Bertrand.pt - Fluxos de Caixa

Fluxos de Caixa

(3ª Edição)

de Luís Lima Santos 

Editor: Vida Económica
Edição ou reimpressão: abril de 2004
17,67€
Esgotado ou não disponível

Tomando como referência o quadro conceptual do IASC, os fluxos de caixa são caracterizados e apresentados como informação adequada à avaliação do desempenho e prevenção da insolvência. (...) Globalmente, o livro é um contributo significativo para esclarecimento do tema.

Dr. Hernâni O. Carqueja
Director da Revista de Contabilidade e Comércio

No domínio da formação para profissionais das empresas, o tema "fluxos de caixa" é de grande importância. Este livro permite ao utilizador uma visão diferente acerca das contas das empresas. Recomenda-se, pois, a sua leitura.

Dr. António Pêgo
Director da Associação Empresarial de Portugal Formação Profissional

A dinâmica de uma empresa é tanto mais eficiente quanto melhores forem os meios utilizados no seu controlo. Deste modo, a análise conceptual efectuada nesta obra e abordagem inovadora da metodologia dos fluxos de caixa são importantes contributos para garantir a qualidade e o sucesso deste manual entre os profissionais destas áreas.

Direcção da Associação Portuguesa de Auditores

Excertos

Prefácio

«Toda a teoria deve ser feita para poder ser posta em prática, e toda a prática deve obedecer a uma teoria. Só os espíritos superficiais desligam a teoria da prática, não olhando a que a teoria não é senão uma teoria da prática, e a prática não é senão a prática de uma teoria.

Quem não sabe nada dum assunto, e consegue alguma coisa nele por sorte ou acaso, chama "teórico" a quem sabe mais, e, por igual acaso, consegue menos. Quem sabe, mas não sabe aplicar, isto é, quem afinal não sabe, porque não saber aplicar é uma maneira de não saber, tem rancor a quem aplica por instinto, isto é, sem saber que realmente sabe. Mas, em ambos os casos, para o homem são de espírito e equilibrado de inteligência, há uma separação abusiva. Na vida superior a teoria e a prática completam-se. Foram feitas uma para a outra.» (1)

Tradicionalmente, a informação contabilística é utilizada como suporte de prestação de contas ao Estado com a finalidade da tributação (ou não tributação); esta dependência serviu de propulsão ao desenvolvimento de procedimentos e normas que, de uma forma geral, emprestaram à contabilidade a complexidade própria de uma ciência.

No entanto, a complexidade dos negócios e das relações entre entidades económicas de diversas regiões (continentes) atribuíram à contabilidade uma dimensão mundial, relegando para plano secundário a sua utilidade no contexto nacional ou mesmo local.

De facto, na actualidade, a contabilidade serve de uma forma clara para informar os investigadores no mercado de capitais acerca do desempenho das entidades económicas; as regras são, de uma forma crescente, ditadas pelos organismos com protagonismo nas bolsas de valores e nas associações de profissionais de contabilidade, relegando- -se o papel do Estado para a tributação, por via da supressão dos efeitos resultantes das divergências entre as regras fiscais e as regras contabilísticas.

Também a internacionalização das entidades económicas, com a consequente apresentação de informação contabilística consolidada, potenciou a alteração de procedimentos e normas contabilísticas e a criação de outras normas visando informar acerca de um conjunto de entidades como se de uma única entidade se tratasse; o mundo é visto como uma "aldeia global", onde as diferenças entre a cultura, a economia, a fiscalidade, o idioma, a moeda e a profissão contabilística deixam de ser entraves e passam a ser meros componentes do sistema.

É um facto inegável que vivemos a reformulação da "contabilidade" em função dos interesses dos grandes grupos económicos com influência nos organismos de normalização contabilística; por outro lado, a complexidade das normas obriga à formação contínua dos profissionais de contabilidade, o que nem sempre se revela positivo (2), pois a oportunidade de apresentar a informação pode subtrair a qualidade informativa da mesma.

Entretanto, a própria revolução das tecnologias da informação merece reflexão, uma vez que a contabilidade assegura o objectivo principal de informar, devendo fazê-lo sustentada nas novas tecnologias; se a base de inputs é invariável (3), já os outputs devem variar em função das necessidades dos utilizadores da informação.

Sem pretender esgotar as abordagens à análise do desempenho das entidades, do nosso ponto de vista, são vários os motivos que justificam um livro subordinado ao tema "fluxos de caixa"; por um lado, a insuficiência de referências bibliográficas nacionais, onde sobressai o excelente trabalho do Professor Doutor António Pires Caiado e da Dr.ª Primavera Martins Daniel Gil; por outro, a "novidade" e a actualidade do tema, e o confronto entre dois pressupostos subjacentes à preparação e apresentação das demonstrações contabilísticas, são argumentos preponderantes para a apresentação dos resultados da nossa investigação.

O facto de defendermos que a avaliação do desempenho das entidades económicas é mensurável, em termos absolutos ou relativos, pela demonstração do comportamento de variáveis como os fluxos de caixa, a flexibilidade financeira, os fluxos de fundos, a liquidez, a solvência, os resultados, a rendibilidade, a economicidade, a produtividade e o património, implicou uma análise crítica da estrutura conceptual do IASB(4). Aquela diversidade de variáveis sustenta a nossa opinião de que o desempenho não é apenas, mas também, financeiro, isto é, terá tantos vectores de análise quantas as necessidades dos utilizadores.

O inquérito apresentado (5) pretende constituir um suporte informativo, não representativo, da percepção dos peritos contabilistas sobre a avaliação do desempenho através dos fluxos de caixa e da utilidade destes na prevenção da insolvência.

Para acautelar eventuais confusões, é conveniente acentuar o nosso entendimento, adoptando a posição de Lopes de Sá (6), de que "demonstrações financeiras" é uma expressão inadequada que se dá para referir as demonstrações contabilísticas, em virtude da tradução do termo "financial performance" foram entendidas, simplesmente, por "desempenho".

É um facto que este trabalho é apenas uma obra naturalmente incompleta; acreditamos, pois, que constitui uma obra em permanente evolução, por isso, com lacunas e insuficiências. Ficamos reconhecidos a todos aqueles que, com as suas críticas e sugestões, queiram contribuir para a sua melhoria.

Seremos, quanto possa ser, concretos dentro da abstracção natural das teorias e das doutrinas.(7)

NOTA À 3.ª EDIÇÃO:

Quando, em Outubro de 1999, saiu a 1.ª edição do livro "Fluxos de Caixa", não avaliámos a hipótese de em duas semanas ser necessário proceder a nova edição, a qual, por beneficiar de apenas duas ou três correcções de gralhas e uma ou duas alterações gráficas, não mereceu da minha parte acolhimento preambular.

A evolução do mercado de capitais e as pressões dos grandes grupos ecoómicos ditaram várias alterações no processo de normalização contabilística, com impacto à escala mundial, que culminaram na percepção do "novo" modelo contabilístico.

No plano internacional, a sucessão de acontecimentos que dominou o processo de normalização mundial culminou na transformação do IASC em IASC Foundation e no consequente surgimento do International Accounting Standards Board (IASB), do International Financial Reporting Interpretations Committee (IFRIC) e do Standards Advisory Council (SAC), este último com a importante missão de aconselhamento do IASB. Esta transformação traduz os alicerces das Global Accounting Standards (GAC), que são formados pelo conjunto das International Financial Reporting Standards (IFRS) - antes designadas IAS -, publicadas pelo IASB, e das International Financial Reporting Interpretations (IFRI) - antes designadas SIC -, publicadas pelo IFRIC; temos, então, um quadro de normas globais de contabilidade composto pela estrutura conceptual para a contabilidade e pelas normas internacionais de relato financeiro, ambas de responsabilidade do IASB, e pelas interpretações às normas internacionais de relato financeiro, da responsabilidade do IFRIC.

Entretanto, a União Europeia já assumiu as suas limitações e aceitou as IAS/IFRS, criando um órgão político - o Accounting Regulatory Committee - e outro técnico - o European Financial Reporting Advisory Group -, assim favorecendo o objectivo que se perfilha: um mercado (bolsa), uma moeda (economia), uma contabilidade (fiscalidade e auditoria).

Com a aprovação do Regulamento n.º 1606/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho da União Europeia, em 19 de Julho de 2002, as entidades portuguesas com valores cotados em bolsa serão obrigadas a preparar e apresentar, a partir do exercício de 2005, as suas demonstrações contabilísticas consolidadas de acordo com os princípios previstos nas IAS/IFRS; esta obrigação poderá, se assim o entender o Governo, ser alargada às demonstrações contabilísticas individuais e consolidadas das restantes empresas (aqui por força do próprio processo contabilístico inerente à consolidação).

No plano nacional, destaca-se a publicação do Decreto-Lei n.º 79/2003, em 23 de Abril, que retirou do Plano Oficial de Contabilidade (POC) em vigor as demonstrações dos fluxos de fundos e as considerações técnicas com estas relacionadas, em favor da inclusão da demonstração dos fluxos de caixa e respectivos anexo e considerações técnicas relacionadas; tratou-se, no que respeita à informação sobre as variações nos fluxos de caixa de uma entidade, de uma mera reorganização, uma vez que os modelos e conceitos adoptados na preparação e apresentação da demonstração dos fluxos de caixa mantiveram-se os que constavam da directriz contabilística n.º 14, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC).

Mais recentemente, concretamente em 21 de Maio de 2003, a CNC publicou, na secção "respostas a consultas" da sua página na internet, o entendimento da Comissão Executiva - com carácter meramente informativo - sobre as condições genéricas de aplicabilidade do Decreto-Lei n.º 44/99, de 12 de Fevereiro, após as alterações introduzidas pelo já citado Decreto-Lei n.º 79/2003.

Tratando este livro de fluxos de caixa, a nossa atenção volta-se, naturalmente, para os aspectos relacionados com a obrigação, ou não obrigação, de elaborar a demonstração dos fluxos de caixa.

Como sabemos, o conceito de "conjunto completo de demonstrações financeiras" está definido, em Portugal, em três documentos:

· no POC, após alterações do Decreto-Lei n.º 79/2003;
· pela CNC, no ofício n.º 125/2001, de 28 de Novembro de 2001; e
· pela OROC, no n.º 10 da directriz de revisão/auditora n.º 700, de Fevereiro de 2001.

Por outro lado, o n.º 31 da supracitada directriz de revisão/auditoria determina que a não existência de demonstração dos fluxos de caixa - sempre que seja de elaboração obrigatória - implica uma opinião com reservas, por limitação de âmbito, por parte do revisor/auditor.

Não obstante, o registo da prestação de contas, constante do artigo 42.º do Código do Registo Comercial, e que consiste na entrega, para fins de depósito, da acta de aprovação donde conste a aplicação dos resultados, acompanhada das principais demonstrações contabilísticas, onde se exceptua a demonstração dos fluxos de caixa!

A actual redacção do Decreto-Lei n.º 44/99 dispõe, na alínea c) do n.º 1 do artigo 1.º, que as entidades às quais é aplicável o POC ficam obrigadas a preparar e apresentar a demonstração dos fluxos de caixa, de acordo com um dos métodos previstos no capítulo 9 do POC, caso não estejam obrigadas a fazê-lo de acordo com o método directo; esta obrigação não se mantém quando uma entidade não atinge, no período de um exercício económico, dois dos três limites indicados no n.º 2 do artigo 262.º do Código das Sociedades Comerciais; por outro lado, a obrigação voltará a produzir efeitos, se os referidos limites forem ultrapassados, no segundo exercício económico seguinte, inclusive, àquele em que os limites foram ultrapassados.

Portanto, podemos concluir que a demonstração dos fluxos de caixa obteve o reconhecimento de uma importância crescente, em detrimento das demonstrações dos fluxos de fundos, agora derrogadas.

A presente edição conta com as alterações decorrentes destas e de outras alterações com impacto - directo ou indirecto - na informação com base nos fluxos de caixa.

Foi adicionado um capítulo novo, o capítulo VI (que remeteu as conclusões para o capítulo VII), especialmente preparado para a avaliação de conhecimentos dos assuntos tratados nos primeiros cinco capítulos; este capítulo é composto por uma extensa lista de 120 questões, cada uma com três opções de resposta em que apenas uma é a correcta; no final, em separado, são apresentadas as soluções, para que o leitor possa utilizar as questões como teste de auto-avaliação.

O apêndice II, relativo à prática simulada, foi substancialmente aumentado, passando a contar, agora, com o dobro dos casos práticos resolvidos.

Os anexos foram actualizados com o Decreto-Lei n.º 79/2003, de 23 de Abril.

Agora que o processo de normalização à escala global parece irreversível, resta confiar no acordo entre o IASB e o FASB no sentido de permitir a convergência do quadro normativo internacional, no sentido da criação e afirmação de um modelo de normas contabilísticas realmente globais.

No imediato, ficam as alterações substanciais na forma de pensar, praticar e ensinar a contabilidade...

Espero que o estimados leitores retirem proveito desta 3.ª edição e agradeço, desde já, críticas e comentários que tenham a disponibilidade de me apresentar. llsantos@netvisao.pt

Fluxos de Caixa
(3ª Edição)
ISBN: 9789727880935 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Vida Económica Idioma: Português Dimensões: 150 x 230 x 30 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 404 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Economia, Finanças e Contabilidade  >  Contabilidade

Sugestões

SNC - Sistema de Normalização Contabilística Explicado
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
37,90€
Porto Editora, S.A.
SNC - Sistema de Normalização Contabilística
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,90€
Porto Editora, S.A.
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.