Bertrand.pt - Fragmentos

Fragmentos

de António Bento 

Editor: Pé de Página Editores
Edição ou reimpressão: abril de 2008
Portes
Grátis
10%
10,10€
Poupe 1,01€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Envio até 4 dias
portes grátis

Excerto do texto de apresentação (dia 29 de Março, na Biblioteca Orlando Ribeiro, em Lisboa)

Escreve o António, no poema da página 21:

«Resta-me aprender o silêncio
Não se nomeia o que é importante»

Creio bem que o «silêncio» a que o autor alude não deve tomado em sentido literal. Ele é antes sinónimo de um movimento de recolhimento produtivo, de um caminho para a palavra, de um abeirar os seus silêncios e os seus ecos, da entrega a uma condição de viandante, ou seja, daquele faz o caminho caminhando, que se busca no próprio acto de procurar, que se entrega à palavra não para a utilizar mas para a escutar.

Abeirar desta forma o silêncio é habitar poeticamente o mundo. E este livro, cujo título «Fragmentos», em junção com a bússola da capa, igualmente fragmentada, poderá ser interpretado como uma alusão à condição pós-moderna em que o fim das grandes narrativas deram lugar aos jogos que procuram organizar sentidos a partir de fragmentos, é também um mapa de inscrições existenciais. Assim, da aprendizagem do silêncio, surge mais este livro de poesia.

É já o terceiro livro de poesia do autor — depois de «Quatro águas» (de 2004) e de «Pegadas» (de 2006).
Cada livro de um autor é também uma inscrição do seu percurso.

Por vezes a publicação de um livro corresponde, para o seu autor, ao virar de uma página de aprendizagem, à despedida de mais um degrau que fez parte do seu caminho.

Parece-me que, neste novo livro, a identidade da escrita de António Bento adensa-se no despojamento que busca o simples. Se no livro anterior, «Pegadas», a metáfora do caminho estava já patente no próprio título, na presente obra o espírito de demanda prossegue, tendo no seu horizonte uma sabedoria de vida roubada à velocidade dos dias que nos estilhaça em mil fragmentos avulsos.
O autor convoca nestes poemas uma serenidade que rima com a frontalidade de um olhar que quer pousar no sentido e mapear uma escala de importâncias que resiste à voracidade dos dias. É por isso que a dimensão de ser pessoa é, aqui, solidária de um tempo de recolhimento.

Todo o livro exala um perfume, faz correr uma seiva, cria uma ambiência, consagra um lugar simultaneamente físico — próprio de ser objecto — e um lugar de identidade e de memória espiritual.
É por isso dupla a partilha que ele propõe: por um lado, nele está espelhada uma singularidade, uma luta corpo a corpo quanto à concentrada escolha das palavras, quanto à forma de as encostar umas às outras, quanto ao rigor dessubjectivante que prepara a autonomia do poema para além de todas as intencionalidades do autor, quanto à melodia que as palavras entoam, quanto à disposição em que são colocadas na página.

Mas também, por outro lado, partilha também quanto à secreta comunidade de um ver para além do visível, de um sentir para além dos sentires, de um viver para além das vivências e da vidinha.

Toda a escrita literária é ensaística e este livro de poesia de António Bento não escapa a essa dimensão. Pelo contrário, ela revela-se como um espaço de ensaio por excelência, como um movimento em que a existência é vista como um enigma situado. O corpo instala-nos no ciclo do tempo, mas o tempo do ciclo, que sentido tem? Que sentido dar-lhe?
Porque, lembra o poeta, «temos o terrível poder de dizer não» (p. 42)

É certo que vivemos cada vez mais a recato da questão do sentido enquanto dimensão fundamental de confronto com o enigma existencial. Organizamos a nossa existência em torno de objectivos, ambições, aspirações e como que nos funcionalizamos perante eles. Olhamos para o que é da nossa responsabilidade e do nosso cumprimento e apagamos o resto que não podemos quantificar, objectivar, contabilizar. Raramente pensamos na morte a não ser como imagem que nos atormenta fantasmagoricamente.

Pergunta o poeta:
«Choro a tua morte
ou
a minha existência?».
(p. 9)

E reduzimo-nos a um presente que queremos eterno, um sempre-já eterno, que não ousamos, a maior parte das vezes, pensar como sendo apenas um dos momentos do ciclo finito que somos.

«A única idade
da morte
a idade secreta
incerta».
(p. 43)

A poesia de António Bento representa uma ruptura com a funcionalização da vida. Como poeta o autor fala a partir de interrogações e não de objectivos, fala a partir de ingenuidades e não a partir de conhecimentos.

Ousa vaguear no difuso, como um inventor que quer encontrar meios de apalpar a realidade antes das formatações que dela nos são dadas para o dia-a-dia. Neste sentido, também, ousa afrontar a própria vacuidade do quotidiano em que, para glosar um poema de Chico Buarque, o sangue erra de veia e se perde.

Apesar das eventuais conotações pós-modernas do título deste livro, o ar que nele respiramos nada tem de pós-moderno. O simples, a raiz, a intensidade, o retardamento dos olhares, o despojamento das máscaras que quotidianamente nos conferem ou retiram estatutos e poderes é aqui praticado sem medo de que nos possamos perder, de que não consigamos encontrar o caminho, de que não consigamos voltar. O caminho faz-se caminhando, o caminho é a caminhada, o destino são os encontros e os desencontros do caminhar nos caminhos. Há pois uma serenidade no caminhar poético de António Bento. Assim escreve, na página 41:

«O caminho escolhe-nos
ou escolhemos o caminho?

Deixa que a roda desse enigma
rode de dia
rode de noite.

Sabes
todos os pássaros
descobrem o sul.
E todas as formigas trabalham para os receber».

Para concluir, direi que os temas maiores deste livro de poesia são a busca, a demanda, o sentido, o encontro e a relação partilhada numa atopia que, mais do que inventar um lugar outro, representa um colocar-se ao lado e um caminhar com. Uma espécie de ponto igualitário em que a nudez é sem vergonha e a dignidade é o cuidado com esta pré-ocupação que nos faz ser antes de qualquer funcionalização. Neste sentido esta atopia é também o não lugar em que a liberdade transforma os gestos de lucidez em actos de resistência.

Rui Grácio

Fragmentos
ISBN: 9789896140687 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Pé de Página Editores Idioma: Português Dimensões: 145 x 210 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 64 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Labareda
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
21,90€
Tinta da China
Traçar um Nome no Coração do Branco
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,20€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.