"Integrado Marginal" | O custo humano da exatidão

Por: Marisa Sousa a 2021-07-15

Bruno Vieira Amaral

Bruno Vieira Amaral

Bruno Vieira Amaral nasceu em 1978. Colabora com a revista Ler, o Expresso e a Rádio Observador. O seu primeiro romance, As Primeiras Coisas (Quetzal, 2013), foi distinguido com o Prémio PEN Clube Narrativa, Prémio Literário Fernando Namora, Prémio Time Out e Prémio Literário José Saramago, em 2015. Em 2016, foi nomeado uma das Dez Novas Vozes da Europa (Ten New Voices from Europe), escolha da plataforma Literature Across Frontiers. O seu segundo romance, Hoje Estarás Comigo no Paraíso (Quetzal, 2017), recebeu o prémio Tabula Rasa 2016-2017 na categoria de Ficção, e o segundo lugar do Prémio Oceanos 2018. Em 2018, foram reunidos os seus melhores textos dispersos no volume Manobras de Guerrilha e, em 2020, os seus contos em Uma Ida ao Motel, livro que venceu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, em 2021. Os direitos dos seus livros foram vendidos para vários países. Integrado Marginal é a primeira biografia que publica.

VER +
José Cardoso Pires

José Cardoso Pires

Escritor português, José Augusto Neves Cardoso Pires nasceu a 2 de outubro de 1925, no concelho de Vila de Rei, em Castelo Branco. Filho de um oficial da marinha, ainda criança muda-se com os pais para Lisboa, cidade que abraçou e amou.
Exerceu várias profissões, entre as quais, redator de uma revista feminina, Eva, em finais dos anos 40. Em 1949, publica o seu primeiro livro, "Os Caminheiros e Outros Contos", retirado de circulação pela censura. Nos princípios dos anos 50, foi detido pela PIDE depois da apreensão do seu livro de contos "Histórias de Amor".
Nos anos 60 foi membro da Sociedade Portuguesa de Escritores. Em 1963 publica "Hóspede de Job", livro dedicado ao seu irmão, morto enquanto cumpria o serviço militar nos anos 50, e que lhe valeu o Prémio Camilo Castelo Branco em 1964; e "O Delfim" em 1968.
Em inícios dos anos 70, foi professor de Literatura Portuguesa e Brasileira em Inglaterra, no King's College da Universidade de Londres. Dois anos depois, já em Portugal, publica "Dinossauro Excelentísimo".
Já nos anos 80, publica "A Balada da Praia dos Cães", romance que lhe valeu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores e que foi alvo da realização de um filme, com o mesmo nome, de José Fonseca e Costa, em 1987. Neste mesmo ano publica "Alexandra Alpha", obra que mereceu o Prémio Especial da Associação de Críticos, de São Paulo, no Brasil.
Em 1995 sofreu um acidente vascular cerebral que o levou a ficar algum tempo em estado de coma. Recuperado, publica em 1997 a obra "De Porfundis, Valsa Lenta", pela qual recebeu dois prémios: Prémio D. Dinis e Prémio da Crítica, atribuído pela Associação Internacional de Críticos Literários; e "Lisboa, Livro de Bordo".
Entre os prémios já mencionados, recebeu também o Prémio Internacional União Latina (1991), o Astrolábio de Ouro do Prémio Internacional Último Novecento (1992) e o Prémio Pessoa (1997).
Em 1998 sofreu outro acidente vascular cerebral, que viria a ser a causa da sua morte a 26 de outubro, em Lisboa. Em setembro desse mesmo ano foi-lhe atribuído o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores. Foi autor de contos, romances, crónicas e ensaios (como em "E Agora José?", 1977) e de peças de teatro (como "O Render dos Heróis" (1960) e "O Corpo Delito na Sala de Espelhos", 1980).

VER +

10%

Integrado Marginal
20,90€ 18,81€
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

“O mais fascinante livro de poesia escrito em português”

“Uns meses atrás, um amigo perguntou-me qual era o mais fascinante livro de poesia escrito em português. Respondi-lhe sem hesitar que seria o livro de sonetos de Camões escolhidos por mim. Sucedeu então uma coisa curiosa: eu que jamais pensara fazer tal livro, fui inteiramente dominado pela ideia, e passados três ou quatro dias tinha em cima da mesa de trabalho várias edições da lírica camoniana.” É assim que Eugénio de Andrade, explica a génese de Sonetos de Luís de Camões (Assírio & Alvim, 2020), eleito Melhor reedição de poesia, pelos leitores Bertrand, no âmbito da 5.ª edição do Prémio Livro do Ano Bertrand. Partilhamos consigo três desses sonetos e convidámo-lo/a a descobrir uma obra que se lê de um fôlego.

O spleen baudelairiano, um mal do século XXI?

Spleen, énui, ou, nas palavras de Fernando Pessoa, um supremíssimo cansaço, íssimo, íssimo, íssimo ... Todas estas expressões foram utilizadas por poetas do século XIX para expressar aquilo que sentiam como, mais do que uma angústia individual, um verdadeiro mal do século (mal du siècle, como também ficou conhecido). 

"As Mulherzinhas", (ainda) uma obra essencial

Louisa May Alcott foi escritora de ficção e poesia. No seu longo currículo, constam também a profissão de governanta, costureira, professora e, inclusive, enfermeira. Ficou para sempre conhecida pela obra "As Mulherzinhas", publicada em 1869. 

"Sei, todos nós sabemos, como pesa o tempo vencido sobre quem se aventura a recompô-lo. (…) É, considero aqui, um ofício delicado contar o tempo vencido."


— José Cardoso Pires, O Delfim

 

Bruno Vieira Amaral assumiu o ofício delicado de contar a vida do “menos nostálgico dos grandes escritores”. Integrado Marginal, que demorou três anos a apurar, é o terceiro volume da coleção de grandes biografias da cultura contemporânea, um dos mais ambiciosos projetos editoriais da Contraponto. Estas seiscentas páginas, sobre a vida e obra do “maior escritor da segunda metade do século XX”, trazem dentro um pedaço imenso de pátria e a essência de um homem que nunca desistiu dela e do ofício da escrita.

Do mergulho na vida de Cardoso Pires — o homem que tinha medo de ficar na História como “um fulano que escreve bem” —, Bruno Vieira Amaral destaca alguns dos episódios que mais o surpreenderam: a viagem marítima que aquele fez, em 1945, que acabaria por levá-lo a Moçambique e que teve uma importância extraordinária no apuramento da sua sensibilidade enquanto escritor; a relação de amizade que manteve com alguém que ele viria a descobrir ser um informador da PIDE; e “no geral, a forma como ele conseguiu manter uma independência literária e de espírito, nunca deixando de estar no centro da literatura portuguesa da época em que viveu.”

Partimos dos instantes primeiros e, com o tempo necessário que uma vida como a de Cardoso Pires exige, assistimos ao processo de construção do homem e do escritor, como se de uma escultura, que vai tomando forma diante dos nossos olhos, se tratasse. A exigência obsessiva e quase doentia do biografado sempre como linha vincada no horizonte do leitor. Os adjetivos adultos, alinhados no tempo certo: notívago, boémio, brigão, obcecado, um espírito insubmisso. Está lá tudo, para que não o esqueçamos. Os pais, a escola, a descoberta dos livros, a persistência, os ódios, o casamento, as primeiras vezes e os últimos momentos. “O que digo é que não quero ser humilhado, ficar gagá. Tenham respeito, tratem-me bem”, terá dito Cardoso Pires perto do fim. Seja feita a sua vontade. A memória é, tantas vezes, o melhor tributo.

 

”(…) nunca cultivei qualquer espírito de grupo. Quando muito, talvez nunca tenha passado em toda a minha vida de um integrado marginal ou coisa que se pareça… (…)”

José Cardoso Pires

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.