Bertrand.pt - Economia e Complexidade

Economia e Complexidade

de Francisco Correia Guedes 

Editor: Edições Almedina
Edição ou reimpressão: abril de 2000
42,30€
Esgotado ou não disponível.

O Deserto é um exemplo perfeito e em grande escala de um «Sistema Complexo Adaptivo», logo do processo auto organizativo de «padrões emergentes». Os dois padrões emergentes mais imediatamente visíveis no deserto são as ondulações superficiais do tipo «listras de tigre» (ripples) e as dunas. Umas e outras são perfeitamente «modelizáveis». Se sobre uma superfície plana de areia for disparado um fluxo de areia segundo certo ângulo de incidência e velocidade, cada grão disparado desloca um certo número de outros e ao fim de algum tempo e de variações do ângulo e da velocidade, as «listras de tigre» começam a emergir da superfície plana. Estes modelos são verdadeiramente «autómatos celulares» já que cada grão se movimenta segundo regras bem definidas relativas ao que se passa com as partículas vizinhas. Está pois presente a característica central dos Sistemas Complexos: um número ilimitado de elementos em interacção dinâmica dominantemente «não linear». As dunas cujas formas exibem diversidade, das transversais às longitudinais, desde as que tomam a forma de «crescente» às que desenham uma estrela - resultam de um processo auto organizativo diferente do anterior designado por «salteamento» («saltation») ligado aos ventos, sua intensidade e variabilidade. A duna evoca-nos também a «pilha de areia» que todos já construímos nas brincadeiras de praia deixando tombar sobre a superfície um fluxo contínuo de grãos de areia. A «pilha de areia» permite-nos compreender e ver em acção o fenómeno da «criticalidade auto organizativa», a um tempo específico da Complexidade e de uma riquíssima geração de novos modelos económicos.

RECENSÃO
Economia e Complexidade de Francisco Corrêa Guedes, fruto de uma recente tese de doutoramento, está indicado para estudantes de economia, ajudando à reflexão os mais apetrechados na ciência económica.
O livro descreve o que alguns autores poderiam denominar de complexologia, sendo uma das primeiras obras do género «fabricadas» no Velho Continente. A aposta da editora ultrapassa fronteiras, sendo objectivo também colocar a obra no concorrencial mercado brasileiro. O autor percorre a epistemologia analisando os modelos bem como as respectivas inter-relações. Com sentido crítico, mas numa linguagem atraente, recheado de exemplos e «histórias da história de diversas ciências», o autor analisa a metamorfose da ciência. Identificam-se ideias económicas cujo desgaste ou absolescência mais se evidencia. Pelo seu conteúdo científico, não admira se este livro passar a constar das obras de referência curricular para os estudantes de economia. É, por exemplo, de inegável interesse como o autor avalia o que disseram os pensadores da economia no seu tempo a partir do que sabemos hoje.
Francisco Corrêa Guedes, professor universitário, ocupou vários cargos públicos entre 1974 e 1980, sendo co-autor de livros universitários como Economia Internacional em parceria com Bernard Guillochon.
in Diário de Notícias, 14 de Fevereiro de 2000

Uma Ciência «transversal»

Os «Sistemas Complexos» residem, literalmente, em todas as disciplinas do Conhecimento. Do «A» de Antropologia ao «Z» de Zoologia não existe uma só disciplina que não possa ou não deva ser abordada pela Complexidade.
No presente livro estaciona-se no «E» de Economia e procuram compreender-se as consequências da fertilização cruzada das ideias económicas com as da Complexidade.

Quantas e quais podem ser, afinal, as semelhanças, afinidades ou propriedades comuns entre bandos de aves migratórias, formigueiros, o tráfego rodoviário, o desenvolvimento urbano, o sistema imunológico que nos defende das doenças, as cronologias de cotações bolsistas, a produção e distribuição de bens e serviços, o cérebro humano, a Internet ? Ordenando as semelhanças das mais para as menos evidentes: um número potencialmente infinito de elementos - e subconjuntos deles - em interacção dinâmica inserindo-se numa «rede»; na «rede» a acção motriz da «auto-organização», através de conjuntos de hierarquias modulares, faz emergir padrões, resultado agregado totalmente invisível e insuspeitável, a partir dos comportamentos singulares dos elementos e agentes básicos. A água, por exemplo, é um fenómeno de «auto-organização»; por outro lado, é bem um exemplo-limite de «emergência». Os agentes nos sistemas empregam «modelos internos» para dirigir o seu comportamento. A designação hoje mais corrente para estes sistemas é a de «Redes Adaptativas Complexas» (John Holland).
É importante validar a plena aplicação da «Evolução por Selecção Natural» às ciências humanas, sociais e políticas, o que só se tornou claro de há menos de 20 anos para cá, depois do biólogo Richard Dawkins Ter revelado o conceito de "meme" em The Selfish Gene. Antes disso faltava nos fenómenos estudados por essas ciências um ingrediente essencial: a replicação através da qual a prole adquiria os acréscimos de aptidão que a fariam sobreviver e prosperar entre espécies concorentes. Quando a propósito desse fenómenos se falava de «evolução» tratava-se de uma evolução «lamarckiana» - transmissão de caracteres adquiridos. Mas o «meme» estava dotado duma capacidade replicadora émula da do gene, rigorosamente homóloga.

Os «memes» e as imitações
Os novos replicadores são ideias, os «memes». Não as ideias simples, mas o tipo de ideias compostas que se configuram como unidades memorizáveis diferenciadas como, por exemplo, as de vestuário, calendário, cálculo, xadrez, impressionismo. Os exemplos de «memes» podem agrupar-se em classes como as canções e as modas do vestuário. E assim como os genes se propagam no reservatório genético, transitando de corpo para corpo, também os «memes» se propagam transitando de cérebro para cérebro por um processo que num sentido largo se pode chamar de imitação. Alguém descobre uma boa ideia e conta-a a alguém que gosta dela e a adopta. A partir daí a ideia propaga-se por um processo rigorosamente semelhante ao da difusão de uma epidemia.
in Revista Unibanco, Maio de 2000

Economia e Complexidade
ISBN: 9789724012940 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Edições Almedina Idioma: Português Dimensões: 160 x 230 x 40 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 786 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Economia, Finanças e Contabilidade  >  Economia

Sugestões

A Conspiração dos Poderosos
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
17,00€
A Esfera dos Livros
Sombras
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
22,20€
Bertrand Editora
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.