José Tolentino Mendonça: "Há que não ter medo das perguntas."

Por: Marisa Sousa a 2020-11-26

10%

Uma Beleza que nos Pertence
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

O que é Amar um País
14,39€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

Rezar de Olhos Abertos
16,60€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Entrevista | Johny Pitts "A música está em cada frase que escrevo.”

Johny Pitts nasceu em Sheffield, no Reino Unido, de mãe europeia e pai afroamericano, é escritor, fotógrafo e jornalista. Trabalhou em televisão como escritor e apresentador para a MTV, Sky One, ITV, Channel 4, Discovery Channel e BBC. Recebeu diversos prémios pela sua investigação da identidade afro-europeia, entre os quais o Decibel Penguin Prize e o ENAR (European Network Agains Racism) Award. Coordena o jornal online Afropean.com, que pertence ao Guardian’s Africa Network, e colaborou com o escritor Caryl Philips num ensaio fotográfico sobre as comunidades imigrantes de Londres para a BBC e o Arts Council do Reino Unido.

Entrevista | Maria João Valente Rosa

Partilhamos consigo a segunda parte da Entrevista a Maria João Valente Rosa para a revista Somos Livros. 

Entrevista | Maria João Valente Rosa

Maria João Valente Rosa é doutorada em Sociologia (especialidade Demografia) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde é professora. É autora e coautora de vários artigos e livros sobre a sociedade portuguesa contemporânea, designadamente sobre envelhecimento demográfico. Exerceu vários cargos públicos, nos Ministérios da Educação e da Ciência, e dirigiu o projeto Pordata, de 2009 a 2019. Integra o Conselho Superior de Estatística (CSE), é vice-presidente do Comité Consultivo Europeu de Estatística (ESAC) e é investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI).

Partilhamos consigo a segunda parte da entrevista a José Tolentino Mendonça para a revista Somos Livros. Se ainda não leu, descubra a primeira parte aqui


Costuma explicar que a história humana é também a história da procura da beleza e que Jesus, quando desafiou os discípulos a olharem os lírios do campo, mostrou isso bem. Roger Scruton, por exemplo, dedica o seu livro Beleza (Guerra & Paz) à análise da questão, defendendo que a beleza desempenha um papel indispensável na configuração do nosso mundo. Posso devolver-lhe a pergunta que Dostoievski coloca na boca de Hipólito, em O Idiota: haverá uma beleza que salve o mundo?


Platão explicava o impacto da beleza em nós como se fosse uma ferida: "Enquanto se vê a beleza, como num tremor febril, produz-se dentro de nós uma agitação insólita. Assim é quando os olhos recebem o fluxo da beleza. Este fluxo aquece e rega a essência…". De facto, a verdade e o bem não têm possibilidade de atrair a pessoa humana, a não ser que esta se sinta tocada por algo que fere ou que fascina. A beleza é que atrai, faz deslocar o coração, toma e transfigura, rega a essência. A beleza é uma forma de conhecimento autêntico, que precisamos de redescobrir. Por exemplo, parece-me essencial que a teologia, a filosofia, as artes pensem o significado da beleza.


Continua a exercitar o músculo do espanto?


Gosto muito do arranque daquele poema de Alberto Caeiro: "A espantosa realidade das coisas / é a minha descoberta de todos os dias. / Cada coisa é o que é, / e é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra, / quanto isso me basta".


Explicou que o seu sentido principal da criação é o ouvido. Este é também uma visão. É de onde recebe o alimento e o estímulo, é o seu "caderno de apontamentos". Escreveu num dos seus livros: “A vida tem a forma de um grito”. Quer criar um movimento para declarar o silêncio património imaterial da humanidade. Gostaria que nos falasse um pouco sobre o seu "caderno de apontamentos" e, já agora, sobre
esta causa.


Estou neste momento a ler um livro de Daniel Heller-Roazen intitulado O Tacto Interno. Arqueologia de uma sensação. A questão que ele enfrenta é a de saber qual o sentido com o qual nos sentimos a existir. O melhor "caderno de apontamentos", tenha ele a forma que tiver, é aquele que regista esse sentimento de que se está a existir.

 

Refere que as perguntas valem mais do que as respostas, são elas que nos salvam. Ilustra-o em O Hipopótamo de Deus (Paulinas) e n’O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas (Quetzal). Utilizou uma expressão que achei maravilhosa: “Uma pergunta é uma máquina de fazer ver”. Estando nós treinados para a cegueira, como chegou a afirmar, estaremos a fazer as perguntas certas?


Da minha experiência posso dizer que as perguntas mais úteis são as inúteis e muitas vezes, como diz um escritor italiano de literatura infantil, Gianni Rodari, “errando se inventa”. Há que não ter medo das perguntas. É preciso multiplicá-las. Pouco a pouco, deixarão de ser óbvias, meras repetidoras da realidade, tautológicas. Pouco a pouco, iniciar-nos-ão em viagens maiores do que aquela que tínhamos previsto. E isso é um grande dom.

 

"Os grandes mestres estão mais perto de nós do que pensamos."

 

N’O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas (Quetzal) diz, a certa altura: “A fé não é caminhar num território cheio de garantias, onde tudo está assegurado. «Creio porque é absurdo.» Esta insólita frase, atribuída a Tertuliano, tem alguma coisa a ensinar-nos. (…) A fé é um Livro do Desassossego, não é uma zona de conforto.” A fé não é precisamente a procura de garantias e de conforto?


Não digo que a tentação de procurar uma zona de conforto não nos assalte. Mas tarde ou cedo se compreende que a fé é uma radical exposição semelhante ao despojamento, é um caminho trilhado na confiança e não a instalação numa certeza. Por isso, os crentes são mendigos, sedentos, esfomeados, peregrinos. Pensemos em Abraão, que é o pai dos crentes para as três religiões monoteístas: ele representa a história de um reformado que se faz à estrada, de um velho que descobre em si ainda a força de olhar para os céus em vez de trazer os olhos colados aos sapatos, e de enamorar-se de uma promessa.
 

O que podemos esperar dos livros que estão por vir, como o Rezar de Olhos Abertos (Quetzal)?


Porquê um livro de orações? O livro abre com uma epígrafe de Novalis que, de certa maneira, responde a essa questão: “Rezar é para a religião o mesmo que pensar é para a filosofia. Rezar é fazer religião”. Se é assim, a oração não é simplesmente um assunto privado, mas como defendo no livro é um problema político, um assunto de conversa para todos. Trata-se de compreender e experimentar a religião como prática vital e não apenas como teoria ou doutrina. E porquê rezar de olhos abertos? Porque há outras pessoas que abrem esforçadamente os olhos ao rezar, que finalmente os abrem numa tentativa de olhar a vida no seu flagrante espanto, no seu rasgão dilacerante, no seu risco, na sua inteireza e alegria.

 

“Ouvimos muitas vezes dizer que à nossa época faltam mestres. (…) Não sei se faltam mestres ou não à época contemporânea. Se calhar eles existem, mas exprimindo-se de forma inesperada ou incómoda e não queremos ouvi-los.” As palavras são suas. Quem, na sua opinião, são os grandes mestres que nos ensinam a "ouvir com o coração"?


Os grandes mestres estão mais perto de nós do que pensamos. A literatura, por exemplo, é uma grande escola de sabedoria, que nos permite escutar as lições de mestres de todos os tempos. A ideia que agora circula de associar a arte ao entretenimento é um mal-entendido. A arte é uma mistagogia, uma iniciação ao mistério, um despertar.


Se, como acredita, o que nos define são as nossas expectativas, e não o nosso passado, posso perguntar-lhe quais as expectativas que ainda o movem?


O Novo Testamento diz que os cristãos “esperam novos céus e uma nova terra, nos quais habita a justiça”. Humildemente, é aí que queria estar.

Dizia Agostinho da Silva que “Quando acabássemos, deviam dizer: morreu um poema”. Esse deveria ser o objetivo da nossa vida. Podia ser um bom epitáfio?


Podia, mas o magnífico poema que foi Agostinho da Silva não morreu.
 

O que gostaria que fosse dito sobre si quando já cá não estiver?
Que perdi tempo a olhar os lírios do campo.

Opinião dos leitores

Os lírios do campo
Beatriz | 08-02-2022
É nas palavras deste grande senhor que descubro tantas vezes o Espanto e o Mistério que trazemos em nós. Que seja assim cada vez que rezamos e nos encontramos com Deus.
Haja Deus !
Joana | 04-12-2020
Sabe bem ler e ouvir, lendo, José Tolentino de Mendonça. A mim, oferece-me renovada vontade de caminhar no sentido da luz, isto é, viajar na vida mais iluminada. Obrigada, é o que me apraz ecoar.
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.