Dois poemas de João Luís Barreto Guimarães

Por: Bertrand Livreiros a 2023-01-04

João Luís Barreto Guimarães

João Luís Barreto Guimarães

Além de poeta e tradutor, João Luís Barreto Guimarães, que nasceu no Porto em junho de 1967, é médico, professor de poesia no ICBAS/Universidade do Porto, e publicou o primeiro livro de poemas, Há Violinos na Tribo, em 1989. Depois desse, seguiram-se Rua Trinta e Um de Fevereiro (1991), Este Lado para Cima (1994), Lugares Comuns (2000), 3 (poesia 1987-1994), em 2001, Rés-do-Chão (2003), Luz Última (2006) e A Parte pelo Todo (2009). Em 2022 recebe o Prémio Pessoa.

Seguiram-se na Quetzal Editores, Poesia Reunida de 2011; Você está Aqui (2013), traduzido em Itália; Mediterrâneo (2016) distinguido com o Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa e publicado em Espanha, Itália, França, Polónia e Egipto; Nómada (2018) distinguido com o Prémio Livro de Poesia do Ano Bertrand e com o Prémio Literário Armando da Silva Carvalho, publicado também em Itália; a antologia O Tempo Avança por Sílabas (2019), editada também na Croácia, Macedónia e Brasil; e Movimento (2020). Finalista do Premio Internazionale Camaiori, em Itália, com Mediterraneo, em 2019, e Nomade, em 2020, recebeu o Willow Run Poetry Book Award 2020, nos EUA, com Mediterranean.

Está representado em antologias e revistas literárias de Portugal, Espanha (castelhano e catalão), França, Bélgica, Holanda, Reino Unido, Alemanha, Áustria, Itália, Hungria, Bulgária, Roménia, Eslovénia, Sérvia, Croácia, Montenegro, Macedónia, México, Uruguai, Chile, República Dominicana, Estados Unidos, Canadá e Brasil. Leu a sua poesia no México, Estados Unidos, Espanha, Alemanha e Croácia. Recebeu o Prémio Criatividade Nações Unidas em 1992. Além da Medicina, divide o seu tempo entre o Porto (frente ao rio) e Venade (no coração da serra, perto de Caminha, Alto Minho).

VER +

10%

Rés-do-Chão
8,08€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Nómada
9,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Dois poemas de Carlos Drummond de Andrade

Da vasta obra do poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade, surge agora e pela primeira vez em Portugal, uma edição conjunta de Boitempo, livro de poesias publicado inicialmente em três volumes, que reúne as coletâneas autobiográficas Boitempo (1968), Menino antigo (1973) e Esquecer para lembrar (1979), que foram sofrendo diversas reformulações. A propósito desta edição da Tinta-da-China, partilhamos dois dos poemas presentes na obra.

Três poemas para recordar António Gancho

Vinte e sete anos depois da primeira edição, a Assírio e Alvim reedita o conjunto de poemas que António Gancho confiou para publicação em 1995 e a que chamou O Ar da Manhã. Natural de Évora, o poeta — nomeado por Heberto Helder como uma das melhores vozes da poesia portuguesa — fez parte da geração literária dos surrealistas, intelectuais e artistas que frequentavam o Café Gelo, no Rossio, em Lisboa, tendo publicado, em 1990, o romance “As Dioptrias de Elisa”. A propósito da nova edição, partilhamos três dos seus poemas presentes na obra.

Uma ocasião para a poesia de Jorge Luís Borges

Em “O enigma da Poesia”, diz Borges: “«Bebendo» poesia cheguei a uma conclusão final sobre ela. (…) a vida é, tenho a certeza, feita de poesia. A poesia não nos é alheia — a poesia espreita, como veremos, a cada esquina. Pode saltar-nos em cima a qualquer momento. (…) os livros são apenas ocasiões para a poesia.” É precisamente uma dessas maravilhosas ocasiões para a poesia que a Quetzal nos oferece com o recente Poesia Completa, de Jorge Luís Borges, de onde retiramos dois poemas para perfumar esta quinta-feira.

Médico, tradutor e poeta, João Luís Barreto Guimarães foi recentemente distinguido com o Prémio Pessoa 2022. O júri da iniciativa do semanário Expresso e da Caixa Geral de Depósitos destacou que João Luís Barreto Guimarães "alia à virtude da palavra e da imaginação, uma reflexão por vezes irónica, por vezes realista, sempre duramente trabalhada, sem prejuízo do efeito estético na construção do poema". 

"Escreve sobre os portugueses, e tudo o que vê e o que observa, o que sente e o que pensa, e sobre o outro com uma atenção permanente" — é "testemunho de um tempo, o de agora, e de um tempo antigo, clássico, universal, reconhecível pela inteligência e a emoção", acrescenta a nota do júri. A propósito desta distinção, partilhamos dois dos seus poemas.

 

Sol de Janeiro

Nunca tanto como hoje reparei com atenção
na
luz do sol de Janeiro. Forte
mas delicada. Furtiva
mas
demorada. Não arde nem faz tremer.
Não é densa nem clara. A
luz
do sol em Janeiro:
assim é o nosso amor
oculto pela tinta dos dias apenas
espreita uma aberta
(uma distracção das nuvens)
para
luzir e irromper
(nunca antes como hoje precisei)
tanto que o vento lhe desse oportunidade).
O nosso amor
é Janeiro:
mesmo se o julgo esquecido
sei que
está sempre lá.

— in Rés-do-Chão

 

A hipótese do cinzento

Num país a preto e branco
recomendaram-me o cinzento. Um recurso
extraordinário. Com a hipótese do cinzento poderia
ensaiar
soluções inusitadas
experimentar o morno (que não é frio nem
quente)
explorar o lusco-fusco (que
não é noite nem dia) praticar a omissão
(que não é mentira
nem verdade). Preto e branco misturados permitiam
finalmente
viver em conformidade
desocupar os extremos (tão alheios à virtude)
liquefazer-me na turba
no centro na
média
dourada. Com a paleta dos cinzentos poderia
aprimorar a arte da sobrevivência que
(como os mansos bem sabem) é
não estar vivo
nem morto.

— in Nómada

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.