Bertrand.pt - Poemas Ocasionais

Poemas Ocasionais

de Fernando Miguel Bernardes 

Editor: Mar da Palavra
Edição ou reimpressão: dezembro de 2016
Portes
Grátis
10%
15,90€
Poupe 1,59€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

VOZ A ECOAR PELAS QUEBRADAS…

Dizem-se «ocasionais». De ocasião. Como suspiro d’alma que se dá, de quando em vez, perante o inusitado, ao ler uma frase sentida, ou, mesmo, diante do rumo ziguezagueante de uma Humanidade ora, cada vez mais, a desmerecer inicial maiúscula.
Voz a ecoar pelas quebradas. Um rio. Já o imperador romano Marco Aurélio escrevia ser a vida qual rio torrentoso: mal acabas de ver a folhinha flutuante, ei-la que já lá vai e, em seu lugar, outra vem, em jeito de abalada. E importava parar.
No parque duma cidade ergueram monumento ao ancião: um banco igual ao banco onde ele passava as tardes a ver as águas gorgolejar, a ouvir as aves trinarem ao desafio: «O octogenário / sentou-se / num tronco / a meditar» (p. 75).
Para aí voou meu pensamento, ao saborear estes «poemas ocasionais».
Para um rio:
lavou avós lavou netos
regou no campo o esparteiro
rendilhou de verde os fetos
da cerca do fazendeiro (p. 24).

Para a Natureza:
na várzea dos olmos
os estorninhos
mostram-se esquivos:
sobem aos fios

e pousam
espreitam
em redor
receiam desafios (p. 74).

Para a humanidade sem inicial maiúscula. A meter bem fundo o dedo na ferida, para que sangre deveras:
de armas na mão
e drones no ar
sem tripulação
e sabem matar

corpo-computador
frio e desumano…
quem o manipula
diz-se um ser humano (p. 72).
Por isso, há
montes maninhos
verduras
transgénicas

frutas maduras
de intervenções
polémicas (p. 65).

Por aí vamos, embalados ao ritmo do soneto ou de rimas mais libertas, envoltas sempre, porém, numa suavidade que encanta.
Fazemos nosso o libelo contra os parasitas:
«Vérmina - disse o doutor, ao ser pelo doente consultado; vermes - disse o eleitor, ao ser, pelos que elegeu, parasitado» (p. 90).
Lamentamo-nos, evocando o Coriolano de Shakespeare:
«Eleito a falsas promessas, este no comando agora - ai, ai, Coriolano!... - eis, por fim, tudo às avessas, os cidadãos ao engano!» (p. 81).
Sentamo-nos ao relento com o sem-abrigo, a ver a Lua: «Tu tens uma cama quente», diz ele, «e a mim o que me ajuda é um travo de aguardente!» (p. 14).
Sonhamos ser o «construtor da habitação por vir, sem cerca ou alão de prevenir», porque «de todos tudo é e abundante será!» (p. 66); e sorriremos, confiantes de que, um dia, o «clarão aberto» vai mesmo deflagrar (p. 70), qual sereno desabrochar de «rosa rubra na lapela sobre o peito» (p. 92). Cumprir-se-á, assim, uma «última vontade», porque, entretanto, «da tundra ao Tibete», tu «disseste ao meu ouvido: ‘Amo-te!’» «e, do deserto, a cheiro a menta se evolou aos cumes mais elevados»… (p. 79).
É assim a poesia de Fernando Miguel Bernardes - na perspicaz atenção crítica ao que o rodeia. E as suas palavras são sibilantes flechas certeiras; o objectivo: pôr de novo inicial maiúscula na palavra Humanidade, ao lado de uma outra, que com ela deve rimar também: a Liberdade!

José d’ Encarnação

Poemas Ocasionais
ISBN: 9789728910747 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Mar da Palavra Idioma: Português Dimensões: 145 x 205 x 7 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 104 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Agon
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
13,30€
Assírio & Alvim
Obra Poética I
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
44,00€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.