O poema da mulher de George Orwell que inspirou "1984"

Por: Beatriz Sertório a 2021-02-10 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

George Orwell

George Orwell

George Orwell, pseudónimo do escritor Eric Arthur Blair, nasceu na cidade de Motihari, na então Índia britânica, a 25 de junho de 1903, tendo-se mudado para Inglaterra com a família, ainda durante a infância. Escritor e jornalista, Orwell é uma das mais influentes figuras da literatura do século xx. Defensor incondicional da liberdade humana e acérrimo opositor do totalitarismo, inscreve-se no panorama literário com as obras Dias Birmaneses (1934) e Homenagem à Catalunha (1938). Mas será, sem dúvida, com Quinta dos Animais (1945) e Mil Novecentos e Oitenta e Quatro (1949), duas narrativas com uma atualidade assombrosa, que o autor alcança o reconhecimento internacional. Morreu de tuberculose, em Londres, a 21 de janeiro de 1950.

VER +

10%

Eileen
30,21€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

George Orwell
18,11€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

George Orwell
21,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

1984
13,30€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Quinta dos Animais
12,20€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

5 autores que adoravam os seus gatos

Hoje celebramos um dos três dias dedicados aos gatos. Comemoramos a data deste animal de estimação tão especial ao relembrar as relações mais populares entre felinos e escritores. 

Está (ou vai ficar) tudo bem | Sobre a ditadura da felicidade e do pensamento positivo

Constata Edgar Cabanas no livro A Ditadura da Felicidade (Temas e Debates) que “até ao virar do século, a Amazon apresentava uma lista de não mais do que 300 livros com a palavra ‘felicidade’ no título”, sendo que “hoje, essa lista inclui mais de dois mil”. Com o desenvolvimento da psicologia positiva, que passa a encarar a felicidade como uma escolha em vez de algo que é determinado pelas nossas circunstâncias, criou-se a noção de que somos nós os únicos responsáveis pelo nosso sucesso, bem-estar e felicidade. Paradoxalmente, a par desta evolução, aumenta a procura pelos livros de autoajuda e multiplicam-se os life coaches que prometem ter a receita infalível para a felicidade plena.

6 regras do Feng Shui para organizar a casa e a mente

A forma como nos relacionamos com o espaço que habitamos, tem sido objeto de estudo de diversas disciplinas e metodologias - desde a "poética do espaço" do filósofo e poeta francês Gaston Bachelard (autor do livro Poética do Espaço), que defendia uma arquitectura orientada pelas experiências sensíveis que um espaço pode proporcionar aos seus ocupantes, à mais recente "psicogeografia" do neurocientista Colin Elard, (autor do livro A Alma dos Lugares), têm sido várias as teorias que procuram explicar a forma como o nosso cérebro e corpo respondem aos espaços reais e virtuais que ocupamos. Uma das mais conhecidas é uma prática ancestral que, há pelo menos três mil anos, tem funcionado como um guia para como organizar o ambiente à nossa volta de modo a atrair boa fortuna e proporcionar bem estar: o Feng Shui. 

Costuma dizer-se que por trás de um grande homem há sempre uma grande mulher. E por trás de uma grande obra?

 


Foi em 1935 que Eileen O'Shaughnessy e Eric Arthur Blair (George Orwell) se conheceram, numa festa, e se apaixonaram de imediato. Depois de uma noite inteira a conversar, conta-se que George Orwell expressou ao anfitrião da festa o seu desejo de casar com Eileen, tendo feito o pedido meras semanas depois. Nascida em South Shields, em Inglaterra, em 1905, aquela que passou ser conhecida como Eileen Blair era licenciada em Literatura Inglesa, pela Universidade de Oxford, e mestre em Psicologia Educacional, tendo trabalhado como revisora e dactilógrafa. Para além disso, também escrevia - sobretudo, poemas - mas abandonou as suas aspirações literárias no momento em que conheceu Orwell.

Desde aí, Eileen voltou os seus esforços para o marido, negligenciado as suas próprias ambições para que o homem que amava e admirava pudesse perseguir as suas. Tendo desistido de uma carreira como psicóloga, devotou, desde então, todo o seu tempo e criatividade a ajudá-lo a tornar-se um escritor de sucesso. Orwell, que, na altura, trabalhava numa livraria em part-time, de modo a conseguir financiar as suas obras, tinha já escrito três romances, mas nenhum deles tinha alcançado o sucesso pretendido. Com a ajuda de Eileen, desistiu finalmente do trabalho na livraria e dedicou-se à escrita a tempo inteiro, tendo publicado a maior parte das suas obras mais importantes durante os anos em que estiveram casados. Para além de dactilografar as suas obras, tratar sozinha da quinta e dos animais que tinham a seu cuidado (os dois tinham, entre outros animais, uma cabra chamada Muriel, como uma das cabras de A Quinta dos Animais), durante os vários períodos em que a saúde débil do marido o obrigava a ausentar-se, e de o ter seguido para Espanha quando este combateu na Guerra Civil, Eileen deixava sugestões na parte de trás das páginas que Orwell escrevia, e debatia com ele ideias para as melhorar.

 

Eileen Blair, em 1937.

 

Embora não tenha chegado a conhecer os dias áureos da carreira literária do marido, tendo morrido em 1945 durante uma cirurgia (mesmo antes da publicação de A Quinta dos Animais), recentemente, tem vindo a ser reconhecida a sua importância na carreira de Orwell. Para além da influência que se acredita que terá tido na escrita da fábula que garantiu a fama do autor - não só na escolha do nome da cabra Muriel, mas no próprio tom divertido do texto, atípico na obra de Orwell e que abundava nas cartas que Eileen lhe escrevia; e nas habituais sugestões que lhe deixava em todas as suas obras - , vários críticos e biógrafos argumentam que foi num poema seu que o reputado autor encontrou inspiração para a criação da sua obra-prima, 1984. Intitulado End of the century, 1984, foi publicado em 1934 (um ano antes de os dois se conhecerem); na revista da escola que Eileen frequentava na altura, narrando um futuro distópico no qual os académicos, sem necessidade de ler livros, sabem 'apenas aquilo que devem' (know just what they ought), conduzindo, assim, a uma espécie de 'cremação mental'.

O popular romance distópico, 1984, o último livro que Orwell publicou em vida, seria publicado em 1949, no mesmo ano em que viria a falecer, vítima de tuberculose. Apesar de três meses antes se ter casado pela segunda vez, e pese embora Eileen tenha morrido quatro anos antes da publicação deste que foi considerado um dos 100 melhores romances de sempre, parte de si viverá para sempre nas obras de George Orwell; e, possivelmente, estas nunca teriam alcançado o reconhecimento que alcançaram se nunca tivesse existido Eileen.

Partilhamos consigo o poema End of the century, 1984.


End of the century, 1984

 

Death               Synthetic winds have blown away

                        Material dust, but this one room

                        Rebukes the constant violet ray

                        And dustless sheds a dusty doom.

                        Wrecked on the outmoded past

                        Lie North and Hillard, Virgil, Horace,

                        Shakespeare’s bones are quiet at last.

                        Dead as Yeats or William Morris.

                        Have not the inmates earned their rest?

                        A hundred circles traversed they

                        Complaining of the classic quest

                        And, each inevitable day,

                        Illogically trying to place

                        A ball within an empty space.

 

Birth                Every loss is now a gain

                        For every chance must follow reason.

                        A crystal palace meets the rain

                        That falls at its appointed season.

                        No book disturbs the lucid line

                        For sun-bronzed scholars tune their thought

                        To Telepathic Station 9

                        From which they know just what they ought: 

                        The useful sciences; the arts

                        Of telesalesmanship and Spanish

                        As registered in Western parts;

                        Mental cremation that shall banish

                        Relics, philosophies and colds—

                        Mañana-minded ten-year-olds.

 

The Phoenix    Worlds have died that they may live,

                        May plume again their fairest feathers

                        And in their clearest songs may give

                        Welcome to all spontaneous weathers.

                        Bacon’s colleague is called Einstein,

                        Huxley shares Platonic food,

                        Violet rays are only sunshine

                        Christened in the modern mood.

                        In this house if in no other

                        Past and future may agree,

                        Each herself, but each the other

                        In a curious harmony,

                        Finding both a proper place

                        In the silken gown’s embrace.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.