Bertrand.pt - Vou Emigrar para o meu País

Vou Emigrar para o meu País

de Nuno Costa Santos 

Editor: Escrit'orio Editora
Edição ou reimpressão: maio de 2014
Portes
Grátis
10%
13,95€
Poupe 1,40€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

"Apetecer" é um verbo demasiado leviano nestes tempos em que tudo tem de ser justificado, cada decisão deve ser fundamentada por uma data de estudos e previsões. Apetece-me uma coisa qualquer e vem logo um especialista com as suas opiniões sustentadas. Veja lá bem, pense duas, três, quatro vezes. Pior do que tudo, por me apetecer entro na categoria dos Tipos a Quem Apetece Esse Tipo de Coisa. Chegou a altura de ir para as janelas gritar que há estudos a mais. Ou por outra: os estudos são mais do que as mães e, tal como as mães, às vezes podem ser muito chatos.
Quero acreditar que Gaudi desenhou a Sagrada Família porque lhe apeteceu. Que Fernando Pessoa escreveu o poema Tabacaria porque lhe apeteceu. Que Deus, se existir (se calhar não lhe apetece existir, está no seu direito), criou o mundo e o Homem porque lhe apeteceu. Porque lhe deu na telha. E nada nem ninguém - nenhum estudo e nenhum especialista - tem alguma coisa a ver com isso.

Excertos
«“Vou Emigrar para o Meu País” é um livro que reúne o meu pensamento e o meu sentimento sobre vários tópicos e assuntos sobre os quais tenho escrito e publicado ao longo dos anos. A escolha dos textos, que numa primeira fase eram muitos, foi feita pelo jornalista João Pombeiro.
É um ensaio em fragmentos com reflexões sobre Portugal e os portugueses, os nossos costumes, as nossas virtudes e os nossos defeitos. Mas também é uma consagração de paixões várias – como a literatura, a filosofia e a música. E um modo próprio de tratar a natureza humana, nos seus dados, nas suas miragens e nos seus medos.
Dizem-me que tem esperança, que tem zanga, que tem humor, que tem poesia, que tem crença, que tem ironia, que tem utopia, que tem nostalgia. Se tem isso tudo é porque isso tudo faz parte da minha programação. Não tirei nenhuma dessas licenciaturas.
Um das minhas obsessões – e, como Nelson Rodrigues, dou-lhes de comer todos os dias – é a de fazer conviver a “alta cultura” com o rádio de casa de banho. Grandes obras literárias e visitas à mercearia. Faço-o intencionalmente? Não. É uma forma de respirar. A Dona Lurdes, Claudio Magris, Herman José, Bernardo Soares, Fernando Lopes, Giorgio Agamben, o Senhor Justino estão juntos neste volume. Porquê? Porque todos me disseram alguma coisa nalgum momento da minha vida.
O título é uma forma de declaração de amor a Portugal. Não sou patriota. Amo o meu país, que é algo diferente. E por isso tanto o mimo com as melhores palavras que consigo encontrar no dicionário como me meto com ele e com os portugueses. Por vezes pode parecer que me coloco de fora da categoria mas quando critico os portugueses sinto que me estou a criticar também. A pôr-me em jogo, se quiserem.
A ideia de emigrar para o meu país parte da sensação frequente de que, neste momento, não habito o meu país. É uma maneira de dizer que não me reconheço no clima que vou sentindo, no qual há demasiadas pessoas que não vivem com dignidade, que muitos emigraram e queriam ficar, que há muito egoísmo e frieza - nos prédios, nas estradas, nos escritórios - entre gente que se diz quente e latina. É uma forma de afirmar que acredito no “país possível”, expressão feliz de um poeta - que me marca desde os 18 anos e que tenho perseguido num trabalho biográfico - chamado Ruy Belo.
O subtítulo do livro é “Crónicas do Marginal Ameno”. Roubei a expressão “Marginal Ameno” ao poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade e vem num texto que define com felicidade a condição de cronista. O cronista não representa nenhuma instituição ou nenhum partido. Representa-se a si próprio – na sua contingência, nos seus humores. Não tem a obrigação de escrever sobre nada e tem a liberdade de escrever sobre tudo. Em vez de doutrinar ou orientar, escreve para conversar com os leitores.»
Nuno Costa Santos, no Prefácio

Vou Emigrar para o meu País
ISBN: 9789898507419 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Escrit'orio Editora Idioma: Português Dimensões: 144 x 208 x 9 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 160 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Crónicas

Sugestões

Até ao Mar Azul
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
18,80€
Contraponto Editores
Penas de Pato
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,90€
Companhia das Letras
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.