Bertrand.pt - Pequeno Milagre e Outros Ensaios

Pequeno Milagre e Outros Ensaios

de Barbara Kingsolver 

Editor: Sinais de Fogo Publicações
Edição ou reimpressão: abril de 2005
Portes
Grátis
20%
5,00€
4,00€
Envio até 4 dias
portes grátis

No seguimento dos atentados que enlutaram os Estados Unidos, Barbara Kingsolver, bióloga de formação, romancista de grande talento e activista dos direitos humanos, convida-nos a reflectir sobre as práticas das nações mais ricas, a sua quota de responsabilidade no actual desgoverno do planeta e, mais genericamente, sobre todos os tesouros naturais que o homem está em vias de destruir. De forma clara sensível e muitas vezes divertida, interroga-se sobre a noção de felicidade, o valor da vida e sobre a responsabilidade que cabe a cada um de nós individualmente - e aos países colectivamente - na manutenção da paz e do futuro do planeta. O resultado é esta obra, um verdadeiro pequeno milagre de coragem, ternura e extrema sensibilidade. Quer ela esteja a contemplar o Grand Canyon, a sua horta, a maternidade, a adolescência, a engenharia genética, o hábito de ver TV, a historia dos direitos civis, ou uma nação fundada no melhor de todos os impulsos humanos, estes ensaios assentam na convicção da autora de que os nossos maiores problemas se desenvolveram tanto a partir dos cantos mais remotos da Terra como dos nossos próprios jardins, e de que as respostas também podem estar nestes lugares.

Por vezes num tom grave, outras de maneira hilariante, mas sempre persuasivo, Pequeno Milagre e Outros Ensaios é uma análise esperançosa daquilo que somos e daquilo que podemos fazer de nós.

Excertos

(…) Parece bizarro que uma dedicação firme à paz e ao lado bom da vida possa atrair uma ira violenta, mas atrai. Pensem em Gandhi, em Martin Luther King. Eu sou apenas uma gota neste rio de lágrimas e crença. Por vezes o meu coração fica preso na garganta e eu tenho de parar por um segundo com a mão na maçaneta de uma porta ou no metal frio de uma chave, reunir no meu coração a misericórdia de tudo aquilo em que temos de acreditar, e dizer a minha própria oração por todos nós - que encontremos o caminho através de cada hora das nossas vidas que tenham sido dignas da missão. (…)

(…) Espera-se que nós alinhemos neste plano, em que as pessoas perdem guerras e as empresas vencem-nas - os construtores de mísseis, as empresas mineiras, os magnatas do petróleo, e isso é só o que está à vista -, e uma pessoa pequena como eu não devia atrever-se a ser tão insolente ao ponto de sugerir um momento de pausa para rever o monstruoso desperdício humano de um ciclo interminável de retaliação violenta. Bom, eu estou a atrever-me. Li que alguns dos mísseis que estamos a usar (no dia deste escrito) contra o nosso inimigo actual - um dos países mais pobres do mundo - custam um milhão de dólares cada um. Perdoem a ultrajante sugestão, mas alguém já considerou mandar o dinheiro aos civis inocentes para que eles possam acabar com a desprezível tirania no seu seio e salvar toda a gente de uma enorme limpeza? Os grupos de pessoas tendem a juntar-se a cultos de raiva e vingança apenas quando estão desesperados. A História mostra que as populações com comida na barriga, capacidades de alfabetismo (incluindo nas mulheres), acesso à informação e imunidade contra as doenças mais importantes não toleram por muito tempo o martírio dos congéneres dos senhores da guerra talibãs ou de Saddam Hussein. E se esses cidadãos não nos estivessem totalmente gratos pela nossa ajuda na sua libertação, na pior das hipóteses eles poderiam apenas esquecer-se de nós - ao passo que a nossa actual estratégia de afirmar a predominância com bombas está a libertar alguns mas a matar de fome outros, fazendo com que milhões procurem refúgio em montanhas rochosas cobertas de neve e, em última instância, a semear dentes de dragão de inesquecível inimizade sobre o solo de mais um deserto. A arrogância é uma arma dúbia - de qualquer maneira, um prato de acompanhamento inadequado para servir com uma guerra. (…)

(…) Não consigo imaginar como é que alguém, criança ou adulto, consegue estar sentado imóvel durante as três horas e quarenta e seis minutos que compõem a nossa média nacional de audiência televisiva. Para mim, estar sentada imóvel é provavelmente a parte mais difícil da premissa. Lutei toda a minha vida com uma impaciência constitucional contra qualquer coisa que ameaçasse gastar o que resta dos meus minutos aqui na terra. Começo a ficar inquieta em qualquer reunião da comunidade em que o primeiro tópico da ordem de trabalhos seja discutir e votar a ordem dos outros tópicos da ordem de trabalhos; tenho de fazer discretas posições de relaxamento de ioga na minha cadeira para não gritar: «Ei, minha gente, a vida é curta!» (…)

(…) Parece bizarro que uma dedicação firme à paz e ao lado bom da vida possa atrair uma ira violenta, mas atrai. Pensem em Gandhi, em Martin Luther King. Eu sou apenas uma gota neste rio de lágrimas e crença. Por vezes o meu coração fica preso na garganta e eu tenho de parar por um segundo com a mão na maçaneta de uma porta ou no metal frio de uma chave, reunir no meu coração a misericórdia de tudo aquilo em que temos de acreditar, e dizer a minha própria oração por todos nós - que encontremos o caminho através de cada hora das nossas vidas que tenham sido dignas da missão. (…)

(…) Espera-se que nós alinhemos neste plano, em que as pessoas perdem guerras e as empresas vencem-nas - os construtores de mísseis, as empresas mineiras, os magnatas do petróleo, e isso é só o que está à vista -, e uma pessoa pequena como eu não devia atrever-se a ser tão insolente ao ponto de sugerir um momento de pausa para rever o monstruoso desperdício humano de um ciclo interminável de retaliação violenta. Bom, eu estou a atrever-me. Li que alguns dos mísseis que estamos a usar (no dia deste escrito) contra o nosso inimigo actual - um dos países mais pobres do mundo - custam um milhão de dólares cada um. Perdoem a ultrajante sugestão, mas alguém já considerou mandar o dinheiro aos civis inocentes para que eles possam acabar com a desprezível tirania no seu seio e salvar toda a gente de uma enorme limpeza? Os grupos de pessoas tendem a juntar-se a cultos de raiva e vingança apenas quando estão desesperados. A História mostra que as populações com comida na barriga, capacidades de alfabetismo (incluindo nas mulheres), acesso à informação e imunidade contra as doenças mais importantes não toleram por muito tempo o martírio dos congéneres dos senhores da guerra talibãs ou de Saddam Hussein. E se esses cidadãos não nos estivessem totalmente gratos pela nossa ajuda na sua libertação, na pior das hipóteses eles poderiam apenas esquecer-se de nós - ao passo que a nossa actual estratégia de afirmar a predominância com bombas está a libertar alguns mas a matar de fome outros, fazendo com que milhões procurem refúgio em montanhas rochosas cobertas de neve e, em última instância, a semear dentes de dragão de inesquecível inimizade sobre o solo de mais um deserto. A arrogância é uma arma dúbia - de qualquer maneira, um prato de acompanhamento inadequado para servir com uma guerra. (…)

(…) Não consigo imaginar como é que alguém, criança ou adulto, consegue estar sentado imóvel durante as três horas e quarenta e seis minutos que compõem a nossa média nacional de audiência televisiva. Para mim, estar sentada imóvel é provavelmente a parte mais difícil da premissa. Lutei toda a minha vida com uma impaciência constitucional contra qualquer coisa que ameaçasse gastar o que resta dos meus minutos aqui na terra. Começo a ficar inquieta em qualquer reunião da comunidade em que o primeiro tópico da ordem de trabalhos seja discutir e votar a ordem dos outros tópicos da ordem de trabalhos; tenho de fazer discretas posições de relaxamento de ioga na minha cadeira para não gritar: «Ei, minha gente, a vida é curta!» (…)

Pequeno Milagre e Outros Ensaios
ISBN: 9789728541651 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Sinais de Fogo Publicações Idioma: Português Dimensões: 138 x 207 x 19 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 298 Tipo de Produto: Livro Coleção: Outro Olhar Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Ensaios

Sugestões

Homo Deus - História Breve do Amanhã
20%
portes grátis
21,98€ 17,58€
Elsinore
Volta a Portugal
20%
portes grátis
19,90€ 15,92€
Edições Contraponto
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.