Bertrand.pt - Novo Regime do Arrendamento Urbano

Novo Regime do Arrendamento Urbano

1.ª Edição

de José António de França Pitão 

Editor: Edições Almedina
Edição ou reimpressão: outubro de 2006
46,44€
Esgotado ou não disponível.

A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano {NRAU), pondo, assim, termo a quase dezasseis anos de vigência do Regime do Arrendamento Urbano (RAU), que havia sido aprovado pelo Decreto-Lei n.º 321-B/90 de 15 de Outubro, e posteriormente alterado por várias vezes.
A nova Lei estabelece regras quanto à actualização (extraordinária) de rendas, estabelecendo-se critérios para o cálculo do valor do locado. Por outro lado, altera o leque de oportunidades do senhorio em conseguir o despejo do imóvel, por via extrajudicial ou judicial, tendo ainda reposto e alterado vários preceitos do Código Civil, em matéria de locação.
No presente trabalho propomo-nos anotar os vários preceitos do NRAU, bem como os do Código Civil, entretanto republicados, com indicação, sempre que oportuno, da legislação complementar e subsidiária, jurisprudência e anotações doutrinais, que, pensamos, ajudarão o prático do direito a melhor interpretar e compreender o alcance da nova legislação, procedendo à sua aplicação de forma mais correcta.

Prefácio

A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), pondo, assim, termo a quase dezasseis anos de vigência do Regime do Arrendamento Urbano (RAU), que havia sido aprovado pelo Decreto-Lei n.º 321-B/90 de 15 de Outubro, e posteriormente alterado por várias vezes.
Contudo, apesar da revogação expressa do RAU, constante do artigo 60.º da Lei n.º 6/2006, a verdade é que este preceito ressalva a continuação da vigência do anterior diploma nas matérias previstas nos artigos 26.° e 28.º da nova Lei, ou seja, as matérias aí referidas atinentes quer a contratos habitacionais celebrados na vigência do regime do arrendamento urbano e contratos não habitacionais celebrados depois do Decreto-Lei n.º 257/95, de 30 de Setembro, quer os contratos habitacionais celebrados antes da vigência do RAU e contratos não habitacionais celebrados antes do Decreto-Lei n.º 257/95, de 30 de Setembro.
A nova Lei pretendeu, sobretudo, estabelecer regras quanto à possibilidade de actualização (extraordinária) de rendas, a qual se encontrava "congelada" há vários anos, fazendo-a contudo depender do estado de conservação do imóvel arrendado, estabelecendo-se critérios para o cálculo do valor do locado. Assim, se por um lado, se protege o senhorio, no sentido de obter uma retribuição mais justa pela cedência do gozo do imóvel, também se protege o arrendatário, que poderá exigir, de forma mais eficaz, a realização de obras de conservação ou recuperação do locado, em conjugação com vária legislação extravagante já em vigor.
Por outro lado, alterou-se significativamente o leque de oportunidades do senhorio cm conseguir o despejo do imóvel, por via extrajudicial ou judicial, e, quanto a esta, com o recurso a acção comum, como resulta dos artigos 14.° e 15.° do NRAU.
Disciplinaram-se as formas de comunicações entre senhorios e arrendatários, com vista a uma maior segurança nas relações entre ambos, o que é de louvar, na medida em que a prova da prática de determinado acto (assim como a prova do próprio contrato, hoje necessariamente reduzido a escrito) torna-se quase inequívoca.
Finalmente, o legislador aproveitou para "repor" vários preceitos do Código Civil, em matéria de locação, alterando ainda a redacção de alguns dos que ainda se encontravam em vigor.
No presente trabalho propomo-nos anotar os vários preceitos do NRAU, bem como os do Código Civil, entretanto republicados, com indicação, sempre que oportuno, da legislação complementar, jurisprudência (alguma meramente indiciaria) e anotações doutrinais, que, pensamos, ajudarão o prático do direito a melhor interpretar e compreender o alcance da nova legislação, podendo proceder à sua aplicação de forma mais correcta.
Dado o espírito iminentemente prático deste trabalho, deixamos em aberto, no fim das anotações a cada preceito, um espaço para notas pessoais, por forma a tornar este livro num verdadeiro instrumento pessoal de trabalho. Como não podia deixar de ser, introduz-se na Parte III, toda a nova legislação complementar a que faz referência a nova Lei, bem como, na Parte IV, vária legislação subsidiária, também com interesse prático para a resolução de todas as questões relacionadas com o instituto do arrendamento.
Esperamos que o nosso objectivo - ajudar o prático do direito nesta área - tenha sido conseguido.
Funchal, Agosto de 2006
França Pitão

Parte I
Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU)

Parte II
Locação (Artigos 1022.º a 1113.º do Código Civil)

Parte III Legislação Complementar do NRAU

Parte IV
Anexos (Legislação Revogada e Legislação Subsidiária do NRAU)

Novo Regime do Arrendamento Urbano
1.ª Edição
ISBN: 9789724029559 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Edições Almedina Idioma: Português Dimensões: 160 x 230 x 55 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 1134 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Direito  >  Direito Civil

Sugestões

Código Civil - Edição Académica
9,90€
Porto Editora
Novo Código de Processo Civil
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
22,90€
Porto Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.