A “felicidade sem nome” de Ana Luísa Amaral

Por: Bertrand Livreiros a 2021-06-01 // Coordenação Editorial: Marisa Sousa

Ana Luísa Amaral

Ana Luísa Amaral

Ana Luísa Amaral ensinou na Faculdade de Letras do Porto e tem um doutoramento sobre Emily Dickinson. É autora de mais de duas dezenas de livros de poesia e livros infantis, e traduziu diversos autores para a nossa língua, como John Updike ou Emily Dickinson. A sua obra encontra-se traduzida e publicada em vários países, tendo obtido diversos prémios, de que destacamos o Prémio Literário Correntes d'Escritas, o Premio Letterario Poesia Giuseppe Acerbi ou o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores. Em outubro de 2020, foi galardoada com o prémio literário espanhol Leteo. Em novembro do mesmo ano foi-lhe atribuído o Prémio Literário Vergílio Ferreira pela totalidade da sua obra. Em maio de 2021, foi galardoada com o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana, atribuído pelo Património Nacional Espanhol e pela Universidade de Salamanca, pelo seu contributo para o património cultural do espaço ibero-americano. Escuro (2014), E Todavia (2018), What’s in a Name (2018) e Ágora (2020) são os seus títulos publicados pela Assírio & Alvim.

VER +

10%

What's in a Name
12,20€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Ágora
19,90€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Escuro
12,20€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Arder a Palavra e Outros Incêndios
19,01€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

E Todavia
13,30€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Ara
13,30€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

A poeta Ana Luísa Amaral foi reconhecida com o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana, galardão que destaca uma obra poética que represente um contributo significativo para o património cultural dos países de línguas portuguesa e espanhola. O anúncio foi feito segunda-feira, dia 31 de maio, pelo Património Nacional Espanhol (PNE) em parceria com a Universidade de Salamanca.

 


 

A memória do feminismo de Ana Luísa Amaral

Na capa do jornal El País desta terça-feira, dia 1 de junho, é possível ler-se: “A memória do feminismo de Ana Luísa Amaral ganha o Prémio Rainha Sofia.” Destacando o facto de a autora ser pioneira nos estudos de género em Portugal, tendo, inclusive, publicado Dicionário da Crítica Feminista com Ana Gabriel Macedo, o jornal espanhol não deixa de reforçar que Ana Luísa Amaral separa a poesia do feminismo por considerar que “a poesia está além dos rótulos. A poesia é sempre ética”. 

A presidente do PNE, Llanos Castellanos, elogiou a obra da autora pela sua “mensagem de abertura, respeito, tolerância e reivindicação”, não esquecendo “o compromisso com os direitos e liberdades e, sobretudo, para que a voz das mulheres seja ouvida.” Por seu lado, Ricardo Rivero, reitor da Universidade de Salamanca, reitera as qualidades de Ana Luísa Amaral, dizendo que “representa e personifica alguns dos melhores valores ibéricos e ibero-americanos: a defesa da liberdade, a dignidade da pessoa, a equidade de género.”

Em entrevista à agência Lusa, a autora de Ágora ou Escuro afirmou que receber o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana é "uma felicidade sem nome", um reconhecimento de um trabalho que é "prazer, angústia e necessidade". Ana Luísa Amaral estava a passear a sua cadela, Emily Dickinson, quando lhe telefonaram a dar a notícia. "O facto de me terem dado este prémio significa que aqueles livros que eu escrevi, de alguma forma, tocaram as pessoas. Eu acho que isso é uma felicidade sem nome", garantiu.

Ana Luísa Amaral torna-se, assim, a terceira autora portuguesa a receber o prémio, no valor de 41 100 euros, depois de Sophia de Mello Breyner (2003) e Nuno Júdice (2013). 

O prémio conta ainda com a edição de uma antologia poética da autora, com organização e notas a cargo de um destacado docente de Literatura da Universidade de Salamanca, publicação à qual se seguirão umas jornadas académicas sobre o trabalho de Ana Luísa Amaral.
 

Ana Luísa Amaral

Ana Luísa Amaral / Onomatopeia

What's in a Name

Sentada a esta mesa, a varanda à direita,
como de costume,
penso na minha filha e no nome que lhe demos,
eu e o seu pai, quando ela nasceu

Um nome é coisa de fala e de palavra,
tão espesso como aquelas folhas que, se pudessem olhar,
me haviam de contemplar daquele vaso,
perguntando-me por que se chamam assim

Porém, não fui eu quem escolheu o nome da flor
a que pertencem essas folhas:
o nome já lá estava, alguém pensou nele
muito antes de mim, e foi decerto a partir do latim,
só depois: o costume

Mas não há nada de natural num nome:
como uma roupa, um hábito, normalmente para a vida inteira,
ele nada mais faz do que cobrir
a nudez em que nascemos

Com a minha filha,
o mais belo de tudo, a maior deflagração
de amor – foi olhar os seus olhos,
sentir-lhe o toque em estame
dos dedos muito finos

esses: sem nome ainda,
mas de uma incontrolável
perfeição inteira

 

Nascida em 1956 e autora de mais de duas dezenas de livros de poesia e livros infantis, Ana Luísa Amaral já recebeu vários prémios, entre os quais se destacam o Prémio Literário Correntes d'Escritas, o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores e, mais recentemente, Prémio Literário Vergílio Ferreira 2021, atribuído pela Universidade de Évora, que anualmente destaca o conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa relevante no âmbito da narrativa e/ou ensaio.

What’s in a Name, publicado em 2017 pela Assírio & Alvim, é uma das obras mais elogiadas da escritora, tendo chegado a ser galardoado com o prémio Livro do Ano, na área de Poesia, pela associação das Livrarias em Madrid. 

Numa publicação de outubro de 2020, no El País, o professor António Sáez Delgado considerou Ana Luísa Amaral "uma das mais importantes vozes das letras portuguesas das últimas três décadas". O artigo, centrado em What’s in a Name, reforça como Amaral construiu "uma obra que se desdobra paralelamente na poesia (sede central do seu universo literário), por meio do teatro, do ensaio, da narrativa para adultos ou infantil, e da tradução". 

Ágora é o seu mais recente livro de poesia, publicado em fevereiro de 2020. Uma obra que mistura arte e poesia, uma coletânea de poemas belos e terríveis, comoventes e violentos, em permanente diálogo com a Bíblia e com a arte, mas sobretudo com o nosso tempo.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.