5 Curiosidades sobre Machado de Assis

Por: Sónia Rodrigues Pinto a 2019-06-21 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis é filho de pai mulato carioca e mãe açoriana. O escritor brasileiro nasceu no Rio de Janeiro em 1839 e morreu em 1908. Autodidata e ambicioso, tornou-se um clássico da língua portuguesa. Os primeiros poemas foram publicados na imprensa, seguindo-se-lhes crónicas, contos, romances e ensaios críticos. O seu primeiro livro de poesias, Crisálidas, foi publicado em 1864 e o seu primeiro romance, Ressurreição, em 1872. Iniciando a sua atividade literária em pleno Romantismo, tornou-se o autor mais importante da nova estética do Realismo e foi ainda contemporâneo do Parnasianismo e do Simbolismo. Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) corresponde à fase do Realismo psicológico, em que o autor vai mostrar a ambiguidade fundamental do ser humano, a incapacidade humana de conhecimento do real, substituindo-o, assim, por uma mistificação. Esta demonstração é muito mais subtil do que a análise dos meros mecanismos hereditários e sociais próprios do Naturalismo. Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1899), Esaú e Jacob (1904) e Memorial de Aires (1908), são as obras-primas deste período. Por elas perpassa uma trágica ironia a par com uma visão sem ilusões da sociedade urbana carioca.

VER +

10%

O Alienista
11,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Quincas Borba
16,50€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Memórias Póstumas de Brás Cubas
13,50€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Dom Casmurro
14,00€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

"Almoço de domingo" | "Ser patriarca é, em grande medida, sobreviver”

Nas entrelinhas do novo romance de José Luís Peixoto, provamos o Alentejo. As páginas têm jeito de fumeiro, cada linha semelhante ao varão onde se apresentam as farinheiras, os chouriços, as morcelas, os paios e as paiolas. Almoço de Domingo é uma biografia a pedir para ser saboreada, um romance escrito com o paladar entre a língua. É a história do menino que levou as fêveras do porco, morto no dia anterior, até à casa do doutor. Do homem que sonhou “fazer uma casa como é devido”, e que acabou a construir um império com gosto a torrões de café. A história de um marido, pai, avô e bisavô, chefe de família e empresário, que não desistiu de si mesmo nem da terra onde nasceu.

Ouça(-os) com atenção | 11 podcasts que tem de conhecer

As probabilidades de se interessar por este artigo até ao fim aumentariam se o disponibilizássemos em versão áudio — apesar de não prometermos a voz melodiosa de Morgan Freeman ou de Bob Ross. Pelo seu formato e flexibilidade, os podcasts são a opção ideal para quem gosta de se manter informado e, de preferência, se prefere fazê-lo enquanto desempenha outras tarefas. De entre a imensa oferta que o mercado já apresenta, fomos descobrir alguns podcasts, com selo português, que alimentam, alto e em bom som, o amor pela literatura e espicaçam a descoberta de novos autores e livros. Ouça com atenção e prepare a sua lista.

8 curiosidades sobre a língua portuguesa

No dia em que celebramos esta pátria tão mais rica e extensa do que o limite das nossas fronteiras que é a da língua portuguesa, partilhamos consigo oito curiosidades sobre a nossa língua que pode encontrar nos livros Almanaque da Língua Portuguesa e História do Português desde o Big Bang, de Marco Neves.

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro há 180 anos. Descendente de escravos negros, era filho de um pintor de paredes e uma lavadeira açoriana. A sombra da escravatura marcou toda a sua vida, já que esta só seria abolida completamente, no Brasil, 49 anos depois do seu nascimento, em 1888. O reflexo dessa sociedade estende-se por toda a sua obra, aliás, denotando, segundo o professor João Oliveira Pace, um conhecimento claro “do desamparo social da época”.

O homem a quem haviam dito que não podia frequentar a universidade, devido à sua ascendência, foi contista, cronista, jornalista, poeta, romancista e dramaturgo. Soube usar aquilo que tinha. para conseguir ser aceite em círculos onde dificilmente alguém com as suas origens entraria. 

Em 2019, o escritor brasileiro mantém-se mais atual do que nunca. Harold Bloom chamou-lhe escritor milagre, pela capacidade em ultrapassar o seu tempo e a sua geografia, com as suas circunstâncias sociais, religiosas, políticas e de raça (via Visão). E, para celebrar a sua obra em pleno, partilhamos 5 curiosidades consigo.

 


 

1. A relação com Drummond de Andrade que resultou num poema

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) publicou, em 1958, o poema “A um bruxo, com amor”, em jeito de declaração de amor à obra do ‘bruxo alusivo e zombeteiro, / que revolves em mim tantos enigmas’. Todavia, esta relação entre os dois poetas nem sempre foi pacífica. Em 1925, quando Drummond tinha apenas 22 anos, publicou um artigo onde acusa Machado de Assis de ser “romancista tão curioso e, ao cabo, tão monótono” e um professor que ‘deveria ser repudiado’.

Esta recusa amadureceu e transformou-se. Aquilo que foi, inicialmente, um repúdio juvenil, depressa se transformou em admiração e respeito, uma trajetória que, segundo o professor Hélio de Seixas Guimarães, “coincide em grande medida com o que Machado significou para o modernismo brasileiro”.

Assim nasceu este bruxo, depressa baptizado Bruxo do Cosme Velho pelas suas magias, desde a Rua Cosme Velho, onde nasceu e cresceu.

 
2. Tradutor de Edgar Allan Poe, Shakespeare e Dickens

Machado de Assis foi responsável por uma das primeiras traduções portuguesas do conto O Corvo, de Edgar Allan Poe, lado a lado com Fernando Pessoa. No entanto, o escritor brasileiro traduziu muitos outros autores, que acabaram por ter uma enorme importância no seu percurso literário. 

Ao todo, foram 48 títulos, dos mais variados géneros – poesia, teatro, ensaio, conto e romance -, de onde se destacam nomes como William Shakespeare, Victor Hugo, Charles Dickens e La Fontaine. Num estudo de 2007, da Universidade Federal de Santa Catarina, é referido que Machado de Assis escolhia propositadamente as obras que pretendia traduzir, algo a que Eliane Ferreira chamou de “mosaico teórico machadiano do traduzir”. 

Enquanto as traduções de Shakespeare mostram “uma obediência à moda ou ao cânone literário”, Poe representa uma escolha “por algo mais humilde e próximo à sátira”, enquanto que escritores franceses, como La Fontaine, surgem pelo “moralismo sarcástico, o ritmo prosaico, o tom entre a sentença e a paródia” que Machado tanto apreciava.

 

 

POEMA O ALMADA (1910).
 

3. A caligrafia indecifrável

Em 2017, a Academia Brasileira de Letras disponibilizou os textos originais de três trabalhos de Machado de Assis. Ficou imediatamente comprovado que a caligrafia do escritor era indecifrável, como é possível constatar no poema O Almada.  A sua escrita era de tal modo ilegível, que o próprio poeta brasileiro tinha dificuldades em entendê-la. 

Para além do mais, diz-se que alguns revisores pareciam recusar-se a trabalhar com ele. Quintino Bocaiúva, redator do Diário do Rio de Janeiro, ignorou as reclamações dos revisores, afirmando que só acreditaria se lhe trouxessem um texto escrito por Machado de Assis que ele não conseguisse ler. Perante o referido texto, não só Quintino, mas também o próprio autor, não o conseguiram decifrar. 

 
4. Boas Noites e outros Pseudónimos

Como já referido, Machado de Assis escreveu artigos para a imprensa. Participou em jornais como A Semana Ilustrada, Jornal das Famílias, Revista da Semana, Correio Mercantil e O Espelho. O que provavelmente não é do conhecimento geral é que quando procurava escrever sobre temas mais polémicos, assinava-os com pseudónimos. 

Ao todo, utilizou 21 pseudónimos nos seus trabalhos. Entre os mais populares, destaca-se Boas Noites, que servia como assinatura para as crónicas “Bons Dias!” da Gazeta de Notícias, e através do qual criticou os fazendeiros favoráveis à manutenção da escravidão no Brasil; Dr. Semana, para o A Semana Ilustrada; e Platão, com o qual assinou cinco artigos de críticas a Adelaide Ristori, atriz italiana, pelo Diário do Rio de Janeiro.

 
5. Previu a doença Folie à Deux

É no conto “O Anjo Rafael” que Machado de Assis mostra conhecimento prévio daquela que viria a ser diagnosticada como a doença folie à deux, que designa duas pessoas, da mesma família ou muito próximas, que partilham os mesmos sintomas psicóticos.

No conto, publicado originalmente para o Jornal das Famílias, em 1869, um homem acredita ser o Anjo Rafael, enviado por Deus à Terra, isolando-se com a sua filha numa fazenda. A filha acaba por enlouquecer também, acreditando que o pai é um anjo. Machado não só descreveu a doença, como acabou por dar também a solução perfeita – afastar a pessoa saudável de quem tem o problema mental. 

A doença só foi oficialmente identificada em 1877, pelos franceses Ernest-Charles Lasègue e Jean-Pierre Falret.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.