Bertrand.pt - História do Riso e do Escárnio

História do Riso e do Escárnio

de Georges Minois 

Editor: Editorial Teorema
Edição ou reimpressão: janeiro de 2008
38,90€
Esgotado ou não disponível

O riso é uma virtude que Deus deu aos homens para os consolar por serem inteligentes, dizia Marcel Pagnol. Uma virtude que tem mais de dois mil anos, como testemunham as recolhas de histórias engraçadas com que já os gregos e os romanos se deliciavam. Mas podemos rir de tudo? Sim, afirma Demócrito cujo riso atrevido tem acentos espantosamente modernos. Sim, diz também Cícero, que inventaria mil formas de fazer rir. Não, proclamam em contrapartida os Padres da Igreja, porque o riso é um fenómeno diabólico, um insulto à criação divina, uma manifestação de orgulho. Os seus argumentos contudo não foram ouvidos na Idade Média: os reis fazem-se rodear de bobos, os homens divertem-se a rir uns dos outros, quando das assuadas, e o humor, que ainda não é mais do que paródia, infiltra-se mesmo nos sermões dos pregadores. Com Rabelais, surge uma outra forma de rir, um riso ambíguo que abala todas as certezas e prolonga-se para além do Renascimento, um riso ora picaresco, ora grotesco, ora burlesco. A monarquia absoluta quer fazer entrar na ordem todos os amantes do riso. Mas será possível domesticar o riso? Disfarçado de humor ácido, o riso corrói pouco a pouco os fundamentos do poder e da sociedade. No século XIX, o humor encontra o seu terreno predilecto na sátira política, enquanto que os filósofos dissecam as suas virtudes, por vezes para as deplorarem, e Baudelaire procura o «cómico absoluto». A ironia torna-se uma forma de relação do homem com o mundo. Protege contra a angustia e, ao mesmo tempo exprime-a. «Eu rio-me com o velho maquinista Destino», escreve Vítor Hugo, que fixa em fórmulas imortais a ambiguidade do riso. O século XIX acaba com uma apoteose do riso e do nonsense. A partir de então, o mundo vai escarnecer de tudo, dos seus deuses como dos seus demónios.

Críticas de imprensa
«O mundo pode dar-nos cada dia menos motivo para rir, mas nunca se escreveu tanto sobre o riso como agora. [...]O riso tem muitas histórias e tem, pelo menos, uma história da sua teoria. Em todas as épocas se pensou o riso.»
Mário Santos, Público

Outros livros da coleção

Hoplon Krisis ou o Herói Infame
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
15,90€
Editorial Teorema
Dimensões Culturais da Globalização
História do Riso e do Escárnio
ISBN: 9789726957416 Ano de edição ou reimpressão: 01-2008 Editor: Editorial Teorema Idioma: Português Dimensões: 165 x 234 x 35 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 708 Tipo de Produto: Livro Coleção: Serie Especial Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  História  >  História em Geral

Sugestões

Sapiens - História Breve da Humanidade
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
24,99€
Elsinore
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.