Bertrand.pt - Quarta-Feira de Cinzas

Quarta-Feira de Cinzas

de T. S. Eliot 

Prémio Nobel da Literatura
Editor: Relógio D'Água
Edição ou reimpressão: abril de 1998
Portes
Grátis
20%
7,55€
6,04€
Envio até 10 dias
portes grátis

Thomas Stearns Eliot nasceu a 26 de Setembro de 1888 em Saint-Louis, Missouri, descendente de imigrantes ingleses. Quando morreu em Londres, em Janeiro de 1965, era reconhecido como um dos mais influentes poetas, dramaturgos e críticos modernos. T. S. Eliot formou-se em Harvard e prosseguiu estudos superiores na Sorbonne, na Alemanha e em Oxford. Entre 1906 e 1911, escreveu o melhor da sua poesia juvenil. Em 1914 encontrou, em Londres, Ezra Pound que o encorajou a escrever mais e a publicar. No ano seguinte, estreia-se na revista Poetry, onde sairia The Love Song of J. Alfred Prufrock. Foi também em 1915 que casou com Vivienne Haigh-Wood e se fixou na capital inglesa dando aulas no ensino secundário. É nessa época que conhece Clive Bell que o apresenta aos membros do Bloomsbury Group. Em 1917, torna-se director da Egoist. Emprega-se até 1925 no Lloyds Bank, aproveitando o tempo livre para escrever diversos ensaios e dirigir, sem remuneração, a revista Criterion. Em 1922, atinge a celebridade com a publicação de The Waste Land. Ao sair do Lloyds, torna-se director de uma editora, a Faber and Gwyer, hoje Faber & Faber. Pouco depois converte-se ao anglicanismo e em 1927 torna-se cidadão britânico. Quando recebe o Nobel em 1947, publicara já os Collected Poems (1936), que o haviam consagrado. Os 433 versos de The Waste Land, Ash-Wednesday (1930), Four Quartets (1935 a 1942) e algumas dezenas de breves composições épico-líricas formam o essencial da obra poética de Eliot o que, em concisão, só tem, na Europa, paralelo em Gottfried Benn. De resto, a originalidade de Eliot parece estar aí, em apenas ter escrito depois de uma profunda acumulação interior. Mas ao contrário daqueles que como Rilke reduziram, em grande parte, a criação ao momento da contemplação, à elegia, Eliot recorre também à ironia e ao sarcasmo. Como disse Engénio Montale: «Eliot chega muitas vezes ao canto a partir do recitativo, ao tom elevado a partir do mais coloquial. É sobretudo um poeta-músico; e não é nunca ou quase nunca (como o era Valéry e o foi muitas vezes Rilke) um neo-clássico. Esta é a sua maior modernidade.»

Quarta-Feira de Cinzas
ISBN: 9789727083831 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Relógio D'Água Idioma: Português Dimensões: 139 x 210 x 2 mm Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Poesia
20%
portes grátis
44,00€ 35,20€
Assírio & Alvim
Horto de Incêndio
20%
portes grátis
12,20€ 9,76€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.