Bertrand.pt - O Existencialismo e a Sabedoria das Nações

O Existencialismo e a Sabedoria das Nações

de Simone de Beauvoir 

Editor: Esfera do Caos
Edição ou reimpressão: junho de 2008
13,70€
Esgotado ou não disponível.

Os textos que esta antologia inédita recupera, "totalmente empenhados e totalmente livres", foram publicados em Les Temps Modernes, revista que Sartre e Beauvoir fundaram em 1945. Neles, a autora reivindica-se solidária das circuns­tâncias em que intervém, e faz dessa solidariedade uma oca­sião e um objecto de pensamento.

"O homem procura sempre o seu próprio interesse", "A natureza humana nunca mudará", "Longe da vista, longe do coração", "Ninguém dá nada a ninguém", "Enquanto se é novo, é tudo muito bonito", "Não andamos cá para nos divertirmos"…
Estes lugares comuns, estes dados adquiridos que constituem a sabedoria das nações, exprimem uma visão do mundo incoerente, cínica e omnipresente, que é preciso pôr em causa. É em nome deles, com efeito, que se censura ao existencialismo oferecer ao homem uma imagem de si próprio e da sua condição, determinada a desesperá-lo. Contudo, e bem pelo contrário, esta filosofia quer convencê-lo a recusar as consolações da mentira e da resignação: confia no homem.

Índice:
1 O Existencialismo e a sabedoria das nações
2 Idealismo moral e realismo político
3 Literatura e metafísica
4 Olho por olho

Excertos
Prefácio

"Em França, vocês pensam nos problemas sem os resolverem", dizia-me, um dia, um americano. "Nós não pensamos nos problemas: resolvemo-los."
Resumia assim, nesta tirada agressiva, as críticas que em todos os tempos têm sido dirigidas ao pensamento especulativo: este não ajudaria a viver, e distrairia até da vida. É preciso viver.
Hoje em dia, quando se ataca o existencialismo, não é geralmente contrapondo-lhe outra doutrina definida, mas antes recusando qualquer crédito à filosofia em geral.
Uma tal atitude está viciada desde a raiz, repousando em pressupostos que não são, nem axiomas a priori, nem leis experimentais, e que relevam eles próprios de uma filosofia.
Por exemplo, não é verdade que a massa dos opositores do existencialismo olhe o mundo com olhos ingénuos: apreendem-no através desses lugares-comuns que constituem a Sabedoria das Nações, incoerente, contraditória; essa sabedoria é, entretanto, uma visão do mundo que convém pôr em causa. E, se a submetemos a um exame sério, compreendemos que não conseguiria satisfazer um espírito honesto: é apenas por preguiça que tanta gente recorre a ela.
Da mesma forma, não se pode culpar a estética existencialista em nome de príncipios absolutos; essa estética não existe, uma vez que a literatura é aquilo que o homem faz que ela seja. Na verdade, opõe-se-lhe uma outra estética, geralmente um vago naturalismo que não possui garantia incondicionada. Um dos domínios onde se recusou mais intensamente a intrusão da filosofia é o domínio político: o realismo político não tem, diz-se, de se deixar enredar por considerações abstractas. Mas, se olharmos mais de perto, rapidamente nos apercebemos de que os problemas políticos e morais estão indissoluvelmente ligados: trata-se, de qualquer forma, de fazer a história humana, de fazer o homem; e, dado que o homem está por fazer, está em questão: é essa questão que está na origem, ao mesmo tempo, da acção e da sua verdade.
Por trás da política mais crua, mais linear, há sempre uma ética que se dissimula. É isso que descobrimos de forma evidente, assim que consideramos o caso concreto.
O problema do castigo, que perturbou tantas consciências no dia a seguir à Libertação, não se poderia resolver, nem sob um plano puramente político, nem seguindo as normas de uma moral abstracta, escolhendo a caridade mais do que a justiça, o rigor mais do que a clemência, definindo cada um relativamente aos outros homens uma atitude global que é precisamente a atitude metafísica: colocam-se completamente em questão perante o mundo inteiro. O homem não pode fugir à filosofia, porque não pode fugir à sua liberdade: esta implica a recusa do adquirido e a interrogação. Aí está o que estes ensaios se esforçam por demonstrar. Não procuram definir mais uma vez o existencialismo, mas defendê-lo contra as acusações de frivolidade e de gratuitidade que, de forma frívola e gratuita, têm sido amiúde dirigidas, desde Sócrates, a todo o pensamento organizado. Na verdade, não há divórcio entre filosofia e vida.
Toda a conduta viva é uma escolha filosófica, e a ambição de uma filosofia digna desse nome é a de ser um modo de vida que traga consigo a sua justificação.
S. de B.

O Existencialismo e a Sabedoria das Nações
ISBN: 9789898025531 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Esfera do Caos Idioma: Português Dimensões: 152 x 226 x 10 mm Páginas: 104 Tipo de Produto: Livro Coleção: Ideias Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Ciências Sociais e Humanas  >  Filosofia

Sugestões

21 Lições para o Século XXI
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
21,98€
Elsinore
A Ordem do Tempo
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,60€
Objectiva
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.