Bertrand.pt - Obra Poética Integral de Cesário Verde (1855 - 86)

Obra Poética Integral de Cesário Verde (1855 - 86)

Texto definitivo

de Ricardo Daunt 

Editor: Dinalivro
Edição ou reimpressão: fevereiro de 2013
Portes
Grátis
10%
16,96€
Poupe 1,70€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio 24H
portes grátis

Público-alvo: Público em geral, especialmente amantes de poesia. Depois da publicação da primeira antologia de Cesário Verde organizada pelo seu amigo Silva Pinto, muitas das edições posteriores tentaram, com mais ou menos rigor, dar conta da sua poética. Consciente do significado do grande precursor do Modernismo, Ricardo Daunt, crítico literário, poeta e romancista, fez uma investigação exaustiva sobre a obra de Cesário Verde e analisou centenas de documentos originais bem como uma vasta bibliografia a seu respeito. Nesta edição crítica, apresenta-se assim a obra integral de Cesário Verde definitivamente fixada, com a produção poética revista e ordenada de acordo com a semelhança formal e temática dos poemas publicados em vida, a biografia organizada cronologicamente e toda a correspondência acompanhada por notas elucidativas. Cesário Verde (1855-1886) foi o grande precursor da modernidade na poesia portuguesa. Saudado por Fernando Pessoa como seu mestre, legou-nos uma poesia impressionista, perpassada de motivos prosaicos, mas interessada na captura de uma realidade pulsante, que o seu olhar deteve pelas ruas de Lisboa. O seu verso é denso, lapidado, mas sem maneirismos ou fórmulas fáceis, e inaugura entre nós uma poética do instante e do movimento. Tendo começado a publicar os seus versos em 1875, em jornais e revistas, morreu demasiado cedo, em 1886, sem ter tempo para reunir a sua poesia em livro. Não obstante a publicação da mesma por Silva Pinto, em 1887, deixou uma obra inteira para ser organizada e criteriosamente publicada. Nela ressaltam poemas como Num bairro moderno, Cristalizações e O sentimento dum ocidental, hoje incluídos entre os versos mais importantes produzidos entre o Parnasianismo e o final do século XIX em Portugal. Nas últimas décadas, o nome de Cesário Verde tem conquistado, com todos os méritos, o relevo que merece. Esta edição integra esse movimento de resgate da sua obra, que canta a nossa língua e os nossos costumes de uma forma tão ímpar e invulgar.Ricardo Daunt dedicou-se nos últimos 40 anos à investigação e à criação literária. Publicou ensaios e artigos nos principais jornais e revistas brasileiros e portugueses. É doutorado em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo com uma tese sobre a poesia de Cesário Verde; realizou dois pós-doutoramentos na área de Literatura Comparada: o primeiro sobre o Modernismo português e o segundo sobre as poéticas de Fernando Pessoa e T. S. Eliot. Foi professor convidado na Yale University e deu também aulas na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escreveu contos, novelas, romances e ensaios, dedicando-se ao estudo das poéticas da modernidade luso-brasileira. Como especialista do movimento do Orpheu, publicou em formato digital Sobre o Orpheu e Orpheu: Prosa, Poesia e Arte. Tem diversos poemas seus editados em Portugal.

Obra Poética Integral de Cesário Verde (1855 - 86)
Texto definitivo
ISBN: 9789725766187 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Dinalivro Idioma: Português Dimensões: 149 x 238 x 16 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 258 Tipo de Produto: Livro Coleção: Cadernos Culturais Naturistas Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Poesia
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
44,00€
Assírio & Alvim
Ofício de Paciência
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
11,00€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.