Bertrand.pt - Um Ramo de Amendoeira

Um Ramo de Amendoeira

de António Rego 

Editor: Paulinas Editora
Edição ou reimpressão: maio de 2009
24H
Portes
Grátis
10%
13,93€
Poupe 1,39€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

«Saborear este ramo de amendoeira é ter o privilégio da outra leitura da história - a história da infinita misericórdia de Deus, a história extraordinária de uma salvação que se opera não pelos méritos de quem é salvo mas pela bondade de quem salva. O cónego Rego é um paradigma de Cristianismo Estético, Ético, Profético e Mágico. Ele personifica o sacramento vivo que é dom de comunicação e força da palavra» (Roberto Carneiro).

«O cónego António Rego, na beleza da forma a que já nos habituou, na perspicácia de identificar aspectos sugestivos da actualidade, ajudou muitos a lerem a vida em chave cristã. Aconselho os leitores a não quererem ler este livro, mas a procurarem nele, de cada vez, a página que os ajudará, num momento concreto, a lerem a vida à luz do Evangelho. O livro todo é a amendoeira; aconselho a que se colham, um a um, os frutos e as flores» (Cardeal D. José Policarpo).

Críticas
É aparentemente fácil e certamente gostoso apresentar este livro do nosso muito estimado Cónego António Rego, querido amigo.
Digo aparentemente fácil, por ser evidente a qualidade, constante a actualidade e agradabilíssima de seguir a escrita do Autor. Mas só aparentemente é assim….
Na verdade, a escrita de António Rego só parece “fácil” por já ter atingido há anos aquela simplicidade e clareza que apenas alcançam a inteligência e a sensibilidade quando se conjugam em alto grau.
E esta não é uma classificação meramente amigável: é a constatação óbvia de qualquer leitor atento.
António Rego revela na sua escrita o que é na vida, com uma personalidade muito bem composta de espírito, coração e engenho.
Quanto ao espírito, é essencialmente cristão e especificamente sacerdotal. Está no mundo, olha o mundo, descreve o mundo, como quem nele se insere comprometidamente, sentindo-o seu e servindo-o por inteiro. António Rego não é mais um espectador do que aconteça, nem um diletante de curiosidades passageiras. A sua vocação cristã e sacerdotal confirmou-se nos tempos da Acção Católica e do Concílio Vaticano II e por isso está no mundo em termos de “ver, julgar e agir”. É este o seu espírito: presente, atento e positivamente comprometido.
Também como coração. Coração que não vem depois, vem antes e alimenta tudo. A escrita de António Rego está impregnada de “simpatia”, tanto como a sua presença televisiva. Mesmo quando denuncia, é de amizade que se trata. Da verdadeira, que esclarece e corrige, porque o amor nunca se alheia nem desinteressa, antes incomoda e se incomoda e só cura quando arde. Mas o coração que António Rego revela tem outros brilhos. Está o primeiro no tom caloroso da sua escrita. Não precisamos de esperar dois parágrafos para, mais do que estarmos a lê-lo, estarmos a ler com ele, tanto nos sabe envolver também. Quando chegamos ao fim do texto, não se tratou de leitura, tratou-se de convivência com o Autor.
Falei de brilhos. Escolhi a palavra porque é a beleza que refiro. António Rego escreve bonito, como diz bonito. O que não diminui a verdade da escrita, antes a acentua, por ser a beleza o esplendor da verdade, como diziam os antigos e sabemos os modernos.
Mas a verdade é a adequação à realidade e a realidade humana só se abarca com inteligência afectiva, amando o que se apreende. É por isso que ler António Rego é um exercício humanista, tanto pelo tema como pelo seu tratamento. Trata de gente concreta na cidade de todos, para que sejamos melhor gente e mais concidadãos também, da aldeia ao mundo, aldeia global agora.
O brilho de António Rego traz-nos ainda da sua ilha natal a cintilação do sol na água do mar e na verdura da terra. Mas isto só consegue quem tem coração para absorver e oferecer: lembro, bem a propósito, o seu conterrâneo Padre Sena Freitas, que entre os séculos XIX e XX nos deixou textos de intervenção católica e relatos de viagem onde não faltam semelhantes espírito e coração.
Espírito, coração e engenho, dizia eu da escrita de António Rego, de novo evidenciada nesta excelente colectânea. O Autor está perfeitamente à vontade na actual faina dos media, como ambiente e capacitação técnica. Tem desenvolvido em Portugal e na Igreja uma actividade ímpar que o constituiu autêntico precursor e mestre. Mas em tudo isso revela a destreza rara de universalizar o mais particular dos casos ou episódios, dos grupos ou dos rostos, num zoom cinematográfico que também lhe perpassa a escrita. Ou contrastando claros e escuros, em trechos comprometidos que sempre nos relançam. Ou conjugando o pessoal e o contexto, em dramatizações originais e muito bem conseguidas. Tudo lhe resulta fluente, certeiro e sugestivo.
Engenhoso, portanto, mas já maduro, conseguido e fértil.
- Parabéns ao Autor e à Editora. Boa leitura a todos!

Lisboa, 21 de Maio de 2009
Manuel Clemente

Um Ramo de Amendoeira
ISBN: 9789727519965 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Paulinas Editora Idioma: Português Dimensões: 153 x 231 x 20 mm Páginas: 248 Tipo de Produto: Livro Coleção: Em Busca de Deus Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Religião e Moral  >  Catolicismo

Sugestões

Portugal Católico
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
29,90€
Temas e Debates
Igreja e Encontro na Estrada Digital
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
19,90€
Lucerna
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.