Bertrand.pt - Homens imprudentemente poéticos
Opinião dos leitores
(3)

Homens imprudentemente poéticos

de valter hugo mãe 

Grande Prémio Portugal Telecom Melhor Livro do Ano
Prémio Portugal Telecom Melhor Romance do Ano
Pena de Camilo Castelo Branco
Prémio Literário José Saramago
Prémio Almeida Garrett
Editor: Porto Editora
Edição ou reimpressão: setembro de 2017
Formatos Disponíveis:
Portes
Grátis
30%
16,60€
Poupe 4,98€ (30%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

Num Japão antigo o artesão Itaro e o oleiro Saburo vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente.

A inimizade, contudo, é coisa pequena diante da miséria comum e do destino.

Conscientes da exuberância da natureza e da falha da sorte, o homem que faz leques e o homem que faz taças medem a sensatez e, sobretudo, os modos incondicionais de amarem suas distintas mulheres.

Valter Hugo Mãe prossegue a sua poética ímpar. Uma humaníssima visão do mundo.


Uma luminosa parábola que fica a reverberar muito tempo depois.
José Tolentino Mendonça

As fascinantes personagens deste romance vivem num Japão que é ao mesmo tempo mitológico e íntimo, criado pela imaginação prodigiosa e profundamente poética do autor.
Richard Zimler

Pasmo com a facilidade com que Valter Hugo Mãe transmuta a língua portuguesa (e não me refiro apenas a o remorso de baltazar serapião), como lhe imprime uma elasticidade de que a julgávamos desprovida, encontrando-lhe novos ritmos, inventando-lhe novas imagens, produzindo-lhe toda uma outra semântica.
Adolfo Luxúria Canibal

Críticas de imprensa
Viajei há pouco para o Japão antigo que o Valter Hugo Mãe inventou para o romance Homens Imprudentemente Poéticos e entusiasmei-me deveras. É o mais delicado dos livros do Valter, entretecido com o gesto preciso e paciente de um artesão - aquele que, na definição que está no próprio livro, devolve os materiais à vocação que eles detêm por natureza. Nele o Valter parece um menino a inventar jogos com palavras: uma criança a inventar um Japão falso pelo qual se pode passear e sentir-lhe os cheiros.

Manuel Jorge Marmelo, Notícias Magazine

Ao sétimo romance, Valter Hugo Mãe parte de um lugar de morte no Japão para construir uma parábola intemporal sobre a solidão. Homens Imprudentemente Poéticos é um livro trágico onde o escritor apresenta um apurado trabalho de linguagem que o aproxima do seu lugar de origem: a poesia.

Isabel Lucas, Público

Surpreendente na reinvenção da língua portuguesa, no tema e cenário (…) este novo romance do autor é - mais uma vez - tão diferente que o torna uma das mais importantes vozes da literatura nacional (…). Aliás, se já o tinha conseguido com a máquina de fazer espanhóis, por exemplo; se subira um grande degrau na busca e execução do romance que tem como cenário a Islândia, A Desumanização, volta a realizar uma escrita inesperada nesta narrativa japonesa, onde transporta o leitor de uma forma elegante e íntima para aquela parte do mundo sem o fazer passar por um voyeur de costumes.

João Céu e Silva, Diário de Notícias

Homens imprudentemente poéticos, retrato de um Japão antigo, temeroso de forças sobrenaturais e obediente às lendas, é, de alguma forma, atravessado por referências místicas: fala-se em luz, revelações, penitências, epifanias (sobretudo num memorável capítulo passado dentro de um poço fundo, Itaro com um animal desconhecido a ofegar-lhe ao pescoço...).

Sílvia Souto Cunha, Visão

De ilha em ilha, de cultura em cultura, de descoberta em descoberta. Assim tem crescido a sua ficção mais recente, que de uma portugalidade inicial procura agora novas (e opostas) formas de encarar o mundo, a vida e a arte.

Luís Ricardo Duarte, Jornal de Letras

A explosão de lirismo patente em A Desumanização se prolonga com inexcedível brilho em Homens imprudentemente poéticos, envolvendo, inclusivamente, o próprio título. (…) Assim designaríamos o estilo de Homens imprudentemente poéticos – poético, suave, encantatório, ou, numa palavra, lírico. (…) Homens imprudentemente poéticos comprova que ler hoje Valter Hugo Mãe é um raro exercício da prática de beleza e que a sua destreza psicológica em descrever estados de consciência (tristeza, riso, medo, assombro e mistério, doçura e crueldade, paixão e amor, dor psíquica e sofrimento físico...) é tão sólida quanto a da metamorfose do português comum em português estético. Impossível escrever melhor (…).

Miguel Real, Jornal de Letras

“Este é um livro de uma beleza radiosa. Como arte de descrever sentimentos que, escondidos na sombra, precisam de ser iluminados.”

Fernando Sobral, Jornal de Negócios

Um dos aspetos em que VHM se distingue, para lá do multiforme talento constituindo uma das razões da diferença e do impacto de muitos textos seus, é na capacidade de compreensão da diversidade, mais, de admiração pelos outros e pelo que fazem. E, mais ainda, o seu gosto de a mar, proclamar, abertamente, sem submissão a quaisquer cálculos ou conveniências. O que, ao contrário do que muitos poderão pensar, não é tão frequente como isso...

José Carlos de Vasconcelos, Jornal de Letras

Uma luminosa parábola que fica a reverberar muito tempo depois.

José Tolentino Mendonça

As fascinantes personagens deste romance vivem num Japão que é ao mesmo tempo mitológico e íntimo, criado pela imaginação prodigiosa e profundamente poética do autor.

Richard Zimler

Pasmo com a facilidade com que Valter Hugo Mãe transmuta a língua portuguesa (e não me refiro apenas a o remorso de baltazar serapião), como lhe imprime uma elasticidade de que a julgávamos desprovida, encontrando-lhe novos ritmos, inventando-lhe novas imagens, produzindo-lhe toda uma outra semântica.

Adolfo Luxúria Canibal

  • Mais um clássico
    Patrícia Semedo - Livreira Bertrand Chiado | 23-03-2017

    A partir de uma das grandes vozes da literatura nacional, esta parábola com fascinantes personagens enlaçam-se num ambiente recheado de mitologia com o sempre tom poético, tão característico do autor. A consciencialização de uma visão humana do mundo através da imersão num Japão Antigo.

  • O poder da palavra
    Joana Mota- Bertrand Monumental | 27-01-2017

    Um livro onde a Palavra se assume como o passaporte para um Japão imaginado onde as personagens cativam o leitor desde as primeiras linhas. Neste romance a Poesia e o poder da imaginação andam lado a lado encantando e surpreendendo quem lê e acompanha o decorrer da história. Simplesmente maravilhoso!

  • A literariedade em Valter Hugo Mãe: um encontro de prazer
    Manuela Rodrigues - Livraria Bertrand Famalicão | 19-01-2017

    A beleza da relação significativa simbólica, a dimensão artística e a intemporalidade de "Homens imprudentemente poéticos" não se esgotam com uma só leitura. Valter Hugo Mãe revoluciona a literatura portuguesa com a sua capacidade criacionista de significar de forma estética e profundamente inovadora ao nível linguístico, semântico e sintático.

  • ver menos comentários ver mais comentários
Homens imprudentemente poéticos
ISBN: 978-972-0-04886-8 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Porto Editora Idioma: Português Dimensões: 152 x 235 x 17 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 216 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Romance

Sugestões

O Tatuador de Auschwitz
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,50€
Editorial Presença
O Ano da Morte de Ricardo Reis
20%
portes grátis
20% Cartão Leitor Bertrand
17,70€
Porto Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.