Duas ou três ideias sobre… “Pais Suficientemente Bons”

Por: Beatriz Sertório a 2024-03-19

Pedro Strecht

Pedro Strecht

Pedro Strecht nasceu em 1966. Terminou o curso de Medicina em 1989 (Universidade Nova), é especialista em Psiquiatria da Infância e Adolescência (Pedopsiquiatria) desde 1995 e autor de mais de cinquenta livros. Fez estágios na sua área clínica em Londres e Oxford. Exerceu diversas funções ao longo da sua vida profissional: foi professor do Ensino Secundário e do Ensino Superior, médico no Hospital de Dona Estefânia, no Chapitô, nos Centros Educativos da Bela Vista e Padre António de Oliveira, no Centro Dr. João dos Santos — Casa da Praia, que dirigiu enquanto IPSS e na Cooperativa A Torre. Foi supervisor do Projeto de Apoio à Família e à Criança Maltratada, colunista da revista Pais e Filhos e do jornal Público, coordenou a Equipa de Intervenção Psicossocial do Gabinete de Reconversão do Casal Ventoso e também a Equipa de Intervenção em Crise da Casa Pia de Lisboa. Trabalhou na ART — Associação de Respostas Terapêuticas e num Lar de Infância e Juventude Especializado, GPS (em Castro Verde). Recentemente, presidiu à Comissão de Investigação de Abusos Sexuais de Crianças por Membros da Igreja Católica Portuguesa, tendo sido distinguido em equipa com a medalha de ouro do Prémio Direitos Humanos, atribuído pela Assembleia da República. Atualmente, trabalha em consulta privada em Lisboa. Tem como outros interesses fundamentais a música, a literatura, a escrita, o desporto e a natureza. É casado, pais de três filhos e tem uma cadela. Sabe muito bem que não é perfeito e, por isso mesmo, continua a gostar de trabalhar com crianças e adolescentes e respetivos pais, com quem sente que todos os dias aprende a ser melhor médico e melhor pessoa. Numa época de afirmação da ciência e tecnologia, guiada por fatores económicos, gosta de valorizar todas as formas de expressão artística e, um dia, aspira a ser apenas reconhecido enquanto humanista.

VER +

10%

Pais Suficientemente Bons
16,60€ 14,94€
PORTES GRÁTIS

10%

Pais Sem Pressa
15,50€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

“Deixemo-nos de tretas!” Duas ou três ideias sobre... a ilusão da comida saudável

“Quanto mais sabemos acerca de alimentação e de nutrição, pior as pessoas comem.”  Quem o afirma é Conceição Calhau, uma das mais prestigiadas investigadoras do país na área da nutrição e saúde, e autora do livro Deixemo-nos de tretas – A ilusão da comida saudável. Publicado pela Contraponto no passado mês de abril, este livro pioneiro procura desmascarar muitas das teorias que nos são vendidas sobre alimentação saudável e dietas milagrosas. Afinal, será que devemos mesmo comer tudo cozido e grelhado? Existem realmente alimentos “saudáveis”? Terão as calorias assim tanta importância? 

Cinco livros essenciais de Paul Auster

Ícone nova-iorquino, superestrela literária, santo padroeiro da cena literária de Brooklyn… Para várias gerações de leitores, Paul Auster foi isso e muito mais. A sua morte com 77 anos de idade, anunciada no passado dia 30 de abril, fez os cabeçalhos dos jornais do mundo, mas funcionou também como cruel lembrete de como o tempo, tema ao qual dedicou grande parte da sua obra, nem sempre lhe foi favorável. Autor de bestsellers como A Trilogia de Nova Iorque, Palácio da Lua e O Livro das Ilusões, nos quais se debruça de forma recorrente sobre temas como a memória, o envelhecimento, a solidão e a identidade, foi perdendo popularidade perante uma geração entre a qual acredita que: “já ninguém acredita que a poesia (ou a arte) pode mudar o mundo.”

8 curiosidades sobre a língua portuguesa

No dia em que celebramos esta pátria tão mais rica e extensa do que o limite das nossas fronteiras que é a da língua portuguesa, partilhamos consigo oito curiosidades sobre a nossa língua que pode encontrar nos livros Almanaque da Língua Portuguesa e História do Português desde o Big Bang, de Marco Neves.

Não precisamos de pais perfeitos, mas sim de pais “suficientemente bons”. Foi o pedopsiquiatra britânico Donald Winnicot que primeiro defendeu esta tese que Pedro Strecht retoma para o seu mais recente livro. Depois de Pais Sem Pressa (2018), no qual o médico de psiquiatria da infância e adolescência faz uma apologia da pausa numa sociedade cada vez mais acelerada, Strecht volta a apontar a necessidade de um novo paradigma na parentalidade. Pais Suficientemente Bons (Para Filhos Que Não Têm de Ser Perfeitos) rejeita a ânsia de perfeição dos pais de hoje e a pressão que estes exercem sobre os filhos, defendendo uma abordagem mais saudável e empática da parentalidade.

Partindo do livro, compilamos três ideias essenciais que deve reter para começar a aprender a pôr em prática a parentalidade suficientemente boa e libertar-se do fardo da perfeição.


Os pais suficientemente bons

Afinal, o que são pais suficientemente bons? Segundo Donald Winnicott (1896-1971), são aqueles que cumprem a sua responsabilidade de satisfazer as necessidades do seu filho para que este possa constituir-se enquanto sujeito autónomo, mas ao mesmo tempo também falham, assumem os seus erros e corrigem-nos continuamente. E é através do somatório dessas falhas, seguidas de todo o tipo de cuidados que depois as emendam, que conseguem criar e manter um padrão de comunicação e relação saudável com a criança.  

Um pai ou mãe suficientemente bom é aquele que se envolve emocionalmente com seu filho, oferecendo-lhe segurança, apoio e orientação, mesmo que cometa erros ao longo do caminho. A chave não é a perfeição, mas sim o amor incondicional.


“Fazer bem” não significa não falhar

A ideia de “estar a fazer bem” é mais uma que Donald Winnicot associa ao conceito de pais suficientemente bons e que Pedro Strecht desenvolve no seu livro.  Segundo este conceito, a ideia de “estar a fazer bem” inclui em si a possibilidade de falhar, de não estar sempre disponível e de frustrar em pequena dose a criança pela qual se sente o que o pedopsiquiatra britânico definiu como “amor incondicional”. É perfeitamente natural os pais, sendo seres humanos e, por isso, obrigatoriamente imperfeitos, terem dúvidas, hesitarem nas decisões a tomar e por vezes falharem, e isso ter até um impacto indesejável, mas passageiro na vida dos filhos. Também os filhos devem ter espaço para cometerem falhas e aprender com elas, em vez de serem tratados como um investimento económico para o qual tem obrigatoriamente de existir um retorno.

Segundo Strecht, é crucial recentrar pais e filhos naquilo que é realmente essencial, e olhar para o tempo como algo de importante e contínuo, ao longo do qual se pode ir revendo certos trajetos.


A importância de saber estar só

Outra epidemia que o autor aponta nos pais de hoje é a necessidade de ocupar constantemente os tempos-livres das crianças, impedindo-as assim de aprender a estar a sós ou de simplesmente não terem nada para fazer. Para o autor, esta é uma capacidade essencial que os pais devem reaprender nesta era das redes sociais em que estamos permanentemente ligados, e, por sua vez, ensinarem aos seus filhos. É nestes momentos de solidão que podemos guardar e digerir experiências anteriores, de modo que estas façam sentido e adquiram espaço na memória de uma construção emocional individual e coletiva.

Por essa razão, não se torna um pai ou mãe pior por não manter o seu filho constantemente ocupado ou por não passar com ele as 24 horas de cada dia. Para o médico e autor, é fundamental que os pais abdiquem da ideia de que podem e devem controlar tudo, e estar sempre presentes e disponíveis para que o estatuto de “bom pai” seja atingido, tal como o de “bons filhos” que todos os pais desejam ter.


Quer saber mais? Encontre o livro em qualquer uma das nossas mais de 50 livrarias físicas ou na nossa livraria online.
 

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.