Bertrand.pt - Alta Noite em Alta Fraga

Alta Noite em Alta Fraga

de Joaquim Manuel Magalhães 

Editor: Relógio D'Água
Edição ou reimpressão: abril de 2001
9,57€
Esgotado ou não disponível

Joaquim Manuel Magalhães regressa com um novo livro de poesia, 8 anos volvidos sobre a publicação de "A Poeira Levada pelo Vento". Os poemas de "Alta Noite em Alta Fraga" são de um lúcido e dilacerante desencanto, uma descrição nua e crua do desacerto do mundo. « Cada próspera cidade tem no seu meio / uma cidade de subnutrição, crianças mortas, / desalojados, desemprego. E em cada cidade / das mais podres há, num aro de metralhadoras, / uma cidade da tecnologia , rara / costura, sobre finança, e medo // (...) os materiais falsificados que fracassam / a selva da rua que parece sorver calor. / Ninguém acerta o relógio por um sino. // A dura redução da diversidade / dos animais e da ramada no alvejado / ambiente de todos os dias, / o aquecimento dos elementos em redor / de cada extensão do mundo / a multiplicada intransigência das igrejas. / O dano morto da linguagem, um temor volátil, uma combustão / em séculos que principiam a ser desaparecidos. / Todo o passado se perturba / na inundação futura.»

«De facto, mais do que o seu exaustivo inventário das devastações e degradações do tempo em que vivemos, o que torna este livro de Magalhães quase irrespirável é adivinhar-se, em quem nele fala, um coração tão dilacerado que já não dispõe de um pequeno lugar ileso onde possa acolher o breve relâmpago dessa "flor da buganvília". O mundo não tem absolvição possível, e já nem a beleza que sempre espreitará entre as ruínas pode agora ser invocada como circunstância atenuante.»
Luís Miguel Queirós, Público, "Mil Folhas"

«De modo certeiro, estes poemas visam o nosso tempo, pobre mundo tão à mercê, descarnado por mão artríticas mas vorazes a esfolar a terra. A arte do autor é fazer o relato da hecatombe que pouco a pouco vai fazendo de nós zombies no meio dos automóveis, sem que nada de ideológico polua essa denúncia. Apenas a tristeza de um grande poeta arrepia cada verso, contaminando-o da febre letal "de quem não queria/acordar nunca, esquecido na rasura/dos lençóis. O empurrão da voraz claridade".»
Fátima Maldonado, Expresso, Cartaz

«Numa época em que a literatura é mais contemplativa e desencantada, vagamente irónica, distraidamente crítica, aconchegada ao linho branco de uma melancolia sem azedume, a poesia de Manuel Gusmão e de Joaquim Manuel Magalhães destoa, irrompe, desarruma, ou mesmo agride. Há aqui algo a que estamos pouco habituados: uma veemência extrema, uma exigência radical, um desejo de pensar e sentir o mundo de alto a baixo, no seu espanto e na sua fundura..»
Eduardo Prado Coelho, Público, "Mil Folhas"

Alta Noite em Alta Fraga
ISBN: 9789727086276 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Relógio D'Água Idioma: Português Dimensões: 150 x 230 x 20 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 82 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Literatura  >  Poesia

Sugestões

Poesia Inglesa
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
22,00€
Assírio & Alvim
Poesia
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
44,00€
Assírio & Alvim
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.