Bertrand.pt - Dar a Morte

Dar a Morte

de Jacques Derrida 

Editor: Palimage
Edição ou reimpressão: junho de 2013
Portes
Grátis
10%
15,90€
Poupe 1,59€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock
portes grátis

É favor inserir

Apesar das aparências, apesar do sinal do dom, apesar de uma passagem esperada entre o tempo e a morte, apesar da aparição, furtiva, é verdade, do narrador de La Fausse Monnaie (Baudelaire), Dar a Morte não é ainda o segundo tomo anunciado de Donner le Temps. I. La Fausse Monnaie (Galilée, Paris, 1991).
A figura para sempre dominante é aqui Abraão: aquele que, antes de mais, é certo, recebe três homens junto aos Castanheiros de Mambré, os enviados de Deus, e lhes dá hospitalidade para inaugurar a sua tradição. Mas Abraão é também aquele que, no fim de contas, sabe dever calar-se no Monte de Moriá antes de o anjo, um outro enviado, interromper a morte que, para a dar a Deus, ele se aprontava a dar ao seu filho preferido, Isaac - a menos que seja, em terra do Islão, Ismael de Ibraim.
Como interpretar o segredo de Abraão e a lei do seu silêncio? Porque parece ele incomensurável com o interdito, que parece reduzir ao mutismo todos os seus, todos aqueles e todas aquelas a quem, aliás, ele não confia jamais nada: e Sara e Isaac, e Agar e Ismael - tão cedo mandados embora? A estes quatro próximos, que se queria fazer passar por figurantes, nós lembrá-los-emos discretamente para o centro da cena.
Não se sabe mais como entender o indecifrável deste momento inaudito. Não se sabe mais reinterpretá-lo. Não se sabe mais, porque não é mais uma questão de saber, quem pode autorizar­-se a reinterpretar o número infinito das interpretações que desde sempre dão aqui à costa em vista das costas ou soçobram no fundo dos abismos que se abrem à nossa memória, aí se descobrindo e encobrindo ao mesmo tempo.
Ora nós somos esta memória, por ela prevenidos e intimados. Inspeccionados no alto mar antes do naufrágio. Ela consigna-nos uma herança irrevocável. Nós podemos, é certo, denegá-la, ela permanece justamente inegável - e continua a ditar uma certa leitura do mundo. Do que um «mundo» quer dizer. Ou mesmo da mundialização hoje em dia da confissão, do arrependimento e do perdão. Abraão, sugere a literatura de Kierkegaard, teria pedido perdão a Deus: não por tê-lo traído, mas por lhe ter obedecido!
História da Europa, da responsabilidade, da subjectividade ou do segredo, possibilidade da literatura, tais seriam talvez alguns nomes, entre outros - ou apelidos -, destes desafios.
E o mais do que Um. E a questão de saber porque é que, na sua filiação abraâmica, a literatura teria de pedir perdão - por não querer dizer. E porque é que Deus teria ainda de jurar.
Reunidos em torno do corpus bíblico, alguns grandes veladores são escutados. Todos homens. Disputam-se a noite: Kierkegaard, em primeiro lugar, Kierkegaard indefinidamente, e Kafka sobre­tudo, e Melville, mas também Patocka, a seguir a Platão, Nietzsche, Heidegger, Lévinas.

Jacques Derrida

Outros livros da coleção

Da Hospitalidade
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,50€
Palimage
A Declosão
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
18,00€
Palimage
Dar a Morte
ISBN: 9789897030703 Ano de edição ou reimpressão: 06-2013 Editor: Palimage Idioma: Português Dimensões: 158 x 231 x 11 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 196 Tipo de Produto: Livro Coleção: Skiagraphia's Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Ciências Sociais e Humanas  >  Filosofia

Quem comprou também comprou

Escrita's da Resistência
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,00€
Palimage
Derrida – O Dom da Différance
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,00€
Palimage
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.