Sophia, livre como o mar

Por: Sofia Costa Lima a 2019-11-06

Sophia de Mello Breyner Andresen

Sophia de Mello Breyner Andresen

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu a 6 de Novembro de 1919 no Porto, onde passou a infância. Entre 1939-1940 estudou Filologia Clássica na Universidade de Lisboa. Publicou os primeiros versos em 1940, nos Cadernos de Poesia. Em 1944 sai, em edição de autor, o seu primeiro livro de poemas, Poesia, título inaugural de uma obra incontornável que a torna uma das maiores vozes da poesia do século xx. Os seus livros estão traduzidos em várias línguas e foi muitas vezes premiada, tendo recebido, entre outros, o Prémio Camões 1999, o Prémio Poesia Max Jacob 2001 e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana – a primeira vez que um português venceu este prestigiado galardão. Com uma linguagem poética quase transparente e íntima, ao mesmo tempo ancorada nos antigos mitos clássicos, Sophia evoca nos seus versos os objectos, as coisas, os seres, os tempos, os mares, os dias. Na sequência do seu casamento com o jornalista, político e advogado Francisco Sousa Tavares, em 1946, passou a viver em Lisboa. Foi mãe de cinco filhos, para quem começou a escrever contos infantis.
Em termos cívicos, a escritora caracterizou-se por uma atitude interventiva, tendo denunciado activamente o regime salazarista e os seus seguidores. Apoiou a candidatura do general Humberto Delgado e fez parte dos movimentos católicos contra o antigo regime, tendo sido um dos subscritores da «Carta dos 101 Católicos» contra a guerra colonial e o apoio da Igreja Católica à política de Salazar. Foi ainda fundadora e membro da Comissão Nacional de Apoio aos Presos Políticos. Após o 25 de Abril, foi eleita para a Assembleia Constituinte, em 1975, pelo círculo do Porto, numa lista do Partido Socialista. Foi também público o seu apoio à independência de Timor-Leste, conseguida em 2002.
Faleceu a 2 de Julho de 2004, em Lisboa. Dez anos depois, em 2014, foram-lhe concedidas honras de Estado e os seus restos mortais foram trasladados para o Panteão Nacional.
No dia em que se celebrou o centenário do seu nascimento, a 6 de Novembro de 2019, é-lhe concedido a título póstumo o Grande-Colar da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.

VER +

10%

Poesia
12,20€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

O Nome das Coisas
13,30€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

20%

Livro Sexto
13,30€ 10,64€
PORTES GRÁTIS

10%

Coral
13,30€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

10%

No Tempo Dividido
12,20€
10% CARTÃO LEITOR BERTRAND
PORTES GRÁTIS

Últimos artigos publicados

Crónica dos primeiros dicionários de francês-português | Somos Livros Edição Comemorativa

Como salienta Iris de Barros-Sousa, a Bertrand teve a honra de editar, em 1754, o primeiro dicionário bilingue francês-português, um “ponto de viragem decisivo na lexicografia em Portugal” (BARROS-SOUSA, 2012: 215-227). Trata-se de uma edição sem precedentes em dicionários bilingues português-línguas modernas (SILVESTRE, 2012: 175-176; VERDELHO, 2011: 8) e que antecede em trinta e cinco anos a primeira dicionarização monolingue de António de Morais Silva1.

Os "Bisouards" e a Fundação da Bertrand | Somos Livros Edição Comemorativa

 No século XVI, são poucos os estrangeiros de que há notícia dedicados ao comércio do livro em Portugal — Francisco Caeiro refere os gauleses João de La Coste e Miguel Deslandes (CAEIRO, 1980: 147) —, mas esta realidade vai mudar radicalmente no século seguinte. D. João V interessava-se pelo progresso científico e pelas artes do livro. No seu reinado, houve desenvolvimentos em várias ciências (matemática, geometria, ciências naturais, química, física, astronomia e medicina) e publicaram-se numerosos livros sobre assuntos científicos, muitos deles traduções de tratados e manuais estrangeiros (PROENÇA, 2015: 445-446).

O Direito a Recordar | Somos Livros Edição Comemorativa

Olga Tokarczuk disse, numa entrevista, em 2020, ao jornal Expresso, que “a história é muitas vezes vista como uma parTida de xadrez jogada pelas peças brancas (...), pouco sabemos e pouco aprendemos sobre a história das pessoas comuns.” Não é necessariamente assim. Há trinta e cinco anos, o historia- dor José Mattoso propunha um “alargamento da escala às dimensões da humanidade inteira e da totalidade do tempo”, dito doutro modo: “não dar mais valor à queda de um império do que ao nascimento de uma criança, nem mais peso às ações de um rei do que a um suspiro de amor.” Mattoso antecipava “avalanches de objeções”, mas não há dúvida que é a História com todas as peças que encontramos na obra das historiadoras que nos deram a honra de participar nesta edição comemorativa da Somos Livros. Nas conversas desta rubrica (cujo título fica esclarecido), falamos do raiar dos “de baixo” como sujeito político e das suas inclinações contrar- revolucionárias (Fátima Sá e Melo Ferreira). Vemos como a Primeira República fracassou por não ter sabido conquis- tar (ou conservar) o seu apoio (Alice Samara). Recordamos como o Estado Novo procurou doutrinar indivíduos e famílias e como lidou com os milhares de refugiados que fugiram do nazismo e, a partir de setembro de 1939, da Guerra que, como uma mancha de óleo, alastrava na Europa (Irene Flunser Pimentel).

A 6 de novembro de 1919, nascia, na cidade do Porto, Sophia de Mello Breyner Andresen. A ligação ao mar nasceu com ela, quase como herança do bisavô, Jan Andresen, e a poesia existiu na sua vida ainda antes de saber que podia escrevê-la.

Figura incontornável da cultura portuguesa, a poetisa foi, desde sempre, uma das personalidades mais acarinhadas pelos portugueses. Desde que, em 1944, publicou o primeiro livro, Poesia, uma edição financiada pelo pai, Sophia soube que a sua vida se faria com poesia. No dia em que se comemora o centenário do seu nascimento, recordamos a vida e obra da Menina do Mar.

 


 

A MENINA DO MAR E DOS POEMAS

Em 1840, Jan Andresen, bisavô de Sophia, deixou a ilha de Föhr, uma ilha piscatória então parte da Dinamarca, rumo à cidade do Porto. Na época, o destino de muitos dos que deixavam aquela ilha era os Estados Unidos. Mas Andresen apaixonou-se pela cidade Invicta e decidiu ficar. A sua ligação ao mar, resultado da vida passada numa ilha, era tal que pediu, em testamento, que quando morresse fosse erguida, na sua sepultura, uma estátua tão alta que tivesse vista para o mar.

Talvez  Sophia tenha herdado a sua ligação ao mar do bisavô. É certo que, em toda a sua obra, há vários poemas e contos sobre o mar ou com o mar em grande destaque. Mas já antes, o mar a impressionava e fazia parte dos seus verões, nas férias que passava na Praia da Granja.

Se o mar veio da parte dos Andresen, a poesia ter-lhe-á chegado pelo avô Thomaz de Mello Breyner, que lhe apresentou os primeiros poemas, de Camões. No entanto, Sophia encantou-se primeiro com a declamação. O primeiro poema que se lembra de declamar foi Nau Catrineta. Com 12 anos, começou também ela a escrever os seus poemas.

Nascida numa família aristocrática, muitas das suas vivências de criança acabariam por se notar na sua obra, principalmente nos contos infantis, como em Saga, que lembra a história do bisavô Andresen. 

 

ANTES DO 25 DE ABRIL

Sophia frequentou o curso de Filologia Clássica, na Universidade de Lisboa, mas nunca o concluiu. A capital havia, no entanto, de se tornar a sua casa, mais concretamente a Travessa das Mónicas, onde viveu desde que se casou até à sua morte.

O casamento com Francisco Sousa Tavares, em 1946, aproximou-a mais da política, mas nunca a afastou da poesia, que acabou por se revelar a melhor forma de lutar pela liberdade – mas não era a única. Foi sempre uma mulher atenta ao mundo que a rodeava. Era, por isso, comum vê-la, principalmente a partir da década de 1950, demonstrar desagrado com o regime de Salazar.

Usava a sua poesia como forma de expressar a sua liberdade e apoiava as causas em que acreditava. Um desses casos foi a Comissão Nacional de Apoio aos Presos Políticos, mas não se ficou por aí. Textos e poemas em alguns folhetos tinham muitas vezes a sua autoria. Em vários momentos, a PIDE, Polícia Internacional e de Defesa do Estado, interrogou Sophia para tentar obter informações. No entanto, o estatuto cultural e as ligações familiares de Sophia impediam a PIDE de tentar mais do que os interrogatórios.

 

 

A POESIA ESTÁ NA RUA

O 25 de abril de 1974 chegou como uma primavera, uma oportunidade de começar de novo. Para Sophia, trouxe uma nova forma de envolvimento político. Em 1975, foi eleita deputada da Assembleia Constituinte, pelo círculo do Porto, nas listas do Partido Socialista. No entanto, a experiência foi curta: a política não era o seu lugar, não lhe pertencia. Escrever era “a melhor participação política”, como disse ao Jornal de Letras em 1982.

Apesar de ter deixado a Assembleia, Sophia mantinha-se sempre atenta ao que ia acontecendo em Portugal, principalmente numa altura tão delicada da nossa história. A amizade com Mário Soares Maria Barroso também haveria de se prolongar.

Em 1984 foi a vez do marido, Francisco Sousa Tavares, ter uma participação mais ativa na política, ao aceitar o cargo de ministro da Qualidade de Vida. Veio a demitir-se no ano seguinte, entrando em processo de separação de Sophia logo a seguir. Dois anos depois, em 1987, Sophia é convidada por Mário Soares para o cargo de Chanceler das Ordens Nacionais, cargo que desempenha durante três anos.

Se a vida pública parecia correr-lhe bem, a vida privada não seguia o mesmo rumo. O filho mais novo, Xavier, sofre um traumatismo craniano num jogo de futebol entre amigos e fica paralisado do lado esquerdo. Mais tarde, Sophia e Sousa Tavares entram num longo e moroso processo de divórcio, só finalizado em 1988. Falar da vida privada não era, no entanto, algo que gostasse de fazer: era a poesia que contava a sua história.

 

No fundo, a única biografia que eu tenho é a que está na minha poesia.

Sophia, no documentário que João César Santos Monteiro fez sobre ela, em 1969

 
FALTOU O NOBEL, FICOU A POESIA

Sophia de Mello Breyner Andresen morreu em Lisboa, a 2 de julho de 2004, aos 84 anos. Para muitos, faltou algo importante na sua carreira: o Prémio Nobel da Literatura. Ela, no entanto, não se impressionava com prémios. Era comum ouvi-la dizer que pensar muito em prémios “é um mau pensamento“.

A neta Rita Sousa Tavares não deixou esquecer esta característica da avó e, em 2014, na cerimónia de transladação de Sophia para o Panteão Nacional proferiu uma frase que certamente resume a poetisa portuguesa: “Se lhe dessem a escolher entre um prémio literário e um último mergulho no mar, preferia o mergulho no mar“.

Quinze anos após a sua morte e cem anos após o seu nascimento, a sua obra continua atual e imponente. Talvez lhe tenha faltado, de facto, o Nobel, mas ficou a sua escrita. Se tivéssemos de resumir a vida de Sophia, poderíamos, talvez, tomar emprestadas as palavras de Isabel Nery, da  biografia que escreveu: “Sophia foi apenas Sophia. Com o tudo e tanto que isso significa.

X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.