Bertrand.pt - Tratado de Ciência Militar
Opinião dos leitores
(1)

Tratado de Ciência Militar

de Vegécio 

Editor: Edições Sílabo
Edição ou reimpressão: junho de 2006
24H
Portes
Grátis
10%
14,89€
Poupe 1,49€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

As legiões romanas permitiram a Roma conquistar e construir um vasto império assente não só na força militar, mas também na cultura e organização social.

As legiões, sustentáculo desta brilhante civilização, atingiram níveis de eficiência e eficácia dificilmente igualáveis pelo espírito e acção humanas. São os princípios desta organização, os valores e a prática, que o autor nos expõe nesta imparável obra, a ler de um só fôlego e com o entusiasmo de nos estarmos a aproximar da perfeição.

Trata-se efectivamente do tratado militar mais influente no mundo ocidental desde os tempos romanos até ao século XIX e que deixou marcas indeléveis nas nossas tradições de disciplina e organização. Ricardo Coração de Leão levava Epitoma Rei Militaris para todo o lado nas suas campanhas, e, em 1770, o príncipe de Ligne, marechal de campo austríaco, apelidou-o de «livro de ouro» e escreveu: «Um Deus, disse Vegécio, inspirou a legião; eu penso que um Deus inspirou Vegécio».

ÍNDICE
ESTUDO INTRODUTÓRIO: O autor e o seu tempo; A estrutura e o significado da obra / TRATADO DE CIÊNCIA MILITAR: LIVRO PRIMEIRO: PRÓLOGO; CAPÍTULO I - Os Romanos venceram todos os povos unicamente pela disciplina das suas tropas; CAPÍTULO II - De que regiões os recrutas devem ser escolhidos; CAPÍTULO III - Se são melhores os recrutas do campo ou os da cidade; CAPÍTULO IV - Da idade dos recrutas; CAPÍTULO V - Da estatura dos recrutas; CAPÍTULO VI - Para se escolherem bons recrutas é necessário guiar-se pela face e aspecto; CAPÍTULO VII - De que ofícios se devem seleccionar ou rejeitar os recrutas; CAPÍTULO VIII - Quando se deve marcar os recrutas; CAPÍTULO IX - Os recrutas devem ser treinados no passo militar, na corrida e no salto; CAPÍTULO X - Deve ensinar-se os recrutas a nadar; CAPÍTULO XI - Como os antigos treinavam os recrutas com escudos de vime e postes; CAPÍTULO XII - Os recrutas devem aprender a ferir com a ponta e não com o corte; CAPÍTULO XIII - Deve ensinar-se a esgrima aos recrutas; CAPÍTULO XIV - É necessário ensinar aos recrutas o uso das armas de arremesso; CAPÍTULO XV - Os recrutas devem ser ensinados a disparar setas; CAPÍTULO XVI - Os recrutas devem ser exercitados em atirar pedras; CAPÍTULO XVII - Do exercício com dardos chumbados; CAPÍTULO XVIII - De que modo se deve ensinar os recrutas a montar a cavalo; CAPÍTULO XIX - Os recrutas devem ser treinados para carregar fardos; CAPÍTULO XX - Das armas que os antigos usavam; CAPÍTULO XXI - Sobre a fortificação dos acampamentos; CAPÍTULO XXII - Que paragens se devem escolher para a localização dos acampamentos; CAPÍTULO XXIII - Da forma dos acampamentos; CAPÍTULO XXIV - As formas de fortificar os acampamentos; CAPÍTULO XXV - Modo de fortificar um campo na presença do inimigo; CAPÍTULO XXVI - Como se treina os recrutas para que mantenham o seu posto e os intervalos das formações; CAPÍTULO XXVII - Quantas vezes por mês devem os recrutas praticar o exercício da marcha, e que distâncias devem avançar e retirar nas manobras; CAPÍTULO XXVIII - Sobre a incitação à arte da guerra e ao valor romano / LIVRO SEGUNDO: PRÓLOGO; CAPÍTULO I - Dos vários ramos em que o exército se divide; CAPÍTULO II - A diferença entre as legiões e as tropas auxiliares; CAPÍTULO III - A causa da decadência das legiões; CAPÍTULO IV - Do número de legiões que os nossos antepassados levavam para a guerra; CAPÍTULO V - Da forma como se cria uma legião; CAPÍTULO VI - Sobre o número de coortes em cada legião, e do número de soldados em cada coorte; CAPÍTULO VII - Os nomes e graus dos oficiais da legião; CAPÍTULO VIII - Denominação dos que comandavam as unidades antigas; CAPÍTULO IX - Das obrigações do prefeito da legião; CAPÍTULO X - Das obrigações do prefeito do acampamento; CAPÍTULO XI - Das obrigações do prefeito dos engenheiros; CAPÍTULO XII - Das obrigações do tribuno dos soldados; CAPÍTULO XIII - Sobre as centúrias e as insígnias da infantaria; CAPÍTULO XIV - Sobre as turmas da cavalaria legionária; CAPÍTULO XV - Como as legiões são formadas em batalha; CAPÍTULO XVI - Sobre as armas dos triarii e dos centuriões; CAPÍTULO XVII - As tropas pesadamente armadas devem manter-se como uma muralha no início da batalha; CAPÍTULO XVIII - Os nomes e graduações dos soldados eram inscritos nos seus escudos; CAPÍTULO XIX - Para além da robustez do corpo, é requerido que os recrutas saibam escrever e contar; CAPÍTULO XX - Os soldados devem depositar metade das suas gratificações junto dos estandartes, para as pouparem; CAPÍTULO XXI - Do modo como se efectuam as promoções na legião, cada um passando por todas as coortes; CAPÍTULO XXII - Sobre as diferenças entre a trombeta, a trompa e a corneta; CAPÍTULO XXIII - Sobre o treino dos soldados; CAPÍTULO XXIV - Exemplos retirados de algumas artes, através dos quais se incentiva a arte militar; CAPÍTULO XXV - Sobre as máquinas e utensílios da legião / LIVRO TERCEIRO: PRÓLOGO; CAPÍTULO I - Da forma conveniente do exército; CAPÍTULO II - Do modo de manter a saúde do exército; CAPÍTULO III - Do cuidado que se deve ter com o aprovisionamento e a conservação de forragens e cereais; CAPÍTULO IV - Das precauções para evitar a sedição dos soldados; CAPÍTULO V - Sobre a quantidade dos sinais militares; CAPÍTULO VI - Da precaução que convém manter quando se marcha nas proximidades do inimigo; CAPÍTULO VII - Do modo de atravessar rios amplos; CAPÍTULO VIII - Do estabelecimento dos acampamentos; CAPÍTULO IX - Sobre o que deve ser tido em conta antes de decidir um ataque surpresa, uma emboscada ou uma batalha campal; CAPÍTULO X - O que deve ser feito quando se comanda soldados novos ou desabituados; CAPÍTULO XI - Das precauções que devem ser tomadas no dia da batalha; CAPÍTULO XII - Convém avaliar o ânimo dos soldados que irão combater; CAPÍTULO XIII - Como se escolhe um campo de batalha vantajoso; CAPÍTULO XIV - Do modo como que se posiciona um exército para sair vitorioso da batalha; CAPÍTULO XV - Sobre a distância entre os homens nas fileiras e os intervalos entre as fileiras, em pés quadrados; CAPÍTULO XVI - Da formação da cavalaria; CAPÍTULO XVII - Das unidades de reserva, posicionadas atrás das linhas; CAPÍTULO XVIII - Em que posto devem estar o general comandante, e o segundo e o terceiro no comando; CAPÍTULO XIX - Indicações para resistir à virtude e ao logro do inimigo durante a batalha; CAPÍTULO XX - De quantos modos se pode travar uma batalha campal e como é possível vencer com tropas inferiores em número e força; CAPÍTULO XXI - Não se deve impedir o inimigo de retirar, para depois derrotar melhor os fugitivos; CAPÍTULO XXII - De que modo se deve retirar caso não se opte pela batalha; CAPÍTULO XXIII - Sobre os camelos e sobre a cavalaria pesadamente armada; CAPÍTULO XXIV - Da defesa contra quadrigas e elefantes; CAPÍTULO XXV - O que fazer se a totalidade ou parte do exército é posta em fuga; CAPÍTULO XXVI - Regras gerais da guerra / LIVRO QUARTO: PRÓLOGO; CAPÍTULO I - As cidades devem ser fortificadas pela natureza ou pela mão humana; CAPÍTULO II - As muralhas não devem ser direitas, mas sim angulosas; CAPÍTULO III - Sobre o modo de construir um talude junto à muralha; CAPÍTULO IV - Das grades e das precauções contra o incêndio das portas; CAPÍTULO V - De como são feitos os fossos; CAPÍTULO VI - Do modo de proteger os defensores das muralhas das setas do inimigo; CAPÍTULO VII - Das providências a tomar para evitar que os sitiados não sofram da fome; CAPÍTULO VIII - Das munições que devem ser preparadas para a defesa das muralhas; CAPÍTULO IX - Como se pode superar a falta de tendões; CAPÍTULO X - Providências contra a falta de água dos defensores; CAPÍTULO XI - O que fazer se o sal escasseia; CAPÍTULO XII - Como resistir ao primeiro assalto às muralhas; CAPÍTULO XIII - Das máquinas usadas para assaltar uma cidade; CAPÍTULO XIV - Sobre o aríete, o gancho e a tartaruga; CAPÍTULO XV - Sobre as vinhas, as cortinas e os taludes; CAPÍTULO XVI - Sobre os mexilhões; CAPÍTULO XVII - Sobre as torres móveis; CAPÍTULO XVIII - Do modo de incendiar as torres móveis; CAPÍTULO XIX - Da forma de aumentar a altura de uma muralha; CAPÍTULO XX - Como se pode minar o terreno para inutilizar as torres móveis; CAPÍTULO XXI - Sobre as escadas, a ponte móvel, a ponte levadiça e a viga oscilante; CAPÍTULO XXII - Das balistas, catapultas, escorpiões, bestas, fustíbalos, fundas e outras máquinas com que a muralha é defendida; CAPÍTULO XXIII - Dos colchões, laços, lobos e colunas grandes que se opõem aos aríetes; CAPÍTULO XXIV - Sobre as minas que são escavadas para se derrubar a muralha ou penetrar na cidade; CAPÍTULO XXV - O que devem fazer os sitiados após a entrada do inimigo na cidade; CAPÍTULO XXVI - Do que deve ser feito para que o inimigo não se apodere da muralha através da surpresa; CAPÍTULO XXVII - Estratagemas levados a cabo contra os sitiados; CAPÍTULO XXVIII - Precauções do sitiante contra os ataques dos sitiados; CAPÍTULO XXIX - Das máquinas utilizadas para a defesa das cidades; CAPÍTULO XXX - Sobre as medidas das escadas e das máquinas; CAPÍTULO XXXI - Os preceitos da guerra naval; CAPÍTULO XXXII - Das patentes dos oficiais que comandam a esquadra; CAPÍTULO XXXIII - De onde surgiu o nome das liburnas; CAPÍTULO XXXIV - Sobre as precauções na construção de navios de guerra; CAPÍTULO XXXV - Sobre as condições astronómicas para cortar as árvores; CAPÍTULO XXXVI - Em que meses se deve cortar a madeira; CAPÍTULO XXXVII - Sobre o tamanho dos navios de guerra; CAPÍTULO XXXVIII - Os nomes e o número dos ventos; CAPÍTULO XXXIX - Dos meses em que é seguro navegar; CAPÍTULO XL - Sobre a observação astronómica dos sinais das tempestades; CAPÍTULO XLI - Sobre os prognósticos; CAPÍTULO XLII - Das marés; CAPÍTULO XLIII - Sobre o conhecimento da navegação e os remadores; CAPÍTULO XLIV - Sobre as armas de arremesso e as máquinas; CAPÍTULO XLV - Das emboscadas na guerra naval; CAPÍTULO XLVI - Sobre as precauções a tomar num combate naval aberto / CRONOLOGIA - O Império Romano do Século III ao Século VII / BIBLIOGRAFIA DO ESTUDO INTRODUTÓRIO.

  • demasiado especifico e aborrecido de ler
    Nuno Alpalhão | 07-05-2016

    Muito técnico

Tratado de Ciência Militar
de Vegécio 
ISBN: 9789726184188 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Edições Sílabo Idioma: Português Dimensões: 160 x 235 x 11 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 160 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Gestão  >  Gestão e Organização
Livros  >  Livros em Português  >  História  >  História Antiga

Sugestões

Done! Negócio Fechado
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
19,97€
Self PT
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
19,80€
Gradiva
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.