Bertrand.pt - Ir Pró Maneta

Ir Pró Maneta

A Revolta Contra os Franceses (1808)

de Vasco Pulido Valente 

Editor: Alêtheia Editores
Edição ou reimpressão: novembro de 2007
13,00€
Esgotado ou não disponível.

A história das invasões francesas e de como nós lhes resistimos contada por Vasco Pulido Valente. Louis Henri Loison, o general maneta que participou nas primeiras invasões sob o comando de Junot, e que aterrorizou o Portugal criando a expressão popular «ir pró maneta» é aqui recordado por Vasco Pulido Valente neste ensaio que precede a reedição, com novo prefácio, de A Revolução Liberal (1834-1836), Os «Devoristas» (Alêtheia Editores, 2007) e Um Herói Português, Henrique Paiva Couceiro (1861-1944) (Alêtheia Editores, 2006).

Críticas de imprensa
«O que este livro deixa particularmente claro, superando na sua formulação o estrito descritivismo da velha história-narrativa, é que da tumultuosa situação criada pelo choque frontal da revolta popular com a intervenção do invasor - o qual deixaria estupefacto o próprio Junot («Que delírio é o vosso, portugueses?») -, acabou por resultar, após a transformação oportunista de muitos colaboracionistas em intransigentes, num reforço da velha ordem social. [... Um]livro absorvente.»
Rui Bebiano

O investigador Vasco Pulido Valente foi buscar a expressão popular «ir pró maneta», alusiva a um general napoleónico que participou nas invasões francesas, para intitular o seu novo livro, que apresenta quarta-feira.

«Ir pró maneta» tem a chancela da Alêtheia e é apresentado no Museu Militar, em Lisboa, pelo general Gabriel do Espírito santo.

Ao longo de 110 páginas, Pulido Valente faz o relato de como o povo - «pescadores, trabalhadores rurais, camponeses, oficiais mecânicos, e um ou outro comerciante pobre ou ínfimo empregado público», escreve - tomou a iniciativa de «libertar-se» do invasor napoleónico.

As revoltas eclodiram por todo o país, de Chaves, onde «romperam vozes de viva o príncipe regente [futuro D. João VI]», ao Algarve, onde houve «comoções violentas».

Um levantar de armas contra o ocupante mas também contra os «grandes e poderosos», refere Pulido Valente.

Para o povo, assinala o ensaísta, «o levantamento nacional confundiu-se invariavelmente com uma revolução, ou seja, com a liquidação brusca e violenta da ordem política vigente, sofressem os senhores o que sofressem».

Neste sentido, o autor sublinha que «os objectivos políticos [a expulsão das tropas estrangeiras] e os sociais apareceram indistintamente associados».

«Logo no início - escreve - a perseguição aos franceses e afrancesados forneceu o pretexto para o assalto, busca e saque de centenas de casas (...) pelo simples facto de pertencerem aos ricos e poderosos».

O estudo de Pulido Valente é essencialmente sobre o ano de 1808. É nesse ano, em Fevereiro, que o general francês Jean-Andoche Junot proclama que Portugal deixa de ser governado pela Casa Real de Bragança para o ser sob a ordem de Napoleão.

Salienta Pulido Valente que antes das tropas inglesas comandadas por Wellington desembarcarem em Portugal para, juntamente com o Exército português, expulsarem os franceses, «a revolta [do povo] libertara nove décimos do país» e é essa história que se propõe contar.

Vasco Pulido Valente tem vários livros publicados, além de colaborações regulares na imprensa. «A revolução liberal (1834-36)» e «Um herói português, Henrique Paiva Couceiro» são os seus títulos mais recentes, já com a chancela da Alêtheia Editores.

Louis Henri Loison, general dos Exércitos franceses que participou nas três invasões, ficou na memória popular e na história sobretudo pela sua total falta de escrúpulos no que tocava à apropriação em proveito próprio dos saques e impostos cobrados em zonas ocupadas e, em Portugal, pela dureza e crueldade com que tratava as populações submetidas.

Loison não tinha um braço, daí ser «maneta» na expressão popular. O facto de ser impiedoso com os que afrontavam a ordem napoleónica valeu-lhe o escárnio popular e a expressão «ir pró maneta», significando ir e não voltar ou tudo perder, até a vida.

in Portugal Diário em 20/11/2007

Ir Pró Maneta
A Revolta Contra os Franceses (1808)
ISBN: 9789896221164 Ano de edição ou reimpressão: 11-2007 Editor: Alêtheia Editores Idioma: Português Dimensões: 129 x 220 x 8 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 120 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  História  >  História de Portugal

Sugestões

Salazar e os Fascismos
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
17,90€
Tinta da China
Portugal e o Segredo de Colombo
10%
portes grátis
24,95€ 22,46€
Alma dos Livros
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.