10 curiosidades sobre Saramago

Por: Bertrand Livreiros a 2021-06-18

José Saramago

José Saramago

Prémio Nobel de Literatura, 1998

Autor de mais de 40 títulos, José Saramago nasceu em 1922, na aldeia de Azinhaga.
As noites passadas na biblioteca pública do Palácio Galveias, em Lisboa, foram fundamentais para a sua formação. «E foi aí, sem ajudas nem conselhos, apenas guiado pela curiosidade e pela vontade de aprender, que o meu gosto pela leitura se desenvolveu e apurou.»
Em 1947 publicou o seu primeiro livro que intitulou A Viúva, mas que, por razões editoriais, viria a sair com o título de Terra do Pecado. Seis anos depois, em 1953, terminaria o romance Claraboia, publicado apenas após a sua morte.
No final dos anos 50 tornou-se responsável pela produção na Editorial Estúdios Cor, função que conjugaria com a de tradutor, a partir de 1955, e de crítico literário.
Regressa à escrita em 1966 com Os Poemas Possíveis.
Em 1971 assumiu funções de editorialista no Diário de Lisboa e em abril de 1975 é nomeado diretor-adjunto do Diário de Notícias.
No princípio de 1976 instala-se no Lavre para documentar o seu projeto de escrever sobre os camponeses sem terra. Assim nasceu o romance Levantado do Chão e o modo de narrar que caracteriza a sua ficção novelesca. Até 2010, ano da sua morte, a 18 de junho, em Lanzarote, José Saramago construiu uma obra incontornável na literatura portuguesa e universal, com títulos que vão de Memorial do Convento a Caim, passando por O Ano da Morte de Ricardo Reis, O Evangelho segundo Jesus Cristo, Ensaio sobre a Cegueira, Todos os Nomes ou A Viagem do Elefante, obras traduzidas em todo o mundo.
No ano de 2007 foi criada em Lisboa uma Fundação com o seu nome, que trabalha pela difusão da literatura, pela defesa dos direitos humanos e do meio ambiente, tomando como documento orientador a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Desde 2012 a Fundação José Saramago tem a sua sede na Casa dos Bicos, em Lisboa.
José Saramago recebeu o Prémio Camões em 1995 e o Prémio Nobel de Literatura em 1998.

VER +

Últimos artigos publicados

As vozes da revolução soam a poesia

“Aqueles que queimam livros, mais cedo ou mais tarde, acabam também por queimar pessoas.” A frase do poeta Heinrich Heine (1797-1856) é como um eco que se mantém atual. A censura assume várias formas e não discrimina países ou continentes. Pode atacar a comunicação social, como prova um estudo do Conselho Europeu para a Proteção de Jornalistas1 que relata como, desde o início da pandemia, a liberdade de imprensa tem sido cada vez mais comprometida. Pode atacar a mais forte das democracias, como comprova o ataque ao Capitólio, em Washington, em janeiro de 2021. E pode ultrapassar a barreira da humanidade, fazendo-nos reviver a grande pergunta de Primo Levi sobre “se isto é um homem”.

Ai Weiwei | A arte que grita liberdade

“Todos podemos ser agentes de mudança. Por vezes, os desafios que nos rodeiam impedem-nos de saber por onde começar.” O artista chinês Ai Weiwei é mundialmente conhecido pelas suas criações, que esbatem a ténue fronteira entre arte e ativismo. Depois de ter fugido da China, vive atualmente no Alentejo, tem uma exposição patente na Cordoaria Nacional e verá as suas memórias chegarem às livrarias no final de 2021. Antes da exposição e das tão aguardadas memórias, detivemo-nos no documentário Ai Weiwei: Yours Truly (2020), que se propõe inspirar-nos a agir e a defender os direitos humanos. Tudo começa com uma forma simples e direta de demonstrar empatia: o envio de um postal.

10 mitos desvendados e 10 exercícios para um cérebro saudável

Acreditava José Saramago que "fora da cabeça não há nada". No dia em que se assinala o Dia Mundial do Cérebro, uma data criada para promover sensibilização para as doenças neurológicas, desvendamos mitos sobre o nosso órgão mais complexo e partilhamos consigo alguns exercícios fundamentais para o manter em forma. Sempre com a ajuda daqueles que acreditamos serem os melhores amigos do nosso cérebro: os livros!

No aniversário da morte de José Saramago (16/11/1922 – 18/06/2010), recordamos o Prémio Nobel da Literatura (1998), partilhando algumas curiosidades sobre o autor. Já as conhecia?

 


 

1. Nós, livrólicos, sabemos a importância que um primeiro livro tem na vida de um leitor. Mas sabe qual foi o primeiro livro que Saramago teve? Foi um presente da sua mãe, um romance de Émile de Richebourg, intitulado Toutinegra do Moinho;

 

2. Sabia que o seu apelido não era Saramago? Sim, um dos nomes mais reconhecidos da literatura portuguesa poderia ter sido diferente, não tivesse sido o caso de, na altura do seu nascimento, um funcionário do Registo Civil da Golegã ter decidido incluir, como apelido na sua certidão de nascimento, a alcunha familiar, Saramago. Cabe esclarecer que saramago é uma planta herbácea espontânea, cujas folhas, naqueles tempos, em épocas de carência, serviam como alimento na cozinha das pessoas com mais dificuldades económicas. Não tivesse sido assim e José Saramago seria conhecido hoje como José Sousa, tal como o seu pai;

 

3. Se o seu primeiro emprego não é o que sonhava, não desespere. O  primeiro emprego do único (até à data) Nobel português da Literatura foi de serralheiro mecânico, numa oficina de reparação de automóveis, tendo ainda trabalhado durante muito tempo como funcionário público. Filho e neto de camponeses, de origens humildes, dificilmente poderia ter imaginado o que o futuro lhe guardaria;

 

4. Para ajudar às finanças da família (mas também por gosto, segundo o próprio) dedicou-se durante mais de duas décadas à tradução, tendo traduzido autores como Colette, Pär Lagerkvist, Jean Cassou, Maupassant, André Bonnard, Tolstoi, Baudelaire, Étienne Balibar, Nikos Poulantzas, Henri Focillon, Jacques Roumain, Hegel e Raymond Bayer;

 

5. Se tem o sonho de viajar mas continua a adiar esses planos, lembre-se que, embora a obra literária de Saramago tenha viajado, e continue a viajar, um pouco por todo o mundo, Saramago só fez a sua primeira viagem aos 47 anos. O destino eleito foi Paris;

 

 

6. Antes de conhecer Pilar, a mulher que ainda não havia nascido e tanto tardou a chegar, Saramago foi casado com a pintora Ilda Reis, com quem teve a sua única filha (Violante) e teve uma relação com a escritora Isabel da Nóbrega;

 

7. Tendo sido alvo de censura pelo Governo português e pela Igreja Católica, pelo seu sobre o romance O Evangelho segundo Jesus Cristo, mas também pelo seu militantismo comunista, mudou-se para Lanzarote com Pilar, onde ficou até ao final dos seus dias. Contudo, mantinha em Lisboa uma casa no Bairro do Arco do Cego, que lhe servia de residência durante as suas permanências na capital;

 

8. Sabe como Saramago descobriu que tinha sido laureado com Nobel da Literatura? Foi uma assistente de bordo que lhe disse. No dia anterior, Pilar del Río tinha recebido um telefonema de um amigo, professor na Suécia e ligado à Academia Sueca, a informá-la que, no dia seguinte, a Academia Sueca iria anunciar que o Nobel seria atribuído a Saramago e pediu-lhe segredo. Coube-lhe, contudo, a responsabilidade de garantir que Saramago não embarcasse no voo que tinha agendado, de regresso a casa, sem, no entanto, lhe revelar o motivo. Nessa noite, Pilar tenta convencer Saramago a ficar, alegando que se embarcar perderá o anúncio do Nobel. Ao que o mesmo, sem se dar por convencido, riposta: "E se ficar, perco o Nobel e o avião." Já no aeroporto de Frankfurt, os representantes da comitiva portuguesa são informados que Saramago já havia embarcado. Depois de explicado o motivo, os funcionários aceitam entrar no avião e pedir a Saramago que regressasse. Foi aí que uma assistente da companhia aérea Ibéria, lhe fez o comunicado;

 

9. Se tem um daqueles nomes que as pessoas insistem em pronunciar mal, não se sinta mal. Também Saramago, após o reconhecimento internacional que obteve com o Nobel, passou pelo mesmo. Na altura, todos os nomes eram válidos para satisfazer a curiosidade do mundo: “Samarado” “Saranago” ou “Siromago”. O The New York Times esclareceu os seus leitores: “It’s pronounced Saw-ra-maw-go”;

 

10. José Saramago tinha três cães – Pepe, Greta e Camões. Este último ganhou o nome do poeta português pois apareceu na vida do autor na épocaem que este foi anunciado como vencedor do prémio Camões (1995). Sobre isso, Pilar recorda: “E assim, pelo menos em Lanzarote, Camões foi mencionado centenas de vezes por dia, foi vida e foi homenagem.” Quando o autor faleceu, o amigo que estava lá em casa e ali passou a noite, atribuiu, no dia seguinte, o seguinte título à sua coluna jornalística: “Camões chora por Saramago”.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.