Bertrand.pt - Aracne
Opinião dos leitores
(1)

Aracne

de António Franco Alexandre 

Editor: Assírio & Alvim
Edição ou reimpressão: abril de 2004
Portes
Grátis
20%
10,00€
8,00€
Em stock - Envio 24H
portes grátis

Após «Duende» (galardoado com o Prémio D. Diniz — Fundação Casa de Mateus 2002), António Franco Alexandre regressa à escrita com «Aracne» de onde retirámos este poema:

É muito bonito o meu amigo de agora;
tem o mais belo pêlo da floresta,
e olhos onde brilha, em noite escura,
o faiscar do gelo nas alturas.
Demora-se a falar ao telefone
com a namorada, no vagar dos dias;
diz-lhe tudo o que faz, e pensa, e sente,
e ouve também, com ar inteligente,
as divertidas vidas que ela conta.
E há tantos episódios, desde o baile
dos mosquitos, no verão passado,
à recente soirée das sanguessugas,
que se distrai, e lento se espreguiça
ao sol, que lhe acentua as rugas.
Então eu subo pelo pêlo, e fico
a admirar tão sedosas harmonias;
no sussurro sem fios, que mal entendo,
colho o meu mel pequeno, e sou feliz.
(p. 8)

Críticas de imprensa
"A qualidade «densamente musical» da poesia de Franco Alexandre (...) ecoa por todos os lados nesta sublime e prodigiosa Aracne, para mim o grande livro do ano. Partindo do Canto VI das Metamorfoses de Ovídio, é urdida uma trama poética ao mesmo tempo antiga e moderna, filosófica e emotiva, que nos enleia e deslumbra a cada nova leitura."
Frederico Lourenço, In Mil Folhas (Público), 02 de Janeiro de 2005

  • O poeta enquanto aracnídeo
    Henrique Fialho - Livreiro Bertrand La Vie Caldas da Rainha | 14-09-2017

    Em Aracne é um aranhiço quem nos fala «da arte, dos mistérios / da sexta dimensão, e outras lérias / de quem já não tem fio, mas tem ideias». A lírica, com enredos frequentemente amorosos, mistura-se aqui com a narração de uma espécie de balanço pessoal de conotações fortemente críticas e, por vezes, morais: «fico a pensar se não teria sido / melhor ter construído uma doutrina / em duro nylon ou arame fino». O poeta como que se faz passar, desta forma, por «um aracnídeo inadaptado» que tece a sua «teia sem enredo» - os seus poemas -, onde poderá ser humano, pois «Ser outro é privilégio de quem tece / na face do destino um transparente / véu, e ao vão casulo / prefere a superfície de uma folha». Um dos mais belos livros de um dos mais relevantes poetas portugueses.

Aracne
ISBN: 978-972-37-0951-3 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Assírio & Alvim Idioma: Português Dimensões: 145 x 205 x 5 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 56 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Poemas Escolhidos
10%
portes grátis
18,80€ 16,92€
Assírio & Alvim
Do corpo: outras habitações
10%
portes grátis
16,60€ 14,94€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.