Filipa Leal

Filipa Leal

Biografia

Filipa Leal nasceu no Porto em 1979. É poeta, jornalista e argumentista. Formada em Jornalismo pela Universidade de Westminter (Londres), é Mestre em Estudos Portugueses e Brasileiros pela Faculdade de Letras do Porto. Trabalhou em rádio, imprensa e televisão. Publicou o seu primeiro livro, lua-polaroid, em 2003, a que se seguiram oito títulos de poesia, entre os quais A Cidade Líquida, O Problema de Ser Norte, A Inexistência de Eva (ed. Deriva), Adília Lopes Lopes (não-edições) ou Vem à Quinta-feira (2016, ed. Assírio & Alvim). O seu livro A Cidade Líquida foi publicado em Espanha pela editorial Sequitur. Em 2016, a editora colombiana Tragaluz publicou a primeira antologia que reúne poemas de toda a sua obra no livro En los días tristes no se habla de aves. Escreveu, com a realizadora Patrícia Sequeira, a longa-metragem de cinema Jogo de Damas, pela qual receberam o prémio Golden Aphrodite de Melhor Guião no Festival de Cinema do Chipre (2016) e o Prémio de Melhor Guião no International Monthly Film Festival de Copenhaga (2017). Autora e argumentista da série Mulheres Assim, emitida na RTP1 (2016-2017), colaborou também com o programa semanal Literatura Aqui, da RTP2 (Prémio SPA para Melhor programa de Entretenimento 2017). Atualmente é um dos rostos do programa cultural Nada Será Como Dante (RTP2).

Notícias VER +

Filipa Leal: “A poesia é como ter uma chave fixa do Euromilhões”.

É sempre com algum deslumbramento e muito medo que se parte para uma conversa com uma poeta viva. Os poetas mortos são mais fáceis de retratar. A coisa complica-se se tivermos por hábito devorar a poesia dessa autora e, pior, se um dos seus poemas teve, um dia, o descaramento de nos fazer chorar. Tropeçamos logo numa frase que a Filipa disse numa entrevista: “Como jornalista, tenho o maior respeito por quem me faz as perguntas certas (…)”. A partir daqui, é ter fé na prosa e acreditar que não convidaremos, para a conversa, as perguntas erradas. Ela começa por pedir desculpa pelo seu poema me ter feito chorar. Há pessoas assim, das que “dão laranjas”.

"Entrevista de emprego", de Filipa Leal

Em entrevista à revista Somos Livros, Filipa Leal confessou que se fosse um poema, as primeiras palavras seriam as de um soneto de Camões que desde a adolescência vem colando nas suas mesas de trabalho: "Que dias há que n’alma me tem posto / Um não sei quê, que nasce não sei onde, / vem não sei como e dói não sei porquê". Nasceu no Porto em 1979, e é poeta, jornalista e argumentista. Publicou o seu primeiro livro, lua-polaroid, em 2003, ao qual se seguiram oito títulos de poesia, entre os quais A Cidade Líquida, O Problema de Ser Norte, A Inexistência de Eva, ou, o mais recente Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano. Atualmente, colabora com o programa semanal Literatura Aqui, da RTP2, vencedor do Prémio SPA para Melhor programa de Entretenimento 2017.O poema "Entrevista de emprego" faz parte do livro Vem à Quinta-feira, o primeiro livro da autora a ser publicado pela editora Assírio e Alvim. 

Nada Será como Dante | A literatura em voz alta

“Isto podia ser um talk show, mas tinha muito menos imaginação.” Teresa Paixão, diretora da RTP2, não queria um programa sobre livros; queria um programa de leitura, de texto, queria que se lesse na televisão: “Era a única coisa que eu queria — era que se ouvisse ler, que se visse gente a ler.” O título, sugestão da Filipa Leal (que conduz o programa, juntamente com Pedro Lamares), veio marcar a diferença em relação ao seu antecessor, o Literatura Aqui (vencedor do Prémio para Melhor Programa de Entretenimento, atribuído pela SPA, em 2017). Às terças-feiras à noite, a literatura anda à solta na RTP2, nas bocas de quem a sabe de cor. Porque Nada Será Como Dante. 

Enfrentar o medo com elegância poética

Numa entrevista ao Correio Braziliense, em abril, Mia Couto, biólogo e poeta moçambicano, quando questionado sobre o espaço da poesia em tempos de incerteza e sobre se o medo poderia ser enfrentado com 'elegância poética', afirmou que a poesia poderia ser boa aliada em tempos de pandemia, acrescentando que, se esta ”constituir uma visão alternativa do mundo, e não apenas uma forma de arte, então ela terá poderes para enfrentar este mundo”. “Às vezes, tudo o que resta é a palavra”, concluiu. E foi com palavras e poesia que muitos quiseram vestir os dias em que, confinados, assistiam ao medo e à morte a fazerem manchetes nas televisões — a fazer lembrar os seres descritos por Platão, na sua alegoria da caverna, que vislumbravam apenas uma ténue sombra da realidade projetada nas suas paredes. Foi a alimentar os sonhos a poesia (“Ó subalimentados do sonho! A poesia é para comer.”, Natália Correia) que muitas esperas se tornaram suportáveis porque, acreditamos, tal como Juan Ramón Jimenez, que “A
poesia, como deus, como o amor, é só fé.”

partilhar

bibliografia

Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
11,00€
Assírio & Alvim
Vem à Quinta-Feira
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
11,00€
Assírio & Alvim
Pelos Leitores de Poesia
Vale Formoso
11,00€
Deriva Editores
A Inexistência de Eva
11,11€
Deriva Editores
O Problema de Ser Norte
10,09€
Deriva Editores
Cidade Líquida & Outras Texturas
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
10,10€
Deriva Editores
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.