“Lisboa Cliché” | Da beleza do erro e da inutilidade de todos os dias

Por: Beatriz Sertório a 2021-10-11 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Daniel Blaufuks

Daniel Blaufuks

Daniel Blaufuks tem trabalhado sobre a relação entre a memória pública e a memória privada, um tema que é uma das constantes interrogações no seu trabalho como artista visual. Tem exposto largamente em museus, galerias de arte contemporânea e festivais, trabalhando principalmente com fotografia e vídeo, apresentando o resultado através de livros, instalações e filmes. Possui um doutoramento da Universidade de Wales, para o qual escreveu sobre Fotografia e Cinema na sua relação com os textos de W.G. Sebald e Georges Perec, assim como a sua relação com a memória e o Holocausto. Em 2016 recebeu o prémio AICA pelas exposições Tentativa de Esgotamento e Léxico.

VER +

20%

Lisboa Clichê
21,90€ 17,52€
PORTES GRÁTIS

20%

Não Pai
10,90€ 8,72€
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Outubro Rosa | 6 livros essenciais para (ajudar a) combater o cancro da mama

Em outubro, enquanto as folhas das árvores se pintam de laranja, as redes sociais pintam-se de cor-de-rosa. Conhecido como "Outubro Rosa" (Pink October), este movimento importado dos Estados Unidos da América na década de 90, tem como objetivo "homenagear as mulheres com cancro da mama, sensibilizar para a prevenção e diagnóstico precoce e apoiar a investigação nesta área" (Liga Portuguesa Contra o Cancro). Ao longo do mês, é assinalado com três datas importantes - o Dia Mundial do Cancro da Mama Metastático a 13 de outubro, o Dia da Saúde da Mama a 15 de outubro e o Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama a 30 de outubro. 

5 Curiosidades sobre o Halloween

Antes de se mascarar e entrar no espírito deste 31 de outubro assustador, descubra os feitiços que deram origem à spooky season com 5 curiosidades sobre o Halloween.

"Para quê tudo isto?" Biografia de Manuel António Pina| Um ato de amor

Quando lhe perguntavam o que queria ser quando fosse grande, respondia - sempre em verso - que queria ser santo, bombeiro, detetive e “Salazar” (pensando que se tratava de uma profissão). Tinha poucos brinquedos em casa, mas os preferidos eram as palavras: “E outros brinquedos que eu tinha, de facto, eram as palavras. E descobri isso quando era muito novo. Com as palavras inventava coisas. Sempre gostei muito das palavras…” As palavras viveram também uma história de amor com Manuel António Pina. “As palavras, todas as palavras, adoravam-no – e voam, deslumbradas, para ele”, diz-nos Álvaro Magalhães, companheiro de longa data do poeta e autor da biografia que acaba de chegar às livrarias.

O escritor Miguel Torga era da opinião que “a vida afetiva é a única que vale a pena. A outra apenas serve para organizar na consciência o processo da inutilidade de tudo.” Certamente, o mesmo é verdade no que diz respeito à construção das nossas memórias. A memória pública, construída a partir daquilo que absorvemos na escola, nos meios de comunicação ou nos manuais de História, ajuda-nos a ordenar o nosso pensamento acerca daquilo que conhecemos. Mas é a partir da nossa memória pessoal, dos afetos, que construímos aquilo que somos.

Esta relação entre a memória privada e a memória pública é uma constante no trabalho do autor e artista visual Daniel Blaufuks. Autor de Não Pai, um livro sobre o pai que não foi senão ausência, assina agora um novo livro publicado pela Tinta da China, intitulado Lisboa Cliché (disponível em pré-venda).


 

"Novo lugar não vais achar, nem achar novos mares.
Vai-te seguir esta cidade. Ruas vais percorrer,
serão as mesmas, e nos mesmos bairros hás-de viver,
nas mesmas casas ficará de neve o teu cabelo.
Hás-de ir ter sempre ao mesmo sítio, sem qualquer apelo.
Para outro lugar não há navio ou caminho
e estragares a vida tu neste cantinho
é pois igual a nesse largo mundo a dissipares."


A Cidade, de Constantinos Kavafis

 

Aliando, mais uma vez, uma narrativa intimista à arte da fotografia, em Lisboa Cliché, Blaufuks pinta um retrato a preto e branco de Lisboa nos anos 80. Nesta altura, a grande capital parecia infimamente mais pequena. Os taxistas conheciam-na como a palma da sua mão, e as pessoas encontravam-se, facilmente, na rua, mesmo sem o auxílio de uma cabine telefónica.  Ao mesmo tempo, a cidade era "enorme", com pretensões de rivalizar com Paris ou Nova Iorque. Era a Lisboa da vida noturna no mítico Frágil, dos grandes cinemas históricos, das bandas de rock que brilhavam no semanário Blitz, e de todos os grandes escritores com que o autor conviveu, desde Natália Correia a Ruy Belo ou Al Berto...

Mas era, simultaneamente, uma cidade em processo de transformação. Lisboa do cinema Condes que se transformou no internacional Hard Rock, da Pastelaria Colombo que deu lugar ao primeiro McDonald’s na capital, do incêndio nos Armazéns do Chiado que veio expor a decadência para a qual a cidade caminhava, dos turistas que vieram para ficar, e do preço do café que triplicou... Uma Lisboa que afastou os lisboetas e que da pretensão a "grande metrópole" passou a uma “quase Feira Popular” (Daniel Blaufuks in Lisboa Cliché).

 

 

Mas é pelas ruas de uma Lisboa mais pessoal e íntima que Daniel Blaufuks nos leva a passear, fruto de um retrato analógico no qual existe ainda margem para a mentira e para o erro - ou, como o autor o designa, a “sombra do erro”; algo que, segundo afirma, não pode existir na fotografia digital, pois “o digital existe ou não existe, não tem intermédio, nem sombra, nem erro.”  

Não permitir o erro pode ser considerado uma melhoria técnica, mas também (e na perspetiva de Blaufuks, com certeza, o é), uma perda. Uma fotografia que resulta de um acidente pode revelar coisas que nem sabíamos existir; beleza que, de outra forma, passaria despercebida. O erro, o acidente e o vazio dão lugar à imaginação - à possibilidade de manipular a realidade de todos os dias de modo a criar algo inteiramente novo.

É, portanto, a partir do espaço íntimo entre a falibilidade da memória, o acaso do erro, e a beleza que pode surgir do encontro entre ambos, que se constrói este Lisboa Cliché. Um livro que retrata uma Lisboa que já não o é, porque desde que foram capturadas as fotografias que compõem este livro volveram cerca de quarenta anos, mas também uma Lisboa que já não o é porque o próprio autor já não é quem foi. Nele, grandes acontecimentos históricos, como o incêndio de 1988, servem apenas de cenário às inutilidades de cada dia - às madrugadas desperdiçadas a observar a neblina levantar-se das águas do rio Tejo, depois de noites “esbanjadas” em paixões intensas, por pessoas, histórias, lugares, poemas e coisas belas. Porque, afinal, “o que é a vida senão uma bela sucessão de dias inúteis” (Daniel Blaufuks in Lisboa Cliché)

 

"E assim, em vez de escolhermos dissipar a vida lá fora, preferimos esbanjá-la aqui em Lisboa. Esbanjávamos a vida indo ver filmes, vendo espectáculos, lendo livros, apaixonando-nos por pessoas, ruas, casas, árvores, poemas, automóveis, praias, escritores, actores, filmes e sei lá mais o quê, se é para esbanjar, é para esbanjar a sério."

Daniel Blaufuks in Lisboa Cliché

 

Esbanjemos então, enquanto por cá andamos.

Enquanto não vivermos apenas em fotografias de um mundo que foi e já não é mais.

 

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.