Bertrand.pt - A Questão Religiosa na I República

A Questão Religiosa na I República

Contribuições para uma autópsia

de Arnaldo Madureira 

Editor: Livros Horizonte
Edição ou reimpressão: abril de 2004
Portes
Grátis
10%
25,44€
Poupe 2,54€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

A 5 de Outubro de 1910 era proclamada a República em Portugal. Corroída por uma profunda crise a monarquia cedia. Iniciava-se a perseguição às ordens religiosas e aos seus membros, acusados de responsáveis pelo atraso do País. Três dias depois da vitória republicana o Governo Provisório ordenava a aplicação integral da legislação do Marquês de Pombal e de Joaquim António de Aguiar sobre associações religiosas e conventos. Rapidamente o novo Executivo suprimia o juramento religioso e os actos civis na Faculdade de Teologia da Universidade de Coimbra, extinguia o ensino da doutrina cristã nas escolas primárias, ordenava que deixassem de existir os feriados em dias santificados, decretava o divórcio e novas leis sobre o casamento e a protecção dos filhos, etc. A 20 de Abril de 1911 chegava a hora de ser publicada a tão desejada, por uns, e a tão temida, por outros, Lei da Separação do Estado das Igrejas.
A 1.ª Guerra mudou muita coisa. As crenças e a fé religiosa revigoraram. As quaren-tenas espirituais, as procissões, os abaixo assinados para que o Corpo Expedicionário que seguia para França incorporasse capelães militares, etc., intensificaram-se. Depois surgiram as aparições de Fátima. Com Sidónio Pais a Igreja Católica ganhou espaço e viu a Lei da Separação ser suavizada e as relações diplomáticas entre Portugal e o Vaticano restabelecidas. Depois de Sidónio e da Monarquia do Norte, a Igreja tomou consciência que seria de outra forma que teria de defender os seus interesses. A 18 de Dezembro de 1919 Bento XV dizia aos católicos portugueses que a Igreja não devia estar sujeita a facções nem servir os partidos políticos, antes lhe competia exortar os fiéis a obedecerem ao Governo, "seja qual for a Constituição Política". Os bispos, o clero e o Centro Católico adaptaram os seus comportamentos e discursos a essa orientação. A Igreja e as suas organizações passavam a defrontar os grupos radicais anticlericais, e os monárquicos-católicos, que os acusavam de apoiarem a República maçónica e laica.
Por entre revoltas, conspirações, greves, assaltos a estabelecimentos comerciais, atentados à bomba e a tiro, etc., a República agonizava. A desordem persistia e com ela novos tempos se anunciavam. A Igreja, por processos constitucionais, aproveitava esse caos e movimentava-se para reassumir o peso que tivera na sociedade portuguesa.

A Questão Religiosa na I República
Contribuições para uma autópsia
ISBN: 9789722412698 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Livros Horizonte Idioma: Português Dimensões: 172 x 239 x 18 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 264 Tipo de Produto: Livro Coleção: Horizonte Histórico Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  História  >  História de Portugal
Livros  >  Livros em Português  >  Política  >  Política em Geral

Sugestões

Ficheiros Secretos à Portuguesa
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
14,90€
Manuscrito Editora
Raízes da Expansão Portuguesa
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,90€
Editorial Caminho
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.