Bertrand.pt - Uma Breve História de Tudo

Uma Breve História de Tudo

de Ken Wilber 

Editor: Via Optima
Edição ou reimpressão: abril de 2004
24H
Portes
Grátis
10%
19,69€
Poupe 1,97€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

"O título deste livro é enganadoramente ligeiro. Uma Breve História de Tudo cumpre mesmo o que promete".
do Prefácio de Jim Schwartz

Uma Breve História de Tudo é uma incursão apaixonante, acessível e prática pela história da consciência. Ken Wilber analisa o curso da evolução enquanto manifestação reveladora do Espírito, desde a matéria (o cosmos) à vida (a biosfera) e à mente (a consciência humana), incluindo os estádios mais avançados da evolução espiritual, quando o Espírito adquire consciência de si próprio. Segundo o autor, em cada um destes domínios da evolução existem padrões recorrentes, os quais, sujeitos a análise atenta, nos permitem aprender muito sobre a situação difícil que atravessa o nosso mundo e a direcção que a humanidade deve tomar se pretender que a transformação global se torne realidade.
Creditado com o desenvolvimento de uma teoria do campo unificado da consciência - uma síntese e interpretação das grandes tradições psicológicas, filosóficas e espirituais do mundo -, Ken Wilber é talvez o filósofo mais abrangente do nosso tempo.

Críticas de imprensa
"O livro de Ken Wilber - pensador irreverente, filósofo audacioso e um dos pais da psicologia transpessoal - é uma autêntica caixinha de surpresas. Alguns considerá-lo-ão um perfeito delírio, outros apenas demasiado especulativo (estilo miscelânea New Age), mas haverá quem lhe impute algumas ou até bastantes virtudes. O objectivo da obra não podia ser mais ambicioso: denunciar a 'crise ontológica' (mais do que espiritual) da pós-modernidade e traçar uma história da conscência e do desenvolvimento humano, reequacionando-os à luz das grandes sagezas e psicologias religiosas (sobretudo orientais) e das contribuições das várias ciências (ditas ocidentais), numa ousada tentativa de os resgatar dos seus (estreitos) limites biológicos e sociais. Houve mesmo quem dissesse, não sem humor, que ele contribuiu decisivamente para juntar à mesma mesa e em séria cavaqueira Freud e Buda, reforçando de modo pouco ortodoxo o indispensável diálogo entre as sabedorias e saberes do Oriente e do Ocidente. Embora tal tentativa não seja nova (e o livro peque pela redundância) e Wilber transmita aos leitores (involuntariamente?) a desagradável sensação de que estão a saborear a obra de um dos maiores génios da humanidade, 'Uma Breve História de Tudo' vale a pena ser lido".
Vítor Quelhas, Suplemento Cartaz, Expresso, 27/7/2002

Excertos
Seja qual for a forma de ocorrência destas extraordinárias transformações que concebamos, a verdade é que é inegável que elas sucederam de facto. Assim, muitos teóricos, como Erich Jantosch, referem-se simplesmente à evolução como "auto-realização através da autotranscendência". A evolução é um processo estonteantemente autotranscendente: possui a capacidade absolutamente espantosa de passar para além do que havia antes. Deste modo, a evolução é, em parte, um processo de transcendência, que incorpora o que havia antes e, depois, acrescenta-lhe componentes incrivelmente novos. A pulsão para a autotranscendência encontra-se, portanto, embutida no próprio tecido do Kosmos.
(...)
Mas, em alguns aspectos, a racionalidade e a indústria, deixadas a si mesmas, tornaram-se cancros da organização política, excrescências rebeldes que têm efeitos malignos. Ultrapassam os seus limites, excedem as suas funções e erram em direcção a várias hierarquias de dominação de tipos diversos. Transcender a modernidade é recusar ou limitar estas facetas de poder abusivo, ao mesmo tempo que se inclui os aspectos benignos e favoráveis. A transformação que se avizinha transcenderá e incluirá estas características da modernidade, incorporando os seus aspectos essenciais e limitando o seu poder.
(...)
Quando se é absolutamente verdadeiro consigo próprio, acabar-se-á por compreender e confessar que se é Buda, Espírito. Afirmar menos do que isso seria mentir, a mentira do ego, a mentira do sentido do eu separado, a contracção perante o infinito. Os recessos mais profundos da nossa consciência interceptam directamente o próprio Espírito, na identidade suprema. "Não sou eu, mas Cristo, quem vive em mim" - ou seja, o Eu absoluto é Cristo. Este não é um estado inédito, mas, simplesmente, um estado intemporal que se reconhece e confessa - é-se absolutamente verdadeiro quando se afirma: "Sou Buda", a Beleza absoluta.
(...)
Então, as pessoas podem ter experiências espirituais e experiências culminantes, mas, ainda assim, é necessário que transportem essas experiências na sua própria estrutura. Ainda assim, é necessário que cresçam e se desenvolvam até ao ponto em que conseguirão, realmente, integrar a profundidade oferecida pelas experiências culminantes. Ainda assim, é necessário que vão de bolota a carvalho, se pretenderem uma unidade com a floresta.
(...)
Esta é uma alma para a qual todos os desejos se tornaram magros, pálidos e anémicos. Esta é uma alma que, ao enfrentar directamente a existência, está completamente farta dela. Esta é uma alma para a qual o pessoal se tornou completamente plano. Esta é, por outras palavras, uma alma no limiar do transpessoal.
(...)
Este "discernimento espiritual" é o núcleo dos movimentos eco-româncticos, então e agora. Contudo, este "discernimento" não é realmente espiritual num sentido profundo: é uma interpretação completamente formulada no interior dos requisitos secretos da grelha industrial. É, simplesmente, uma das muitas estratégias ocultas que a grelha Descendente moderna utiliza para se defender de qualquer espiritualidade genuína. É um mecanismo de defesa de uma mundividência que deseja manter a mentira infame que afirma que só a natureza finita é real. Para isso, tem de apresentar esta natureza como sendo o Espírito, e tem de apresentar tudo o que se desvie da natureza como sendo o Demónio.
(...)
Infelizmente, a maioria das pessoas encontra-se ainda nos modos de consciência pré-convencional e convencional - egocêntrico e etnocêntrico. Nenhum mapa de sistemas, nenhuma internet, alterará isto automaticamente. Nem sequer um mapa holístico global, ou uma Internet global, irá promover a transformação interior; frequentemente, passa-se o oposto: contribui para a paragem ou mesmo para a regressão. Quando se apresenta meios mundocêntricos a indivíduos em estádios anteriores ao mundocêntrico, esses meios são simplesmente usados (e abusados) para a promoção da acção do indivíduo no estádio anterior ao mundocênctrico. Os nazis teriam adorado a Net.
(...)
E, assim, subitamente, deixamos de estar no corpo-mente. Subitamente, o corpo-mente caiu. Subitamente, o vento não sopra na nossa cara; sopra através da nossa cara, dentro da nossa cara. Não estamos a olhar para a montanha; somos a montanha - a montanha está mais próxima de nós do que a nossa prórpia pele. Somos aquilo e não há nós - apenas toda esta revelação luminosa que surge espontaneamente de momento a momento. O eu separado não se encontra em lado nenhum.
(...)
E, lembra-se? Ali, no Coração, onde o casal se une finalmente, e nós estamos exactamente onde estávamos antes do início de todo o espectáculo. Com um choque súbito pelo absolutamente óbvio, reconhecemos o nosso Rosto Original, o rosto que possuíamos antes do Big Bang, o Rosto do Vazio puro que sorri enquanto toda a criação e canta enquanto todo o Kosmos - tudo se desfaz nesse olhar primitivo, e tudo o que resta é o sorriso e o reflexo da lua num lago tranquilo, muito tarde, numa noite clara como cristal.

Uma Breve História de Tudo
ISBN: 9789729360176 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Via Optima Idioma: Português Dimensões: 140 x 209 x 18 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 328 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Desenvolvimento Pessoal e Espiritual  >  Esoterismo
Livros  >  Livros em Português  >  Desenvolvimento Pessoal e Espiritual  >  Ocultismo

Sugestões

O Monge Que Vendeu o Seu Ferrari
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,00€
Pergaminho
A Bíblia do Tarot
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
19,99€
Nascente
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.