Bertrand.pt - Ilustração e Banda Desenhada no Ar.Co.

Ilustração e Banda Desenhada no Ar.Co.

 

Editor: IST - Instituto Superior Técnico
Edição ou reimpressão: junho de 2008
Portes
Grátis
20%
15,90€
12,72€
Em stock - Envio 24H
portes grátis

O departamento de Ilustração / Banda Desenhada do Ar.Co tem vindo a desenvolver um trabalho pedagógico continuado na área da ilustração editorial de imprensa e a colaborar, neste âmbito, com várias revistas e jornais.
Grande parte deste trabalho centra-se na compreensão e aprendizagem dos mecanismos criativos e técnicos relacionando imagem e palavra de forma directa ou metafórica, produzindo uma expressão autoral.
Os trabalhos aqui impressos foram desenvolvidos no contexto do curso, subordinaram-se ao tema geral da Colecção Reticências, foram acompanhados pelos formadores e apresentam-se ao público como objectos finalizados com competência gráfica e autoral.

Autores: Oscar Martinez - Josna Silvestre - Tiago Martins - Maria Imaginário - Vasco Martins

Excertos
«Notas tópicas sobre ideias utópicas.
1. As utopias fascinam. O fascínio é feito de ignorância, pelo menos parcial. Prefiro considerar as utopias, todas elas, com Cioran, uma forma de ingenuidade, se não mesmo de loucura. A faculdade que se lhe deve votar é antes o cepticismo. Independentemente da mais corrente das atitudes.
2. A mais antiga utopia, e que se encontra permanentemente no passado, é o do "jardim fechado", o paraíso terrestre que abandonámos; a Idade de Ouro, Atlântida, o ventre materno, são suas variações. As mais recentes, que vieram com a modernidade, apontam ao futuro, um futuro qualquer, e podem revestir-se do mais maleável e fantástico dos plásticos e tecnologias tanto quanto retornar a um estado da Natureza (que jamais existiu): expressa-se nos mais diversos graus de natureza política (-ismos.1) ou artística (outros -ismos.2). O facto de poder dizer "utopias" e inventariar seus autores esbate a força de cada uma.
3. A própria palavra parece prometer um lugar cuja única certeza que nos oferece é que "não é aqui" Impelindo-nos, portanto, a um movimento de viagem ou a um gesto de construção. Bebendo dos ícones de ambos os tipos de -ismos referidos acima, Oscar Martinez expressa esse estímulo, com um grão de sal de ironia.
4. A faceta brilhante da utopia é permitir ver e pensar para além das coisas "tal qual elas são", ou seja, não aceitar sequer a possibilidade das coisas serem alguma coisa de certo. Assim, podemos imaginálas (torná-las imagem) como cidades visíveis ou ocultas, ilhas de meios-dias ou Laputas, enseadas amenas ou portos blindados, terras do Nunca: Joana Silvestre contorna-as a lápis.
5. De utopia deriva eutopia - "boas" utopias, que se confunde com o primeiro termo, sede do que passou, plano para o que virá - e distopias - "más" utopias, quer as da ficção quer as que se vieram a provar por terem sido implementadas (novamente os -ismos, mormente os .1); são as terras do Nunca-mais-outra-vez ou do Esperemos-que-nunca: Tiago Martins, d’aprés Huxley, ilustraas, falsamente felizes.
6. Se não é aqui, mas ali, tem de haver melhores galinhas no campo da vizinha. Simples variação do João-que-ri e João-que-chora, Vasco Martins mostra que, de facto, rir não só é o melhor remédio como mais vale um riso no ar do que dois chorares na mão.
7. De todas estas topias, há ainda as heterotopias, "espaços outros" (Foucault). A banda desenhada e a ilustração, por viverem um tanto ou quanto fora do círculo maior do diálogo das artes - não por fraqueza sua, mas por falta de rigor do olhar ecuménico dessas mesmas artes -, acabam por se constituir numa heterotopia, um alhures no qual ainda se podem experimentar determinadas linguagens que se têm afastado de outros meios (a emoção, a figuração redonda, a plena narrativa), e também no qual já se procuram efectivar conceitos inalcançáveis por agora (corpos perfeitos, sociedades futuras, ciências livres, deslimitação de praticamente tudo, a fantasia na rua).
8. Maria Imaginário abre espaço a esse espaço: sob a ilusão de pequeno conto para os mais pequenos, o delicodoce imaginário oculta qualquer coisa de mais negro, de podre, de esquisito, ainda que não saibamos o quê.
9. Aviso à navegação: muitos se preocupam e querem impedir o 1984, de George Orwell, de acontecer. Não há problema, é impossível realizar-se. Já O Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, é que já vingou. CCTV, chip e Cartão de Cidadão. Fia-te na virgem e não corras.»
Pedro Moura

Ilustração e Banda Desenhada no Ar.Co.
ISBN: 9789728469726 Ano de edição ou reimpressão: Editor: IST - Instituto Superior Técnico Idioma: Português Dimensões: 181 x 300 x 5 mm Páginas: 32 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Arte  >  Design e Ilustração

Sugestões

Perspectiva Criativa
20%
portes grátis
14,13€ 11,30€
Editorial Presença
A Psicologia das Cores
10%
portes grátis
31,80€ 28,62€
Editorial Gustavo Gili
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.