Dois dedos de conversa com... Nelson Nunes

Por: Marisa Sousa a 2021-05-13

Nelson Nunes

Nelson Nunes

Escritor e jornalista, é o autor dos livros Quem Vamos Queimar Hoje?, Isto Não é Um Livro de Receitas, Com o Humor Não se Brinca e Quando a Bola não Entra. Há dez anos a trabalhar na área da comunicação, foi jornalista da revista Focus, produtor na Rádio Renascença, investigador na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa e assessor do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol. Atualmente, é criativo na agência de storytelling True Stories e co-apresentador e co-criador, em conjunto com Fernando Alvim, do podcast Com o Humor Não se Brinca. Autor de vários livros de não ficção, Preciosa é o seu primeiro romance.

VER +

10%

Preciosa
15,95€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Quem Vamos Queimar Hoje?
15,98€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Isto Não É Um Livro de Receitas
18,79€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Com o Humor não Se Brinca
18,79€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Quando a Bola não Entra
16,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Foi produtor na Rádio Renascença, investigador na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, assessor do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol e co-apresentador e co-criador, em conjunto com Fernando Alvim, do podcast Com o Humor Não se Brinca. É um leitor voraz, escritor e jornalista, autor de Quem Vamos Queimar Hoje?, Isto Não é Um Livro de Receitas, Com o Humor Não se Brinca, Quando a Bola não Entra e Preciosa.


Este tempo suspenso foi chão fértil para novas ideias, no que à escrita diz respeito?
Diria que este ano teve dois momentos particulares, no que concerne à escrita: na maior parte de 2020, senti um bloqueio gigantesco de ideias e de execuções. Tinha um livro para terminar e os prazos descarrilaram, mas acabei por conseguir concluir o trabalho mesmo no final do ano. Desde então, já em 2021, tudo se tornou mais escorreito. As ideias são mais que muitas, regressei à escrita de crónicas no Público e esse trabalho tem-me dado um gozo enorme, que creio que se tem revelado na qualidade dos textos. Modéstia à parte, sinto que nunca escrevi crónicas tão boas.

 

Com a cultura (e os livros, por consequência) decretados bem não essencial, que estratégias encontrou para se alimentar?
Antes ainda de ser leitor, diria que sou um acumulador/coleccionador de livros. Por isso, estava bem munido de leituras para mais sete ou oito quarentenas. Ainda assim, é claro que me fez (e continua a fazer) muita falta ir a espetáculos e passear por livrarias. Mas consegui ler bastante nestas semanas de reclusão, para além do proverbial consumo de séries e filmes nas plataformas de streaming mais populares.


Não chegou a experienciar os chamados bloqueios de leitor?
Houve de tudo, diria. Tive semanas em que li três ou quatro livros, e tive outras em que mal li seis páginas. Neste preciso momento, estou numa dessas fases: apesar de saber que sou um leitor algo voraz, estou a tentar terminar o mesmo livro há quase duas semanas. Mas nenhum stress em relação a isso, as minhas necessidades de leitura são muito líquidas e sei que, não tarda nada, estou outra vez a ler muitíssimo.

 

Estava bem munido de leituras para mais sete ou oito quarentenas.

 

© Vitorino Coragem

 

Houve alguma alteração, no que às temáticas de leitura diz respeito, fruto do contexto?
Digamos que sou um leitor que está sempre à procura do que não é expectável, isto é, é muito natural procurar livros fora da minha área de interesse, o que me faz consumir coisas estranhas com frequência. Por isso, seria difícil entender essa tendência, mesmo que tivesse acontecido. Acho que mantenho o interesse forte em não-ficção, independentemente do assunto.

 

Que livros se revelaram companheiros generosos durante esta fase?
Uma das coisas que aproveitei para fazer neste último confinamento foi reler toda a saga A Minha Luta, de Karl Ove Knausgård, apenas para confirmar que é o meu texto predileto da última década. Acontece também que tenho péssima memória, e raramente consigo enumerar as coisas que li nos últimos tempos, mas diria que outro livro que me marcou muitíssimo foi o Teoria das Cordas, de David Foster Wallace, publicado recentemente pela Bazarov, que me ajudou a esconder as saudades que tenho de jogar ténis.

 

Prevê-se um tempo de avidez pelo belo e pelas mais diversas formas de manifestação cultural, como aconteceu ao longo da história, após períodos conturbados de guerras, crises ou pandemias. O que podemos esperar de si, há novos projetos a fermentar?
Terminei um livro no final de 2020, que poderá ver a luz do dia ainda em 2021. Como disse antes, o que mais tenho escrito ultimamente tem saído sob a forma de crónicas no Público. Também tive ideias para mais dois ou três livros, mas algo me diz que ainda demorarei um par de anos até conseguir materializá-las. Mas, como bem temos visto, a vida é muitíssimo imprevisível, por isso pode ser que haja uma qualquer surpresa nos próximos meses.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.