Bertrand.pt - Ouro e Cinza
Opinião dos leitores
(1)

Ouro e Cinza

de Paulo Varela Gomes 

Editor: Tinta da China
Portes
Grátis
10%
16,90€
Poupe 1,69€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock
portes grátis

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Formação de Adultos como sugestão de leitura.

Literárias, inteligentes, viscerais, as crónicas de Paulo Varela Gomes versam sobre Bichos | Estética | Este país | Índia | O campo | O tempo

«São acerca de quê, estas páginas? Não sei como responder a esta questão. Sentimentos, sítios, ideias, objectos, imagens, climas, bichos, plantas.
Escrevi crónicas regulares para jornais e revistas durante trinta anos, desde 1984. Foram milhares e milhares de páginas. Habituei-me ao formato limitado, entre quinhentas e mil palavras por texto, mais coisa, menos coisa, e reparo hoje que, desde as primeiras crónicas, no "Blitz" e no "Jornal de Letras", encontrei uma certa facilidade nesse formato. O facto de serem poucas as palavras nunca evitou que dissesse asneiras, mas teve a grande vantagem de impedir que fossem muito graves. Por outro lado, poucas palavras implicam palavras certas. Aprendi a escolhê-las com cuidado.
Colaborei com o "Público" desde que este jornal apareceu, em 1990. Escrevi textos de variados géneros e, entre 2007 e 2013, crónicas regulares que se distribuíram por três séries: "Cartas de Cá" (mais de oitenta), "Cartas do Interior" (mais de cem) e "Cartas de Ver" (cerca de cinquenta). Foram muitas semanas e muita vida, muito ouro e muita cinza. Seleccionei para este livro algumas crónicas das duas primeiras séries, aquelas que ainda hoje me parecem bem, conjuntamente com alguns artigos mais longos, que saíram tanto no "Público" como em outras publicações. Espero que os leitores, tanto os que já conhecem estes textos como aqueles que nunca os leram, gostem da variedade do mundo observada em poucas palavras.»
—PVG

Excertos
«É azar meu ter vivido o fim do tempo antigo em Portugal e ter vindo para a Índia viver tudo isso outra vez. Nasci tarde ou cedo demais. Entrei na adolescência em 1970, quando a vila onde passei a infância começava a ser levada pelo progresso. A obliteração da minha terra levou vinte anos. Em Goa, só neste último ano e meio, foi completamente transformado o caminho entre a minha casa e o sítio onde trabalho. Tudo muda de maneira muito mais brutal, no meio de extraordinária fealdade e muito sofrimento. Assisto agora aqui, em meia década, àquilo que sucedeu em Portugal durante 40 anos. Mas é isto, paradoxalmente, que me permite uma réstia de optimismo: Portugal demonstra que, ao fim de algum tempo, o passado terá sido completamente removido e então, finalmente, a paz poderá chegar. Veja-se o caso do Algarve. O Algarve antigo, o Algarve "verdadeiro" que existiu até à década de 1960, esse desapareceu para sempre, mas o Algarve tornou-se igual ao sul de Espanha ou da França, um "Mediterrâneo" genérico e turístico, limpo e certinho. Autorizo-me às vezes a esperança, apesar do horror que vejo na Índia em revolução. Espero que o mundo inteiro acabe por ficar igual, banal e normal(izado), melhor do que agora, melhor que o tumulto e a catástrofe da mudança em que tive o azar de viver toda a minha vida em Portugal e na Índia.»

  • O que é o progresso?
    Henrique Fialho - Livreiro Bertrand La Vie Caldas da Rainha | 05-05-2019

    O aspecto mais tocante de Ouro e Cinza talvez esteja entre o que o tempo consome e o que no tempo perdura, as contradições de uma humanidade que tão bem se reconhece na definição de campo partilhada a páginas 202: «O campo, para mim, é a revivescência permanente de uma recordação imóvel. Sucede isto porque no campo, por mais que tudo mude, tudo está sempre no princípio, silencioso e quieto. É da ordem das coisas que não haja tempo». São notáveis as paisagens traçadas por Paulo Varela Gomes, quer quando se perde na agitação das cidades, quer quando se recolhe nos resquícios de uma antiguidade que o progresso tem vindo a aniquilar. A desconfiança acerca do progresso é, aliás, uma das características mais marcantes destas crónicas, sobretudo quando entendemos por progresso algo oposto à preservação e à conservação dos patrimónios cultural e natural.

Ouro e Cinza
ISBN: 9789896712235 Editor: Tinta da China Idioma: Português Dimensões: 139 x 208 x 17 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 256 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Crónicas

Quem comprou também comprou

Wasteband
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,90€
Editorial Caminho
Domadora de Camaleões
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,50€
Oxalá Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.