Bertrand.pt - As Benevolentes

As Benevolentes

de Jonathan Littell 

Editor: Dom Quixote
Edição ou reimpressão: julho de 2017
Formatos Disponíveis:
Portes
Grátis
10%
27,70€
Poupe 2,77€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis


As Benevolentes é uma epopeia de um ser arrastado pelo seu próprio percurso e pela História.

As Benevolentes são as memórias de Maximilien Aue, um ex-oficial nazi, alemão de origens francesas que participa em momentos sombrios da recente história mundial: a execução dos judeus, as batalhas na frente de Estalinegrado, a organização dos campos de concentração, até a derrocada final da Alemanha. Uma confissão sem arrependimento das desumanidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial, que provoca uma reflexão original e desafiadora das razões que levam o homem a cometer o mal.
Este romance vai buscar o título à mitologia grega - as Erínias, deusas perseguidoras, vingadoras e secretas, também conhecidas por Eumênides ou Benevolentes.

Críticas de imprensa

«(...) este não é um livro de análise histórica sobre o nazismo, e sim um romance - um épico monumental, diga-se - que reflecte sobre o papel do carrasco, a sua relação com as ordens dadas e o modo como as aceita.»
Sara Figueiredo da Costa

«Um livro sobre o século XX e sobre o mal absoluto.»
Alexandra Lucas Coelho, Público

«Uma obra de ficção monumental sobre a Alemanha nazi.»
Expresso

«O melhor do livro são as reflexões de natureza subjectiva em tudo quanto tenha que ver com o modo como o narrador observa os contemporâneos e "pensa" a Solução Final sem qualquer tipo de escrúpulo. Não há leis raciais na Ucrânia? Então utilizam-se critérios religiosos... Grande parte dos raciocínios é de natureza heterodoxa, e não me espanta que um marxista se sinta ofendido com as analogias entre o comunismo e a Volksgemeinschaft. A questão do grau de culpa do povo alemão tem contributos decisivos. Um passatempo dos soldados era fotografar as execuções e enviar esses retratos à família. Quanto ao cinismo da opinião pública: "É notável a que ponto as pessoas estão bem informadas dos pretensos segredos, como o programa de eutanásia, a destruição dos judeus [...] o gás, tudo."»
Eduardo Pitta, Público

«As "memórias" de uma antigo oficial nazi são o pretexto para Jonathan Littell "reconstruir" os derradeiros passos do regime de Hitler - para o Leste onde se atafulhou e perdeu -, recortando, vistos a partir do lado "deles" (...), os perfis de homens do regime tal como eles existiram ou como o autor os ficcionou. As Benevolentes também é um imenso livro de História onde se surpreende a esquizofrénica burocracia do III Reich, algo que a Fest apelidou de "improvisação organizada", já a caminho do seu fulgurante crepúsculo. (...)
No texto de Littell revela-se como o bem e o mal se misturam nas peripécias de uma vida pessoal e de uma narrativa colectiva sem que isso lhe confira um estatuto de fatalidade dentro da fatalidade que efectivamente foi. Revela-se como a ficção da realidade - a realidade e a ficção que coincidiam no III Reich - pode ser "ultrapassada" através de um passeio numa paisagem paradisíaca que deixou para trás o cheiro fétido de cadáveres ou o estampido de uma arma disparada contar a nuca anónima. Littell entendeu bem o que Arendt quis significar com a expressão "banalidade do mal" a propósito do julgamento de Eichmann em Jerusalém. A leitura mais simplista exclamaria: "Lê-se e não se acredita." Ora a "tese" de As Benevolentes é justamente a contrária. Lê-se e acredita-se e eu, narrador, acreditava especialmente.
Por que é que As Benevolentes arrisca ser simultaneamente um dos grandes momentos da literatura contemporânea e uma tragédia clássica? Enterrado o fantasma do "novo romance" e Littell emerge como o novo "mestre da suspeita". O respeitável oficial da SS que nos explica a sua vida e a tenta perceber é, no desalinho dessa "história" cruel, revista, corrigida e aumentada, o deus sem fé que se esconde no coração do homem vazio de hoje. Crê-se, afinal, um justo nos antípodas do personagem da peça de Camus. Quem de entre nós, poderá atirar a primeira pedra?»
João Gonçalves, Revista Ler

As Benevolentes
ISBN: 9789722033046 Ano de edição ou reimpressão: 07-2017 Editor: Dom Quixote Idioma: Português Dimensões: 153 x 233 x 57 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 896 Tipo de Produto: Livro Coleção: Ficção Universal Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Romance

Sugestões

Noites de Sexta-feira
17,70€
Porto Editora
Foi Sem Querer Que Te Quis
10%
portes grátis
15,50€ 13,95€
Manuscrito Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.