Os livros preferidos de Kurt Cobain

Por: Sofia Costa Lima a 2019-11-22 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Charles Bukowski

Charles Bukowski

Charles Bukowski nasceu na Alemanha, em 1920, mas cresceu em Los Angeles, onde viveu durante cinquenta anos. Publicou o seu primeiro conto em 1944, quando tinha vinte e quatro anos, e começou a escrever poesia com trinta e cinco anos. Morreu em 1994, aos setenta e três anos, pouco tempo depois de completar o seu último romance, Pulp. Viu publicados mais de quarenta e cinco livros de prosa e poesia, incluindo os romances Post Office (1971), Factotum (1975), Women (1978), Ham on Rye (1982), Hollywood (1989) e Pulp (1994). É um dos autores americanos contemporâneos mais conhecidos a nível mundial e, possivelmente, o poeta americano mais influente e imitado de sempre.

VER +

Dante Alighieri

VER +
William Shakespeare

William Shakespeare

Poeta e dramaturgo inglês nascido em 1564, em Stratford-Upon-Avon, e falecido em 1616. O seu aniversário é comemorado a 23 de abril e sabe-se que foi batizado a 26 de abril de 1564. Stratford-Upon-Avon era então uma próspera cidade mercantil, uma das mais importantes do condado de Warwickshire. O seu pai, John Shakespeare, era um comerciante bem sucedido e membro do conselho municipal. A mãe, Mary Arden, pertencia a uma das mais notáveis famílias de Warwickshire. Shakespeare frequentou o liceu de Stratford, onde os filhos dos comerciantes da região aprendiam Grego e Latim e recebiam uma educação apropriada à classe média a que pertenciam. São conhecidos poucos factos da vida de Shakespeare entre a altura em que deixou o liceu e o seu aparecimento em Londres como ator e dramaturgo por volta de 1599. Em 1582 casou com Anne Hathaway, oito anos mais velha do que ele, e o casal teve três filhos: Suzanna (nascida em 1583), e os gémeos Hamnet e Judith (nascidos em 1585). A primeira referência a Shakespeare como ator e dramaturgo encontra-se em A Groatsworth of Wit (1592), um folheto autobiográfico da autoria do dramaturgo londrino Robert Greene, onde o escritor é acusado de plágio. Nesta altura Shakespeare era já conhecido em Londres, embora não se saiba com exatidão a data do seu aparecimento na capital. Em virtude do encerramento dos teatros londrinos entre 1592-94, Shakespeare compôs nessa época dois poemas narrativos: Venus and Adonis (publicado em 1593) e The Rape of Lucrece (publicado em 1594). No inverno de 1594 integrou a mais importante companhia de teatro isabelina, The Lord Chamberlain's Men, onde permaneceu até ao final da sua carreira. A companhia deveu à popularidade de Shakespeare o seu lugar privilegiado entre as restantes companhias de teatro até ao encerramento dos teatros pelo Parlamento inglês em 1642. Em 1598 foi inaugurado o Globe Theatre, o teatro da companhia a que Shakespeare se associara, construído pelo ator e empresário Richard Burbage no bairro de Southwark, na margem sul do Tamisa. Depois da ascensão ao trono de Jaime I (em 1603) a companhia The Lord Chamberlain's Men passou para a tutela real, e o seu nome foi alterado para The King's Men. A passagem de Shakespeare pelos palcos associa-se a breves desempenhos: Adam na peça As You Like It e o fantasma (Ghost) em Hamlet. Depois de ter comprado algumas propriedades em Strattford, Shakespeare retirou-se para a sua terra natal em 1610, mantendo todavia o contacto com Londres. O Globe Theatre foi destruído pelo fogo no dia 23 de junho de 1613, durante uma representação da peça Henry VIII. Além de uma coleção de sonetos e de alguns poemas épicos, Shakespeare escreveu exclusivamente para o teatro. As suas 37 peças dividem-se geralmente em três categorias: comédias, dramas históricos e tragédias. Entre os dramas históricos, género que primeiro cultivou, destacam-se Richard III (Ricardo III), Richard II (Ricardo II) e Henry IV (Henrique IV). Entre as suas comédias contam-se Love's Labour's Lost, The Comedy of Errors, The Taming of the Shrew, a comédia de intenção séria The Merchant of Venice (O Mercador de Veneza), As You Like It (Como Quiserem) e A Midsummer Night's Dream (Um Sonho de Uma Noite de Verão). A tragédia não é uma forma que pertença exclusivamente a um determinado período na evolução da obra de Shakespeare. Sob influência de Marlowe, a forma de tragédia já se encontrava nas peças que dramatizavam episódios da História inglesa. Em Romeo and Juliet (Romeu e Julieta) e Julius Caesar (Júlio César) Shakespeare combinou a perspetiva histórica com uma interpretação trágica dos conflitos humanos. O período em que Shakespeare escreveu as suas grandes tragédias iniciou-se com Hamlet, escrita entre 1600-1602, a que se seguiram Othelo, Macbeth, King Lear, Anthony and Cleopatra e Coriolanus, todas elas compostas entre 1601 e 1608. Na última fase da carreira de Shakespeare situam-se as peças de tom mais ligeiro: Cymbeline, The Winter's Tale e The Thempest. Parte das obras de Shakespeare foram publicadas durante a vida do autor, por vezes em edições pirateadas, mas só em 1623 apareceu a edição "Fólio", compilada por John Heminges e Henry Condell, dois atores que tinham trabalhado com Shakespeare. No século XVIII as peças foram publicadas por Alexander Pope (em 1725 e 1728) e Samuel Johnson (em 1765), mas só com o Romantismo se compreendeu a profundidade e extensão do génio de Shakespeare. No século XX reforçou-se a tendência para considerar a obra de Shakespeare integrada nos contextos dramáticos que a suscitaram.

VER +
Jack Kerouac

Jack Kerouac

Jack Kerouac nasceu em Lowell, no Massachusetts em 1922. Em 1947, entusiasmado pelo bebop, e pela atitude rebelde do seu amigo Neal Cassidy, decidiu partir à descoberta da América, atravessando o país à boleia. Na escrita, claramente autobiográfica, desenvolveu um estilo que definiu como «prosa espontânea» e que utilizou para registar as experiências da Geração Beat. Entre os seus vários romances, destacam-se On the Road, Maggie Cassidy, The Subterraneans, The Dharma Bums e Big Sur.
Morreu em 1969.

VER +
Patrick Süskind

Patrick Süskind

Patrick Süskind nasceu a 26 de Março de 1949 em Ambach, Starnberger Lake, Baviera. De 1968 a 1974 estudou história medieval e moderna, em Munique e em Aix-en-Provence. Nos anos 80 trabalhou como guionista para o meio televisivo ainda antes de escrever O Perfume. O seu segundo romance A Pomba, mais tarde adaptado para teatro subiu ao palco do BAC Teatro (Londres) em Maio de 1993. Foi também autor de O Contrabaixo, a peça de teatro que teve a sua estreia em 1981, em Munique, tornando-se desde então uma das peças mais representadas na Alemanha, Suíça e Aústria. O seu conto The Story of Mr Sommer (1992) atingiu, tal como O Perfume, um estrondoso sucesso em todo o mundo. Patrick Süskind vive atualmente em Munique.

VER +

10%

A Divina Comédia
24,40€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

O Perfume
18,50€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Pão com Fiambre
19,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Pela Estrada Fora
21,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Hamlet
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Já passaram mais de 25 anos desde que Kurt Cobain nos deixou. O carismático líder dos Nirvana marcou indiscutivelmente a era do grunge . Numa época em que ainda não se falava de igualdade de género ou de direitos homossexuais, Kurt já se expressava em defesa das minorias, sem papas na língua .

Naturalmente introspetivo, refugiava-se na música e nos livros. Adorava os  Beatles  e confessou ter lido várias vezes  O Perfume de Patrick Süskind. Criativo, gostava de desenhar e, em criança, o seu quarto enchia-se de desenhos de personagens de ficção de que gostava.

 

Sou definitivamente um feminista. Estou cansado da maneira como as mulheres são tratadas. Estamos em 1993 e algumas pessoas continuam a pensar que estamos nos anos 50. (…) É preciso haver mais mulheres na música, mais mulheres na arte, mais mulheres na literatura."

 


 

VIVER DEPRESSA, VIVER PARA SEMPRE

Nascido a 20 de fevereiro de 1967, a infância de  Kurt Donald Cobain foi tranquila até ao divórcio dos pais. A partir daí, e à medida que os pais formavam novas famílias,  Kurt deu por si perdido. A música já estava presente desde pequeno. No documentário Cobain: Montage of Heck , de 2015, podemos vê-lo com quatro anos a receber a primeira guitarra.  N unca se chegou a encontrar por completo. O abuso de substâncias eram comum, mas os problemas de saúde mental eram mais complexos e até comuns nos antecedentes de Cobain. A saúde mental deteriorou-se ainda mais depois do primeiro álbum dos Nirvana Nevermind .

Lidar com as exigências e expectativas da fama não foi fácil para um introvertido que já tinha tanto com que lidar. Queria uma vida normal, pensou desistir dos Nirvana, mas a vida normal nunca chegou. Kurt Cobain suicidou-se a 5 de abril de 1994. O seu legado, no entanto, perdura. Em novembro do mesmo ano, os Nirvana editaram o álbum ao vivo  MTV Unplugged in New York , gravado em novembro de 1993, que viria a tornar-se um marco icónico para a história da música.

Com novas gerações a descobrir Nirvana e Kurt Cobain, ano após ano, é seguro dizer que ainda hoje Kurt é a voz não de uma mas de várias gerações. Compositor e letrista excecional, defensor habitual de minorias, polémico, talentoso e carismático, tornou-se o ídolo que nunca quis ser. Os livros eram uma das suas companhias preferidas e, por isso mesmo, hoje quisemos recordar Cobain, destacando os seus cinco livros preferidos. 

 
 
 
A DIVINA COMÉDIA , de DANTE ALIGHIERI 

A parte que mais cativou  Kurt Cobain no longo poema épico de  Dante A Divina Comédia , foi a primeira:  Inferno . Além desta, a obra inclui ainda outras duas partes,  Purgatório  Paraíso .

Esta obra, com data do início do século XIV, foi escrita em toscano, uma língua próxima do italiano atual. É, por isso, considerada a obra fundadora da língua italiana.

Esta alegoria explora o conceito medieval de Inferno, enquanto Dante , perdido numa  selva , encontra Virgílio, poeta romano de que Dante era grande admirador. É Virgílio quem sugere a Dante continuar a viagem pelo Inferno, Purgatório e Paraíso.

 
O PERFUME , PATRICK SÜSKIND

Passado no século XVIII,  O Perfume é uma história peculiar sobre Jean-Baptiste Grenouille, um homem que tem duas características especiais: não tem odor próprio e tem um olfato muito apurado.

Quando conhece uma rapariga com um perfume diferente de todos, Grenouille fica obcecado e começa uma busca pelo perfume perfeito.

O Perfume era o livro favorito de  Kurt Cobain . Numa das últimas entrevistas que deu, o músico confessou já ter lido o romance “ umas dez vezes “, admitindo que não conseguia “ parar de o ler ” e que o levava várias vezes consigo “no bolso, para ler nos aviões “. 

Esta obra de Patrick Süskind serviu de inspiração para  Kurt Cobain escrever o tema “ Scentless Apprentice “, inserido no álbum In Utero, de 1993.

 
PÃO COM FIAMBRE , DE CHARLES BUKOWSKI

Pão com Fiambre foi o quarto romance escrito por  Charles Bukowski e é considerado a sua  magnum opus . O alter-ego literário de Bukowski , Henry Chinaski, é novamente protagonista, como foi em várias das obras do autor.

Neste livro, conhecemos a infância complicada de Chinaski, com muitos anos de uma juventude vivida à margem.  Pão com Fiambre é considerado um livro até certo ponto autobiográfico, uma vez que, tal como muito da personagem Chinaski, vários dos acontecimentos são semelhantes aos que aconteceram na vida de  Bukowski.

 
PELA ESTRADA FORA , DE JACK KEROUAC

Inspirado pelas viagens de carro que costumava fazer com os amigos,  Jack Kerouac escreveu  Pela Estrada Fora . Passado na era pós-Segunda Guerra Mundial,  Kerouac apresentou a  Geração Beat como nunca antes tinha sido feito.

A história é narrada em cinco partes, que acompanham as viagens de Sal Paradise, a personagem principal, e do amigo Dean Moriarty, entre os anos de 1947 e de 1950.

Com jazz, álcool, drogas e amor à mistura,  Pela Estrada Fora é um dos grandes marcos da literatura americana do século XX, definindo a geração beatnik e contracultura.

 
HAMLET , DE WILLIAM SHAKESPEARE

A tragédia Hamlet é uma das mais marcantes peças de teatro escritas por  William Shakespeare . Aqui, o dramaturgo inglês conta a história do Príncipe Hamlet, da Dinamarca, que quer vingar a morte do pai, o rei Hamlet. O pai foi morto pelo irmão, que de seguida ocupou o trono.

É uma peça sobre traição e vingança, corrupção e loucura, que impressionou  Kurt Cobain . A ligação que o músico criou com a personagem foi forte e marcante, tendo sido uma personagem que lhe ficou na memória até aos seus últimos dias.

 
Confira a lista completa dos livros preferidos de Kurt Cobain aqui .
 
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.