Bertrand.pt - Íris Científica

Íris Científica

de António Piedade 

Editor: Mar da Palavra
Edição ou reimpressão: abril de 2005
24H
Portes
Grátis
20%
10,60€
8,48€
Em stock - Envio em 24H
portes grátis

Íris cientifica, da autoria de António Piedade, é um livro que reúne algumas crónicas (ou artigos) de divulgação científica que o bioquímico escreveu, ao longo de 2004, na secção "Temas de Domingo" do Diário de Coimbra.
A sequência escolhida para os textos pretende ser um caminho que transporte o leitor por diversas paisagens científicas. Partindo de um momento interior e antigo, abre-se progressivamente a janela da íris para contemplar o universo longínquo - e que nos acolhe - com o espanto mágico da vida. Ou seja, com esta obra, convida-se o leitor a navegar pelo que desconhecemos e a encontrar, aqui e acolá, ilhas onde o espanto nos engrandece com conhecimento científico.
Com uma escrita simples e cativante, mas que mantém "critérios de rigor metodológico e de isenção científica", este livro pretende ser um contributo para divulgar a cultura científica e mostrar que ela está ao alcance de todos.

Críticas
«Duas ideias fundamentais têm que convergir, actualmente, na consciência dos cientistas e das populações. E é tempo que assim seja nesta época de crise e de mutação. A primeira é a ideia de que a ciência tem limites e é orientada por decisões e escolhas. A segunda é a de que as orientações da ciência devem contar com a participação do público e serem pautadas por princípios de transparência. Não se pode, pois, continuar a pensar que o que se faz, na ciência e com a ciência, deva resultar de uma dialéctica exclusivamente restrita ao binómio “governos e cientistas” e ao segredo dos gabinetes, dos laboratórios e dos lobbies.
Daí a importância de todas as iniciativas que visam dar substância concreta ao ideal de cultura científica ao alcance de todos, mantendo, no entanto, como na presente obra, critérios de rigor metodológico e de isenção científica. São metas indispensáveis num contexto em que os deveres de participação na vida pública – e o seu pleno exercício, cada vez mais necessário no plano da cidadania mundial – estão intrinsecamente relacionados com os avanços dos conhecimentos científicos e das tecnologias novas, nomeadamente de informação; e com os valores de solidariedade e de emancipação que devem reger as suas escolhas.
É, pois, de louvar o empenho demonstrado, de maneira concreta, tanto pelos editores como pelo autor deste livro, em contribuir, de modo decisivo, para melhorar a cultura científica das populações, melhorando assim, simultaneamente, o mundo difícil e complexo em que vivemos.»
Jacques Houart – Professor universitário do Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC

«Ver através da “Íris científica” foi uma experiência muito enriquecedora e entusiasmante por ter conseguido, através da sua simplicidade, mostrar-nos a beleza do conhecimento e a sua decomposição, em forma de cascata, de tudo o que nos rodeia até ao ponto em que o nosso limite actual é atingido.
Se, por um lado, esta visão da ciência nos reporta a um estado de espírito confortável com o relato dos factos de uma forma quase cristalina, por outro, confere-nos uma estranha inquietude por nos deixar ansiosos por descobrir e conhecer o que ainda é – e vai continuar a ser por muitos anos que vivamos – desconhecido e inexplicado.
A simplicidade é isto e, segundo Agustina, é o aspecto superficial do complexo ou, então, é a síntese de uma estrutura difícil.
A íris, a cor dos nossos olhos, é aqui entendida por nós como a multiplicidade dos pensamentos e a sua relação com a vida e com a Natureza.
A beleza é, assim, uma caracterização estética, com identidade e de natureza relacional, pois pode ser encontrada através de múltiplos olhares e não apenas confinada à obra de arte.
Apropriando-nos de um pensamento de Nietzche, este livro, que aqui acaba, teve em nós um impacto semelhante “a uma pedra atirada na nossa vida: um primeiro círculo interior é estreito, mas multiplica-se e outros círculos mais amplos se destacam.”
Aliás, o próprio autor, na sua nota inicial, assim se manifesta ao convidar o leitor a seguir um caminho, que apesar de antigo (ou já conhecido), segue para o desconhecido, numa procura infinita pelo conhecimento que não vai, jamais, ter fim.
A Bluepharma, no seu ainda curto tempo de vida, tem vindo a apoiar iniciativas que visem a divulgação da cultura científica junto da sociedade, nomeadamente, através de jovens autores, que considera valores emergentes da investigação científica nacional e dos quais o autor, António Piedade, é um bom exemplo.
Este livro que agora se edita evidencia, mais uma vez, a aposta que continuamente estamos a fazer na divulgação da ciência, assumindo conscientemente uma postura de responsabilidade social perante a comunidade científica, em particular, e a sociedade portuguesa, em geral.»
Paulo Barradas Rebelo - Director Geral da Bluepharma – Indústria Farmacêutica, S.A.

«A ciência é uma componente essencial da nossa cultura. Resulta, em primeiro lugar, da intrínseca curiosidade humana. Dessa curiosidade que nos fez questionar sobre o Universo em que vivemos, o mundo que habitamos, as características da Natureza que nos rodeia e da nossa própria natureza. Mas, a curiosidade apenas não nos permitiria passar da especulação filosófica. Foi preciso inventar um processo que nos possibilitasse colocar perguntas à Natureza e ter respostas consistentes. Respostas que nos conduzissem a aceitar umas ideias e rejeitar outras, baseados num critério de consistência com a realidade exterior. Esse método, chamado científico, constitui a chave do sucesso da ciência.
O conhecimento que se acumulou nos últimos quatro séculos é de tal forma extraordinário que o mundo que nos é revelado e descrito pela ciência tem uma configuração surpreendente. Hoje, sabemos que temos olhos castanhos ou verdes ou azuis por causa de uma informação localizada em todas as nossas células e que herdamos dos nossos progenitores; sabemos que somos o resultado de uma evolução orgânica que se desenrola há mais de três mil milhões de anos neste planeta; ele próprio resultado da agregação de matéria dispersa no nosso sistema solar, iluminado por uma estrela de média dimensão, que se encontra mais ou menos a meio da sua existência, localizada num dos ramos da Via Láctea, um dos muitos aglomerados de estrelas que ocupam este Universo.
De uma forma que nunca antes havia sido imaginada, o Homem consegue compreender o Mundo que o rodeia. Esse conhecimento também lhe possibilita actuar sobre ele, modificando-o, transformando-o, de modo cada vez mais profundo. Muitas das modificações foram benéficas para a humanidade, outras não.
É certo que duplicámos a esperança de vida na Europa, relativamente à Idade Média. Contudo, também começamos a viver as consequências de um aquecimento global do planeta, resultante, essencialmente, da actividade humana, através da queima de combustíveis fósseis. Erradicámos algumas doenças, mas novas epidemias surgiram, como a sida, enquanto que outras resistem aos nossos conhecimentos, como a malária, que continua a ser a primeira causa de morte por doença no Mundo.
A população cresceu a um ritmo elevadíssimo, em consequência da maior eficácia de extracção de recursos e produção de alimentos, mas eliminámos ou contribuímos para eliminar milhares de espécies de vida selvagem.
O futuro é complexo, não havendo soluções fáceis para garantir um desenvolvimento harmonioso e sustentado. Mas, consegui-lo só é possível com o recurso à ciência. A ciência requer um espírito livre, capaz de questionar ideias assentes e dogmas estabelecidos. Por isso, sempre se deu mal com regimes não democráticos. Se há instituição que não vive de mitos e de crenças e que faz do cepticismo, da dúvida e da destruição dos mitos uma virtude, em busca de um conhecimento mais aprofundado, é a ciência.
Nas sociedades democráticas actuais, os cidadãos procuram ter, cada vez mais, uma opinião informada sobre as coisas que os rodeiam e são chamados a tomar decisões, directa ou indirectamente, sobre assuntos complexos. Não é possível, sobretudo em sociedades que tanto dependem da ciência e da tecnologia, que haja um divórcio ou sequer um desconhecimento sobre a ciência, que constitui uma parte fundamental da nossa cultura.
A divulgação científica ocupa aqui um papel fundamental de mediador entre o conhecimento científico acumulado, complexo e cada vez menos intuitivo, e a sociedade. No ano de 2005, comemora-se o centenário de um conjunto extraordinário de descobertas, realizadas por um único cientista, Albert Einstein, que transformaram, por completo, a física nos cem anos que se lhe seguiram. Por isso, pela importância que a ciência ocupa no mundo actual e pelo papel que se espera venha a desempenhar no futuro, a ONU decidiu dedicar o ano de 2005 à divulgação da física e da ciência, em geral.
A obra que agora se edita constitui um contributo importante para a divulgação científica, num momento que se espera seja um ponto de viragem na aproximação entre a ciência e os cientistas e a sociedade. Quero felicitar o autor, António Piedade, pelo excelente trabalho e pelas horas de leitura fascinante que nos oferece.»
Paulo Gama Mota - Director do Museu Nacional da Ciência e da Técnica Doutor Mário Silva

Íris Científica
ISBN: 9789728910013 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Mar da Palavra Idioma: Português Dimensões: 146 x 209 x 7 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 102 Tipo de Produto: Livro Coleção: Ilhas do Espanto Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Ensaios

Sugestões

Homo Deus - História Breve do Amanhã
20%
portes grátis
21,98€ 17,58€
Elsinore
Volta a Portugal
20%
portes grátis
19,90€ 15,92€
Edições Contraponto
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.