Bertrand.pt - Luz do Mundo

Luz do Mundo

O Papa, a Igreja e os sinais dos tempos

de Peter Seewald e Bento XVI 

Editor: Lucerna
Formatos Disponíveis:
Portes
Grátis
10%
9,90€
Poupe 0,99€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock
portes grátis

Com os livros-entrevistas O Sal da Terra e Deus e o Mundo, não foi apenas o interesse do mundo católico que Peter Seewald despertou. Nunca se tinha ouvido o cardeal Ratzinger, o principal guardião da fé da Igreja Católica, num diálogo tão franco e tão aberto. No terceiro livro desta série - a presente obra, Luz do Mundo - já não é um cardeal quem fala, mas sim o Papa. A franqueza permanece. Bento XVI não se esquiva a nenhuma pergunta, neste diálogo com o Papa que é único na história da Igreja. Com efeito, é a primeira vez que um Pontífice assume, neste género de diálogo, as suas posições. Como se vê Bento XVI a si próprio e ao seu pontificado? O que pretende alcançar? O que diz a propósito do escândalo dos abusos na Igreja? E a propósito do caso Williamson? Como avalia as exigências de reformas na Igreja? E a situação do ecumenismo? E as relações com os judeus e os muçulmanos? Qual é a opinião do chefe supremo de 1200 milhões de católicos sobre a transformação da sociedade ocidental, quando há cada vez mais pessoas indiferentes à fé? Qual é a proposta da Cristandade nos tempos modernos? Será que as crises contemporâneas também contêm em si oportunidades por descobrir para a Igreja, o mundo e cada indivíduo?

Críticas de imprensa
“O livro desmantela completamente a imagem de Ratzinger obscurantista, retrógrado”, avalia o vaticanista Sandro Magister, após a apresentação do livro. Conceituado especialista do Vaticano, crítico de Ratzinger, Magister dizia à AFP que o Papa manifesta agora “vontade de compreender o mundo”.
A questão do preservativo marcou mediaticamente, desde sábado, a pré-publicação do livro. Nesse dia, o "L’Osservatore Romano", jornal do Vaticano, divulgou excertos. Ali se lia que, “em casos pontuais, justificados”, se pode usar o preservativo.
A afirmação teve reacções positivas em todo o mundo, nomeadamente de organizações de luta contra a sida. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse, em entrevista ao PÚBLICO, que o Papa era “bastante pragmático e realista”. A directora da Organização Mundial de Saúde, Margaret Chan, falou em “boas notícias”.
“É uma maravilhosa vitória do senso comum e da razão”, reagiu Jon O’Brien, do grupo Católicos pela Escolha, citado pela Reuters. E o director da Onusida, Michel Sidibe, falou num passo “positivo”.
O autor da entrevista, Peter Seewald, considerou ontem “penoso” e ridículo” que os media se concentrem apenas no preservativo. “O livro aborda a sobrevivência do planeta ameaçado, o Papa lança um apelo a toda a humanidade, o nosso mundo afunda-se e metade dos jornalistas só se interessa pela questão do preservativo”, afirmou na apresentação.
Muitos outros temas da Igreja e do mundo, bem como dos cinco anos de pontificado de Ratzinger, passam pelo livro, que não ignora polémicas provocadas por afirmações do Papa — o tema do preservativo surge nesse contexto, quando Bento XVI explica o que pretendeu dizer na viagem a África. E, confessa, algumas das polémicas foram para si inesperadas.
Ratzinger abriu uma importante brecha no tema da contracepção, mas mantém outras ideias da doutrina tradicional: a homossexualidade, por exemplo, “opõe-se à vontade de Deus”, mas os homossexuais “merecem respeito” e “não devem ser rejeitados por causa disso”.
Estas afirmações provocaram ontem a reacção da mais importante associação de defesa dos direitos de homossexuais italianos. A Arcigay afirmou: “As palavras do Papa humilham milhões de vidas que têm que suportar discriminações todos os dias.” E anunciou “contestação directa ao Papa” no futuro imediato.
A recusa de ordenação de mulheres é outro tema de conversa entre Bento XVI e Peter Seewald, jornalista alemão que já antes publicara outras duas entrevistas com o então cardeal Joseph Ratzinger ("O Sal da Terra" está editado na Tenacitas). A não-ordenação de mulheres “é uma vontade de Deus”, afirma, retomando afirmações suas segundo as quais o debate está dado por terminado pelo Vaticano.

Divorciados e renúncia

O Papa sugere, entretanto, ser necessária “uma reflexão” sobre a proibição de pessoas divorciadas que voltaram a casar não poderem comungar. E, pela primeira vez publicamente, assume também a possibilidade de resignação do cargo. “Não se pode fugir quando o perigo é grande. Em consequência, não é certamente o momento de me demitir”, diz no livro, citado pela AFP. Mas “se o Papa não estiver em forma fisicamente e espiritualmente”, a hipótese de abdicar do cargo deve ser colocada.
Polémica, no início de 2009, foi também a retirada da excomunhão (mas sem o ter reintegrado na Igreja Católica) do bispo integrista Richard Williamson, que nega o Holocausto. Bento XVI confessa “não ter tomado consciência de quem se tratava”. Na altura, comentou-se que alguém no Vaticano teria omitido informação ao Papa sobre Williamson, pois o negacionismo do bispo era conhecido.
A primeira grande polémica, após o discurso de Ratisbona sobre a violência, em que Bento XVI citou uma frase que se referia a Maomé, foi originada por um discurso “mais académico que político”, afirma agora Ratzinger. Ao contrário do que as manifestações dessa altura evidenciaram, católicos e muçulmanos estão “comprometidos hoje numa luta comum, a defesa dos valores religiosos”.Também a propósito do islão, acrescenta: “É importante que permaneçamos intensamente em contacto com todas as forças muçulmanas abertas ao diálogo, para que se possam produzir mudanças onde o islão liga verdade e violência.”
Outras afirmações do livro trazem novas polémicas no bico: as afirmações sobre Pio XII, o seu antecessor que governou a Igreja no tempo da II Guerra Mundial, provocaram a reacção de organizações judaicas. Pio XII foi “um dos grandes justos, que salvou os judeus mais do que ninguém”, afirma Bento XVI no livro. “Naturalmente, podemos perguntar sempre: ‘Por que é que ele não protestou com mais vigor?’ Creio que ele viu as consequências que poderia ter havido com um protesto público”.
Vários responsáveis judaicos protestaram. Entre eles, o rabino David Rosen, do Comité Judaico Americano, que respondeu à AFP: “Há certamente muitos argumentos para rejeitar as acusações de imobilismo de Pio XII enquanto a vida dos judeus e de outros estava em perigo. Mas não só Pio XII nunca interpelou directamente o regime nazi sobre a questão do extermínio dos judeus, como, mais grave, nunca exprimiu publicamente a condenação, nem mesmo o lamento, após o fim da II Guerra Mundial.”

23.11.2010, in Público, por António Marujo

Luz do Mundo
O Papa, a Igreja e os sinais dos tempos
ISBN: 9789728835750 Editor: Lucerna Idioma: Português Dimensões: 148 x 230 x 11 mm Páginas: 216 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Religião e Moral  >  Ciência e História das Religiões

Quem comprou também comprou

A Grande Recusa
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
6,00€
Paulinas Editora
O Rosário Com os Mártires do Século XX
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
5,00€
Apostolado da Oração
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.