"Lágrima de preta", de António Gedeão

Por: Bertrand Livreiros a 2020-06-05 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

António Gedeão

António Gedeão

Rómulo Vasco da Gama Carvalho nasceu em Lisboa em 1906 e faleceu na mesma cidade, em 1997.
Poeta, autor dramático, cientista e historiador, formado em Ciências Físico-Químicas pela Universidade do Porto. Com o seu nome próprio, Rómulo de Carvalho é autor de numerosos volumes de divulgação da cultura científica, publicados, nos anos 50 e 60, na colecção "Ciência para gente nova", da Atlântida nos anos 70, nos "Cadernos de iniciação científica", da Sá da Costa, a que seguiriam nas décadas posteriores vários manuais escolares. Ainda neste domínio, desenvolveu trabalhos de investigação sobre a história da ciência em Portugal. Como poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão, é contemporâneo da geração de "Presença", mas só se revelou na segunda metade do século, sendo saudado, no momento da sua revelação, por David Mourão-Ferreira como uma voz "inteiramente nova" no panorama poético dos anos 50 (cf. Vinte Poetas Contemporâneos , 2.a ed., Lisboa, Ática, 1980, pp. 149-153). Para essa originalidade concorriam, entre outros traços, a incorporação das tradições do primeiro e segundo modernismos, a opção por um estilo rigorosamente cadenciado e ritmado, a expressão da inquietação e angústia colectivas do Homem do pós-guerra ou o recurso frequente a uma terminologia ou imagística provenientes do domínio científico. Jorge de Sena (cf. estudo introdutório à segunda edição de Poesias Completas , Lisboa, Portugália, 1968) e Fernando J. B. Martinho (cf. Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa da Década de 50 , Lisboa, Colibri, 1996, pp. 428-433) assinalam na poesia de António Gedeão a recorrência de dispositivos retóricos que permitem considerar no âmbito de um neobarroquismo a poesia do autor de Movimento Perpétuo.
Vários dos seus poemas foram também divulgados através da música, como, por exemplo, Calçada de Carriche, Fala do Homem Nascido, Lágrima de Preta e Pedra Filosofal , tendo este último, composto e cantado por Manuel Freire, obtido um sucesso invulgar.

VER +

Últimos artigos publicados

"Quem me quiser", de Rosa Lobato de Faria

Para além de poetisa, Rosa Lobato de Faria foi também atriz, romancista, contista, dramaturga e guionista de novelas e séries. Em 1997, reuniu o essencial da sua poesia no volume Poemas Escolhidos e Dispersos e em 2000, obteve o Prémio Máxima de Literatura. Hoje, dia 20 de abril, dia em que faria 89 anos, recordamo-la com o poema Quem me quiser, confirmando assim a crença da autora de que “ninguém morre, só quem nós matamos na memória, no pensamento e no coração.”

"O Albatroz", de Charles Baudelaire

Autor daquele que é considerado um dos maiores marcos da poesia moderna e simbolista (As flores do mal), Charles Baudelaire foi um poeta e crítico francês que influenciou gerações de escritores. Assinalamos hoje, dia 9 de abril, o 200º aniversário do seu nascimento, recordando um dos seus poemas mais memoráveis, sobre a condição singular dos poetas - esses cujas asas de gigante os impedem de andar.

"Um dizer ainda puro", de Vasco Gato

Nascido em Lisboa em 1978, Vasco Gato tinha apenas 22 anos quando publicou o seu primeiro livro de poesia, intitulado Um Mover de Mão. A esse volume inicial seguiram-se onze coletâneas em nome próprio e duas recolhas de poesia por si traduzida. Em 2016, fez a sua primeira incursão na escrita dramática com Daqui ninguém entra.No dia em que celebra o seu 43º aniversário, homenageamo-lo com a partilha do poema Um dizer ainda puro, incluído no livro Contra mim falo, que reune toda a sua poesia.

António Gedeão é o pseudónimo de Rómulo Vasco da Gama Carvalho, nascido em Lisboa em 1906. Poeta, autor dramático, cientista e historiador, foi saudado por David Mourão-Ferreira como uma voz "inteiramente nova" no panorama poético dos anos 50.

Em 1961, publica o livro Máquina de Fogo, do qual faz parte o poema "Lágrima de Preta", que seria musicado por José Niza, e cantado por Adriano Correia de Oliveira, em 1970. Apesar de a canção ter sido proibida pela censura na altura, o poema permanece um dos mais magníficos hinos à igualdade, sem sinais de negro, nem vestígios de ódio. E é mais atual do que nunca.


Lágrima de preta, de António Gedeão

Encontrei uma preta
que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para a analisar.

Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterilizado.

Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.

Mandei vir os ácidos,
as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.

Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:

nem sinais de negro,
nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.