram a acontecer semanalmente online. “Bem queríamos que este fosse um clube secreto, uma sociedade clandestina em que a poesia fosse a única lei e a sua partilha a grande liberdade. Mas não foi assim que aconteceu. O segredo passou de boca em boca e os sócios já ultrapassam a centena. Uma fantástica fuga de informação que nos fez repensar as coisas: fim ao secretismo. Multipliquemo-nos, sejamos muitos em redor do poeta que se juntar a nós. Passe a palavra.”, pode ler-se no site. As sessões realizadas durante o confi namento estão disponíveis no canal do Youtube do Teatro D. Maria II.

 

 

"SEM DIAS DE SOLIDÃO"

Há já quase dezanove anos que o Teatro do Campo Alegre, no Porto, vê a sua lotação esgotada, mensalmente: a culpa é das Quintas de Leitura. O ciclo literário acabou também por ser suspenso, tendo regressado dia 21 de maio, para uma sessão especial online, realizada através da página de Facebook do Teatro Municipal do Porto. A emissão “Sem dias de Solidão” foi especialmente dedicada ”à poesia, à liberdade, ao amor e ao futuro”, conforme esclareceu o TMP em comunicado de imprensa. Estes valores, que ganham especial relevância em momentos de medo e incerteza, foram celebrados sob a forma de poemas de Mário Cesariny, Manuel António Pina, Afonso Cruz, José Luís Peixoto, Pablo Neruda, Tristan Tzara e Rolf Jacobsen.

 

 

“CAMÕES DESCONFINOU PORTUGAL”

 

E porque é de poesia que falamos, não podíamos deixar passar em claro o brilhante discurso proferido dia 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, pelo Cardeal (e poeta) D. José Tolentino de Mendonça. Sem considerações adicionais, porque as suas palavras bastam, recordemos um excerto:

“Pensemos no contributo de Camões. Camões não nos deu só o poema. Se quisermos ser precisos, Camões deixou-nos em herança a poesia. Se, à distância destes quase quinhentos anos, continuamos a evocar coletivamente o seu nome, não é apenas porque nos ofereceu, em concreto, o mais extraordinário mapa mental do Portugal do seu tempo, mas também porque iniciou um inteiro povo nessa inultrapassável ciência de navegação interior que é a poesia. A poesia é um guia náutico perpétuo; é um tratado de marinhagem para a experiência oceânica que fazemos da vida; é uma cosmografia da alma. Isso explica, por exemplo, que Os Lusíadas sejam, ao mesmo tempo, um livro que nos leva por mar até à Índia, mas que nos conduz por terra ainda mais longe: conduz-nos a nós próprios; conduz-nos, com uma lucidez veemente, a representações que nos definem como indivíduos e como nação; faz-nos aportar — e esse é o prodígio da grande literatura — àquela consciência última de nós mesmos, ao quinhão daquelas perguntas fundamentais de cujo confronto um ser humano sobre a terra não se pode isentar.

 

O cardeal José Tolentino Mendonça durante o discurso na cerimónia do 10 de Junho de 2020. © Presidência da República

 

Se é verdade, como escreveu Wittgenstein, que «os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo», Camões desconfinou Portugal. A quem tivesse dúvidas sobre o papel central da cultura, das artes ou do pensamento na construção de um país bastaria recordar isso. Camões desconfinou Portugal no século XVI e continua a ser para a nossa época um preclaro mestre da arte do desconfinamento. Porque desconfinar não é simplesmente voltar a ocupar o espaço comunitário, mas é poder, sim, habitá-lo plenamente; poder modelá-lo de forma criativa, com forças e intensidades novas, como um exercício deliberado e comprometido de cidadania. Desconfinar é sentir-se protagonista e participante de um projeto mais amplo e em construção, que a todos diz respeito. É não se conformar com os limites da linguagem, das ideias, dos modelos e do próprio tempo. Numa estação de tetos baixos, Camões é uma inspiração para ousar sonhos grandes. E isso é tanto mais decisivo numa época que não apenas nos confronta com múltiplas mudanças, mas sobretudo nos coloca no interior turbulento de umamudança de época.”

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.