Dia Mundial do Cinema: Leia os Livros e Veja os Filmes.

Por: Sofia Costa Lima a 2019-11-05

Jane Austen

Jane Austen

Importante romancista inglesa (1775-1815) cuja escrita marca a passagem do Neoclassicismo para o Romantismo. Quando era ainda criança, escreveu novelas para a família, em parte publicadas em Love and Friendship and Other Early Works (1922). Na produção literária desta autora são considerados dois períodos: de 1796 a 1798, em que escreveu Sense and Sensibility (Sensibilidade e Bom Senso) e Pride and Prejudice (Orgulho e Preconceito), publicados em 1811 e 1813, respetivamente; e a partir de 1811, com a escrita de Mansfield Park (1814), Emma (1816) e Persuasion (Persuasão, 1818).

VER +
J. K. Rowling

J. K. Rowling

J. K. Rowling é autora da série bestseller Harry Potter, constituída por sete volumes publicados entre 1997 e 2007, a qual já vendeu mais de 500 milhões de exemplares em todo o mundo e deu origem a oito grandes produções cinematográficas.
A autora escreveu ainda três livros cujas receitas revertem a favor de instituições de solidariedade: O Quidditch Através dos Tempos, Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los (a favor da Comic Relief) e os Contos de Beedle o Bardo (a favor da Lumos). Em 2012, J. K. Rowling lançou a plataforma digital Pottermore, através da qual os fãs da autora poderão encontrar novidades, artigos, reportagens e os seus textos mais recentes.
O seu primeiro romance para adultos, Uma Morte Súbita, foi publicado em setembro de 2012 e adaptado à televisão pela BBC em 2015. Os seus romances policiais, escritos sob o pseudónimo Robert Galbraith, foram publicados em 2013 (Quando o Cuco Chama), 2014 (O Bicho da Seda), 2015 (Carreira do Mal) e 2018 (Lethal White). Estes livros foram adaptados ao formato televisivo numa produção da Brontë Film & Television para a BBC e a HBO. J. K. Rowling foi convidada para fazer o discurso de abertura da cerimónia de formatura da Universidade de Harvard em 2008, posteriormente publicado numa edição ilustrada, em 2015, sob o título Uma Vida Muito Boa, cujas receitas revertem a favor da instituição de solidariedade a que preside, a Lumus, bem como de projetos da Universidade de Harvard.
Em 2016, J. K. Rowling colaborou com o escritor Jack Thorne e o encenador John Tiffany na peça de teatro intitulada Harry Potter e a Criança Amaldiçoada Partes Um e Dois, em cena no Palace Theatre, em Londres, e no Lyric Theatre, na Broadway, em Nova Iorque.
O guião da peça de teatro Harry Potter e a Criança Amaldiçoada Partes Um e Dois e o argumento do filme Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los foram publicados em 2016.
Pottermore Publishing é a editora digital global das séries Harry Potter e Monstros Fantásticos, bem como de outros audiolivros e ebooks do Mundo Mágico de Harry Potter. Tem como objetivo liderar a inovação no domínio da edição digital e reunir as novas gerações de leitores com os fãs de longa data, celebrando e dando vida às histórias que começaram com O Rapaz que Sobreviveu (1º capítulo de Harry Potter e a Pedra Filosofal).
A autora não está disponível para entrevistas ou outros eventos relacionados com a publicação do argumento do filme.

VER +
Chuck Palahniuk

Chuck Palahniuk

Chuck Palahniuk emergiu, em finais dos anos 90, como uma das vozes mais originais do moderno romance norte-americano, um retratista desencantado dos novos anti-heróis. O seu livro Clube de Combate (editado pela Notícias) veio provar que estava viva toda uma tradição de humor negro e escrita cruel, herdada de autores como Kurt Vonnegut ou Don DeLillo. Depois da sua adaptação ao cinema, sob a direcção de David Fincher, com Brad Pitt e Edward Norton, consolidou o culto Palahniuk. Seguiram-se, entre outros, títulos como Non-Fiction, Choke-Asfixia, Lullaby e Sobrevivente, os últimos três igualmente editados pela Casa das Letras. De descendência francesa e russa, Chuck Palahniuk nasceu em Pasco, Washington, a 21 de Fevereiro de 1962. Vive actualmente em Portland, Oregon, nos Estados Unidos.

VER +
Mário Puzo

Mário Puzo

Escritor norte-americano, Mario Puzo nasceu a 15 de Outubro de 1920, num bairro desfavorecido da cidade de Nova Iorque. Oriundo de uma família de imigrantes italianos, era filho de um ferroviário. Passou a sua infância entre os comboios, morando com os seus seis irmãos em terrenos pertencentes a uma gare, e em bibliotecas públicas, que desde muito cedo o apaixonaram ao ponto de querer escrever.
Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, Puzo alistou-se na Força Aérea norte-americana, servindo primeiro no Pacífico, e depois na Alemanha, onde decidiu permanecer, após a assinatura do armistício, como relações públicas desse organismo militar, mas obedecendo a um estatuto civil. De regresso ao continente americano, encontrou meios para estudar, ingressando na New School For Social Research de Nova Iorque, prosseguindo depois para a Universidade de Columbia, onde frequentou os cursos de Literatura e Escrita de Criação. Conseguiu publicar o seu primeiro conto numa revista literária em 1950, com o título The Last Christmas .
Passou então a trabalhar como assistente administrativo em organismos governamentais, deslocando-se amiúde de Nova Iorque para a Europa. Em 1955 publicou o seu primeiro livro, o romance Dark Arena, que contava a história de um antigo combatente norte-americano, Walter Mosca, e da sua relação com uma alemã, que morre por falta de cuidados médicos. A partir de 1963 Mario Puzo resolveu dedicar-se inteiramente à escrita, trabalhando como escritor e jornalista independente, publicando contos, críticas e artigos na imprensa de renome. Não abandonando porém os grandes projetos, apareceu em 1965 com Fortunate Pilgrim, romance que descrevia as andanças de uma família de imigrantes italianos desde a década de 20 até ao fim da Segunda Guerra Mundial, incidindo na figura matriarcal de uma velha camponesa.
Em 1969 surgiu o grande êxito que consagrou Puzo como escritor de sucesso. The Godfather (1969, O Padrinho ) criava o mito da máfia siciliana, pelo que Don Corleone, o protagonista da obra, se tornou numa referência universal para exprimir o rigor dos códigos de honra do banditismo. O sucesso do livro foi acrescido com as suas três adaptações sucessivas para o cinema, pela mão do realizador Francis Ford Coppola, com a participação de nomes como Marlon Brando e Al Pacino no elenco do primeiro episódio.
Oscilando entre os mundos da corrupção, violência e crime, e o espírito tradicionalista italiano transplantado para desleixo dos valores nos Estados Unidos, Puzo continuou a escrever romances de sucesso, de que se destacam a título de exemplo Inside Las Vegas (1977), The Last Don (1996) e Omerta (2000).
Mario Puzo faleceu em Long Island em Julho de 1999, em consequência de uma paragem cardíaca.

VER +

20%

Harry Potter e a Pedra Filosofal
15,90€ 12,72€
PORTES GRÁTIS

20%

Orgulho e Preconceito
18,00€ 14,40€
PORTES GRÁTIS

20%

O Padrinho
10,00€ 8,00€
PORTES GRÁTIS

20%

As Vantagens de Ser Invisível
14,90€ 11,92€
PORTES GRÁTIS

20%

Clube de Combate
17,50€ 14,00€
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Seis curiosidades sobre "Gambito de Dama"

A série de televisão Queen’s Gambit (Gambito de Dama) tornou-se um fenómeno mundial. Após a sua estreia, em outubro de 2020, a Netflix anunciou tratar-se da minissérie mais vista da plataforma durante as primeiras quatro semanas de visualização. Baseada no livro homónimo de Walter Tevis, originalmente publicado em 1983, esta história fascinante tem o xadrez como centro da narrativa.Participe neste jogo de estratégia e descubra algumas das peças que garantiram este sucesso.

Já pode eleger os melhores livros de 2020

Embora 2020 tenha sido um ano atípico, há coisas que não mudam. Mantendo a tradição, arrancou a 5.ª edição do primeiro prémio literário português atribuído por livreiros e leitores, o Prémio Livro do Ano Bertrand, lançado há quatro anos pela Livraria Bertrand, com 175 obras a votação. Às categorias já existentes, Melhor livro de ficção lusófona, Melhor livro de ficção de autores estrangeiros, Melhor reedição de obras essenciais em prosa e Melhor livro de poesia, foi este ano acrescentada uma nova, a de Melhor reedição de poesia. A pré-seleção, que procurou distinguir os livros, em prosa e poesia, que marcaram o último ano editorial, contou com a colaboração dos jornalistas Sérgio Almeida, Sílvia Souto Cunha e Maria João Costa.

10 livros em que os profissionais de saúde são os heróis

A propósito do Dia Mundial da Saúde, celebrado ontem, dia 7 de abril, sob o mote "Construir um mundo mais justo e saudável", homenageamos aqueles que trabalham diariamente para tornar esta missão uma realidade: os profissionais de saúde. 

É conhecida como a sétima arte, mas hoje, dia 5 de novembro, é a primeira. Isto porque hoje se celebra o Dia Mundial do Cinema e não podíamos deixar passar a data sem falarmos da arte que nos prende ao ecrã e que, tantas vezes, dá vida aos livros que nos apaixonam.
 

 

DAS IMAGENS FIXAS ÀS IMAGENS EM MOVIMENTO

É difícil precisar quem fez o primeiro filme, uma vez que o conceito de filme nem sempre se refere ao tipo de filmes a que hoje estamos habituados. No entanto, houve alguns acontecimentos durante o século XIX que impulsionaram o surgimento do cinema. A invenção da primeira câmara fotográfica permitiu que, pela primeira vez, se congelasse um momento. Embora não fosse um instrumento fácil de transportar, e captar uma única imagem demorasse muito tempo, a possibilidade de haver algo que permitia guardar uma imagem mudou para sempre o curso da história.

Com esta possibilidade, muitos curiosos começaram a pensar se seria possível, algum dia, criar algo semelhante mas que em vez de uma imagem fixa captasse imagens em movimento. O tempo era um problema: como captar imagens em movimento se uma fotografia demorava largos minutos — até mesmo uma hora — a ser captada?

A solução demorou alguns anos a ser encontrada. Na década de 1870, tinha-se finalmente chegado a uma velocidade de obturador mais rápida. O primeiro teste para imagens em movimento foi, na verdade, obtido a partir de uma série de fotografias criadas para mostrar que, a certo ponto, um cavalo a galopar retira as quatro patas do chão. Eadweard Muybridge montou um circuito de várias câmaras, programadas para disparar em momentos específicos. Quando, mais tarde, as viu apercebeu-se de que, juntas, mostravam movimento.

Esta experiência foi reveladora para a fotografia e, posteriormente, para a cinematografia. Várias pessoas começaram a trabalhar para desenvolver câmaras que captassem doze imagens por segundo.

 

A EXPERIÊNCIA DE EADWEARD MUYBRIDGE
 

O INÍCIO DO CINEMA

Em 1891, a Edison Company,  com a ajuda de Dickson, um dos colaboradores, conseguiu montrar com sucesso um cinetógrafo,  a primeira versão de uma câmara de filmar. Este cinetógrafo permitia, com ajuda de uma película de filme, em celuloide, quinze metros de película a uma velocidade de 40 frames por segundo.

Depois, surgiu a oportunidade de Dickson criar um protótipo de um cinetoscópio , que permitia que uma pessoa de cada vez visse imagens em movimento, algo único e inovador para a época. Esta foi uma invenção tão marcante que houve várias exposições por todo o mundo. A de Paris, acabou por ter um impacto diferente na história, uma vez que inspirou os  irmãos Lumière a tentar algo novo.

Em dezembro de 1895, os irmãos Lumière apresentavam em Paris uma projeção de imagens em movimento para uma audiência, naquilo que se pode dizer ter sido a primeira exibição cinematográfica da história do cinema. Georges Méliès ficou tão impressionado com a invenção que tentou comprá-la aos Lumière, mas estes recusaram. Assim, Méliès começou a trabalhar na sua própria câmara de filmar.

Como ele, muitos outros começaram a tentar criar filmes. Primeiro, com recurso a  stop-motion , através de fotografias sequenciais, depois, com câmaras de filmar. Foi assim que, no início do século XX, começámos a ter os primeiros filmes. Hoje seriam considerados curtas-metragens, mas os filmes com cerca de quinze minutos de duração eram, para a época, um grande avanço tecnológico.

 

SOM E COR

As primeiras décadas do cinema foram a preto e branco e sem som. No entanto, desde sempre, pelo menos para  Thomas Edison , a ideia era tentar conjugar som e imagem. Edison chegou a vender cinetógrafos e fonógrafos sincronizados, de forma a dar imagem à música.

Léon Gaumont e Cecil Hepworth fizeram coisas semelhantes, dando banda sonora aos filmes que faziam. Só mais tarde se começou a tentar captar som ao mesmo tempo que se captava imagens. Os microfones da altura acabavam, no entanto, por dificultar o trabalho visto que tinham um alcance muito limitado.

Acredita-se que o primeiro filme a ter som e imagem sincronizados em pós-produção foi  Hallelujah  ( 1929). Mais ou menos na mesma altura,  Walt Disney tornava-se pioneiro nos filmes de animação. Foi também em 1929 que se realizou a primeira cerimónia de entrega de  Óscares, em Hollywood.

A cor começa também a surgir em alguns filmes, embora com um alcance de cores muito limitado. O primeiro filme a cores data de 1901 ou 1902 e foi feito por Edward Raymond Turner .

 

AS ADAPTAÇÕES SÃO TÃO ANTIGAS QUANTO O CINEMA

Apesar de muitos filmes terem guiões originais, também é verdade que desde sempre a literatura tem sido fonte de inspiração e ideias para o cinema. O primeiro filme de  George Méliès , Le voyage dans la Lune , de 1902, era baseado em dois livros: Da Terra à Lua , de Julio Verne , e  The First Men in the Moon , de H. G. Wells.

 

 

Não é, por isso, de estranhar que a literatura tenha sido um ponto de partida para o cinema e para os primeiros filmes. Nos Óscares,  por exemplo, uma das categorias premeia o melhor guião adaptado e geralmente as adaptações decorrem de livros.

Muitos livros já deram origem a filmes, desde os mais recentes , como  O Pintassilgo aos clássicos como  O Padrinho ou Orgulho e Preconceito . E como bons livrólicos que somos adoramos apaixonar-nos por personagens literárias e depois saber como é que elas se saem no cinema. Para celebrar o  Dia Mundial do Cinema , temos algumas sugestões para si.

Leia o livro e veja o filme.

 
Harry Potter e a Pedra Filosofal , de J.K. Rowling

Esta é uma das sagas que não conseguimos mesmo ignorar quando se fala de adaptações cinematográficas. Os livros marcaram uma geração e os filmes não lhes ficaram atrás. Ainda hoje a série de livros criada por  J. K. Rowling atrai milhares de leitores ao mundo de Harry Potter.

O primeiro livro da saga chegou às livrarias no ano de 1997 e o mundo ficou rendido ao menino que, aos 11 anos, descobre que é feiticeiro e tem lugar na escola de magia mais conceituada do mundo mágico: Hogwarts . Enquanto assimila a nova realidade da sua vida, descobre o que aconteceu realmente aos pais e conhece o seu grande inimigo,  Lord Voldemort

No cinema: O primeiro filme foi lançado em 2001 e foi realizado por Chris Columbus, e o último, em 2011, com realização de David Yates. Daniel Radcliffe , Emma Watson e Rupert Grint interpretaram, respetivamente, Harry Potter , Hermione Granger e Ron Weasley . Assista ao trailer aqui .

 
Orgulho e Preconceito , de Jane Austen

Quando publicou  Orgulho e Preconceito em 1813,  Jane Austen não podia imaginar que, um dia, o seu romance ia ser visto por milhares de pessoas por todo o mundo. As invenções necessárias para o início do cinema ainda não tinha sido conseguidas.

Passado entre o fim do século XVIII e o início do século XIX, este clássico da literatura inglesa leva-nos até Elizabeth Bennet,  que vive com os pais e as quatro irmãs no interior rural inglês. Lizzie conhece Mr. Darcy, por quem, inicialmente, sente algum desagrado.

No cinema:  O livro já foi adaptado para cinema, televisão e teatro várias vezes. Uma das adaptações mais recentes aconteceu em 2005 e teve realização de Joe Wright Keira Knightley,  no papel de Lizzie Bennet, foi nomeada para o Óscar de Melhor Atriz e para o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Musical ou Comédia. O papel de Mr. Darcy coube a Matthew Macfadyen . Veja o trailer .

 
O Padrinho , de Mario Puzo

Nova Iorque, anos 40. As organizações do crime debruçam-se sobre a emergência do consumo de drogas e a oportunidade da sua comercialização. Don Vito Corleone dá origem a uma guerra sem tréguas entre as Famílias e à luta desesperada pelo controlo do submundo da Máfia.

O livro de  Mario Puzo foi o ponto de partida para a trilogia de  Francis Ford Coppola. O primeiro filme foi lançado em 1972, o segundo em 1974 e o último em 1991. No entanto, o filme não segue todo o trama do livro. O primeiro filme é, também, o único que conta com Marlon Brando  no papel principal.

No cinema: O primeiro filme chegou aos cinemas em 1972. Realizado por Francis Ford Coppola , o elenco de luxo, de onde se destacam nomes como Marlon Brando , Al Pacino  e Diane Keaton,  ainda hoje não deixa os admiradores de cinema indiferentes.  Venceu, em 1973, o Óscar e o Globo de Ouro de Melhor Filme e Marlon Brando o Óscar e o Globo de Ouro de Melhor Ator. Assista ao trailer .

 
As Vantagens de Ser Invisível , de Stephen Chbosky

O êxito comercial e a polémica em tono de   As Vantagens de ser Invisível são quase proporcionais. Adorado por muitos, o livro de  Stephen Chbosky foi proibido em muitas escolas dos Estados Unidos, devido ao seu conteúdo.

Nele, a personagem principal, Charlie, narra no seu diário os acontecimentos ocorridos ao longo do primeiro ano de ensino secundário. Charlie, que se torna amigo de Sam e de Patrick, logo no início do ano, lida com vários assuntos comuns a muitos adolescentes: sexualidade, drogas, introversão e saúde mental.

No cinema:  O filme esteve quase para ser adaptado por  John Hughes , mas o guião nunca foi terminado. Acabou por ser o próprio autor a adaptar e a realizar o filme. Lançado em 2012, o filme tem Logan Lerman,  Emma Watson  Ezra Miller nos principais papéis. Veja o trailer aqui .

 
Clube de Combate , de Chuck Palahniuk

Quebramos a primeira regra do Clube de Combate — nunca falar do clube — porque temos de lhe falar sobre este livro.

Nele, o protagonista, anónimo, sofre insónias e começa a ir a um grupo de apoio a vítimas de cancro testicular… mesmo sem sofrer do mesmo. Lá, conhece a misteriosa Marta Singer, com quem não cria empatia inicialmente. Depois, o narrador conhece Tyler Durden, que faz sabonetes a partir de gordura humana. Marta revela-se a derradeira esperança de salvação quando os planos de destruição e caos traçados pelos rapazes começam a ir longe de mais.

No cinema:  O filme, de 1999, foi realizado por David Fincher e tornou-se, com o passar dos anos, num filme de culto. Conta com Brad Pitt , Edward Norton  e Helena Bonham Carter nos principais papéis. O ator e cantor Jared Leto também participa no filme. Assista ao trailer aqui .

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.