Não se Brinca com o Amor seguido de Os Caprichos da Marianne

de Alfred de Musset 

Bertrand.pt - Não se Brinca com o Amor seguido de Os Caprichos da Marianne
Editor: Cotovia
Edição: dezembro de 2011
3,00€
Esgotado ou não disponível

Alfred de Musset escreveu Não se brinca com o Amor pouco antes de Lorenzaccio, depois do seu regresso de Itália, da sua doença, da sua primeira ruptura com George Sand. Renunciava ao grande público? Esperava ser reconhecido como autor dramático pelo público restrito dos salões? Todavia, Não se brinca com o Amor não tem nada de pequena peça simples e fácil. Musset transforma o género. Transporta para ele o seu sentido do grande teatro, e a sua experiência. O «provérbio» torna-se uma comédia, misturada com uma tragédia amorosa sem que as duas se confundam, e que termina com três mortes: a de uma rapariga, a de dois corações.

Ninon, Ninette ou Déidamia eram «verdadeiras raparigas», que só existiam pelas suas ingenuidades, esboços um tanto pálidos. Camille, Não se brinca com o Amor, é uma rapariga verdadeira, como a pode encontrar o noivo ou o sedutor possível. Teve uma educação religiosa que a deformou. Cultivaram-lhe o orgulho; ensinaram-lhe a ter medo dos homens, a ver impureza em todo o desejo amoroso. Perdican quer pegar-lhe na mão. «Não gosto de toques» exclama Camille. Linguagem clerical. Mas falaram-lhe do amor tal como ele é. Julga-se informada e até certo ponto está. O casamento e o amor tentam-na; precisamente, só vê neles uma «tentação». O sentido do ideal e o sentido do absoluto servem-lhe para recusar a vida que se lhe oferece.

Perdican, o seu primo, belo, jovem, apaixonado, espirituoso, deverá casar-se com ela. Ela recusa-o; mas - contradição! - queria também que ele a amasse, e partir deixando-o desesperado. Só quer deixar a vida depois de ter experimentado o seu poder. Magoado, mais apaixonado por Camille do que a si mesmo confessa, Perdican procura uma distracção, uma vingança e outro amor. Faz a corte, diante de Camille, à linda Rosette, uma rapariga da aldeia. Encarna assim - diante de nós - um papel. Também ele usa uma máscara, e toma uma atitude meia verdadeira, meia fingida. Porque as declarações que faz a Rosette não são inteiramente falsas; ela agrada-lhe, é bonita, foram criados juntos; há recordações comuns que os enternecem. No entanto, Perdican aproxima-se de Rosette por despeito; e para ele ela não é senão um meio para se vingar e humilhar Camille. Perdican e Camille perdem-se na batalha subtil entre os seus orgulhos feridos; esta seria apenas uma comédia um pouco amarga, se estes carrascos inconscientes (e carrascos de si mesmos!) não sacrificassem aos seus complicados jogos uma vítima: a doce, a inocente, a sincera e simples Rosette, a que não joga. A sua morte separa para sempre Perdican e Camille. Ela restitui ao amor a grandeza trágica: a autenticidade.
As personagens formam uma constelação móvel e organizada. Três grotescas, o Mestre Blazius e a Senhora Pluche, o preceptor e a preceptora, semelhantes (devotos, intriguistas) e diferentes (um, bêbado e pedante; a outra, seca e hipócrita); e, em destaque, acima deste par burlesco, na sua glória patriarcal e feudal igualmente burlesca, o Barão. Ao fundo, personagem episódica, ridícula também - em Musset, os padres são todos odiosos ou ridículos, e isso nunca foi perdoado ao seu teatro - o pároco da aldeia: o Mestre Bridaine.

Três apaixonados: Perdican, Camille, Rosette, esta dominando os outros dois, mais simples, mais verdadeira.

As relações entre estas personagens estabelecem-se de forma a arrancar a cada uma a sua máscara e o seu segredo, a obrigá-la a mostrar o seu verdadeiro rosto. A peça começa diante de nós por uma situação nova. Terminados os estudos, Perdican regressa à aldeia de que seu pai, o Barão, é o senhor (estamos no século XVIII, ou seja em plena «restauração» dos feudais, pormenor histórico importante). Camille fez na véspera dezoito anos; acaba de sair do convento e aspira a voltar para lá. Os dois primos reencontram-se; e há entre eles, como entre Perdican e Rosette, recordações e pontos comuns suficientes para que possam comunicar, portanto defrontar-se. Os três jovens são-nos apresentados, mas não como personalidades preexistentes, ou condições sociais, bem definidas. Eles começam a viver diante de nós. Assim, a situação em nada é exterior às «personagens» e às suas relações, à «intriga». Tudo se explica racionalmente, se justifica, se expõe em toda a transparência e lucidez. Mesmo e sobretudo as confusões do coração, ou as partes confusas do coração!

Para Camille, o seu primo Perdican é o mundo real, os homens como eles são, a vida que viu de longe com medo, e que a tenta, e de que quer fugir lutando contra si mesma. Para Perdican, a sua prima é também o mundo real, o casamento, a família, o fim da sua vida artificial de «jovem», o fim dos amores fáceis; para ele, a princípio um tanto cínico, é a possibilidade do amor verdadeiro. Finalmente, para os dois, cuja «individualidade» foi cultivada, deformada, tornada contraditória, Rosette representa a natureza.

Todas as contradições interiores ou exteriores vêm pois manifestar-se na tragédia amorosa. Aí se resumem, se simplificam, e aparecem dramaticamente, no plano da mais elevada consciência. A análise das relações entre o individual e o social em Musset, longe de nos confinar ao psicológico, ao moral, ou ao social - isoladamente - desvenda-nos pelo contrário a elaboração da obra. Como previsto. A partir do conteúdo, mostra a «tematização» e introduz-nos na forma e na técnica teatral específicas de Musset. (LEFÈVRE, Henri, Musset, Paris: L’Arche, 1970)

Não se Brinca com o Amor seguido de Os Caprichos da Marianne
ISBN:
9789727953233
Ano de edição:
12-2011
Editor:
Cotovia
Idioma:
Português
Dimensões:
128 x 203 x 8 mm
Páginas:
120
Tipo de Produto:
Livro

Quem comprou também comprou

Teatro Português do Século XVI - Tomo II
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
30,28€
INCM - Imprensa Nacional Casa da Moeda
Oxigénio
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
7,57€
Editora da Universidade do Porto
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.