Bertrand.pt - À Volta de Padre Baptista

À Volta de Padre Baptista

de Henrique Manuel Pereira 

Editor: Modo de Ler
Edição ou reimpressão: julho de 2017
24H
Portes
Grátis
20%
16,50€
13,20€
Em stock - Envio em 24H
portes grátis

«Calvário» é palavra comum na nossa linguagem e em muitos lugares. Uma vida difícil é um «calvário» e até determinados sítios se chamam assim. Como «Cruz», que desde traço especifico a apelido de família, também, aparece.
Mas nem sempre foi assim. Na antiga Roma dava nome a um terrível suplício. Tão terrível que as primeiras gerações cristãs demoraram um tanto a adoptá-la como sinal.
Mas era inevitável que o fizessem, por significar, com todo o realismo, o ponto final da vida terrena do Fundador do Cristianismo, ponto inicial da vida da Igreja que vive da Cruz do seu Senhor. Logo o descobriu São Paulo, encontrando aí mesmo a sua glória, na Cruz em que Cristo inteiramente se entregara, fazendo do suplício uma dádiva. Cruz levantada no Calvário, podendo agora toda a terra ser também Calvário, transfigurado pela Cruz: de lugar de sofrimento, tornar-se em fonte de caridade e de paz.
Aqui, as palavras comuns passam a comunicar o absoluto. O absoluto do amor de Deus feito um de nós, para nos resgatar duma vida sem Deus. Na verdade, só o amor de Cristo nos redime, qual Cruz luminosa, no Calvário transformado em Éden do homem novo. - Encontrámo-lo em Beire? Há várias décadas que muita gente o confirma. E em todo esse tempo o referem a um nome que também se tornou comum: Padre Baptista.
Conheci-o nos anos oitenta, das suas idas ao Seminário dos Olivais. Passavam por lá muitas pessoas e todas tinham coisas para contar, da vida da Igreja e do mundo, da Igreja no mundo. Mas o Padre Baptista não era assim tão comum; nem sequer falava da vida, era mais a vida que falava. A sua vida e a vida de tantos que fizera sua também.
Vida e convivência, portanto. Porque o dia-a-dia que nos relatava consistia na atenção constante e mútua que idosos e enfermos prestavam uns aos outros, onde o companheirismo tomava o lugar do assistencialismo. Não teorizava, contava apenas. Como a história do doente quase terminal que acabou por durar anos, só porque lhe deram a oportunidade de jardinar. Como a outra, em que dois homens com grandes limitações físicas punham a mesa comum, complementando os gestos necessários que nenhum poderia fazer sozinho…
Mas, por dentro destas histórias, está a densidade que as palavras comuns e as coisas comezinhas só alcançam quando as anima um coração como o de há dois mil anos no Calvário essencial. Obrigado, Padre Baptista!
D. Manuel Clemente [Cardeal Patriarca]

Excertos
O CALVÁRIO
Chegou a hora de dar notícia de uma Obra que há muito trazemos no peito, a saber: um abrigo onde possam morrer cristãmente legiões de inválidos sem morada certa. Vai-se-lhe dar o nome de Calvário. O Calvário! É um nome tirado do Evangelho. É o resumo de toda a economia da Redenção. Fazem hoje falta no mundo estes nomes, estas ideias, estas Obras humanas de sabor divino. Um lugar onde cada padecente leve, sim, mas não arraste a sua cruz dolorosa. Na verdade, todos compreendemos que se ele é difícil ao incurável não ter onde viva, quanto mais desesperado não ter sitio onde morrer?! Temos obrigação de meditar nestas coisas e reagir contra o estado delas.
Não podemos airosamente alegar ignorância, porquanto os diários costumam dar a notícia do homem e da mulher que, agora e logo, aparecem mortos nos palheiros. Maior é a nossa culpa. Parece que esta feição de vida social tem escapado aos organizadores de hospitais. Não sei se em qualquer deles haja sido instalado o serviço permanente no caso dos incuráveis. O hospital tem a função de curar. Os leitos são para eles. O incurável não pode entrar; e se, entrando, prova um caso sem remédio, deve ir-se embora. Esta é a doutrina pública. E nós agora podemos perguntar: Ir para onde? Para onde vai aquele desenganado, sem casa, sem família, sem amigos, sem nada? Eis aqui a pergunta crucial. Por si só, condena ela, ou pelo menos declara incompletos, os grandes hospitais onde se verifique a omissão.
O lugar escolhido para esta nova realização da Obra da Rua, é a quinta da Casa do Gaiato de Beire, a uns quinze quilómetros de Paço de Sousa. No sítio mais indicado elegemos dois hectares. O arquitecto riscou. Ao meio é a residência hospitalar, para casos que exijam maior e mais próxima assistência. Em redor ficam as residências. Sistema aldeamento.
Não há o criado. Não há verdadeiramente o enfermeiro. Procura-se tornar válido o inválido, para que esqueça e seja alegre. É uma obra de doentes, para doentes, pelos doentes. Temo-nos dado excelentemente com esta divisa nas Casas do Gaiato.
O mundo tende a colocar de parte aquilo que parece não prestar; um incurável é estorvo. O mundo engana e engana-se. Na hora em que a chamada ciência se retira, começa o poder de Deus. O Incurável é uma fortuna. Mais do que as Casas do Gaiato, mais do que o Património dos Pobres, esta edição da Obra da Rua vai ser a sua maior riqueza. Cada doente traz consigo uma fortuna, não digo a da garantia do seu sustento, que seria muito importante, mas ele traz mais do que isso. Eles são páginas em sangue de teologia. Se hoje milhares de portugueses e estrangeiros aparecem em nossas casas a ver o incrível, que será amanhã na quinta de Beire, onde Deus vai ser ainda mais glorificado?!
Mas ele existe também uma outra modalidade de assistência que o Calvário deseja e se propõe servir. São os convalescentes… O doente tem alta; não permanece. A razão é sempre a mesma. Tornamos a perguntar: Para onde vai? O Calvário espera-o. Será mesmo um ponto reconfortante para os que estiverem à frente. Podem verificar dia a dia um perfeito rejuvenescer. Observar a carne e o sangue. Ser testemunhas de vista de reintegrações na vida social; e meditar que, se não fora a Obra, aquele doente curado breve tornaria ao seu mal e viria até a morrer. Toda esta riqueza estava até agora escondida e vai aparecer na Obra que Deus inspirou. Muitos doentes hão-de ter ocasião de afirmar com verdade que, não fora a existência de Calvários e eles teriam morrido de penúria.
O êxito de uma Obra assim não se discute. Não há homem de bem que possa duvidar. Não tem bases para isso; só por ignorância. Primeiramente, temos a oração dos homens. Além da dor que consome incuráveis e convalescentes, existe outra ainda maior; é a dos que lhes não podem valer, a começar pelos próprios médicos e pessoal hospitalar. Além destes, temos os que escutam queixas dos arrastados. Os que lêem casos nos jornais. Os que não têm tempo para isso, mas ouvem falar. É o sentimento humano. O conhecimento de Deus, pelo conhecimento dos homens. Sim. Ninguém duvide do seu êxito. Tal como o Património dos Pobres, que parece não haver já em Portugal sítio de vago onde erguer mais casas, também agora o Calvário vai ser o caso do dia. Noutras vilas, noutras aldeias, noutras cidades. Abram-se Casas desta natureza para que os jornais não continuem a dar a triste noticia do abandonado que cai nos caminhos por não ter onde morrer.
Padre Américo
[Calvário, do Padre Baptista, 1.º volume, excerto do prefácio]

À Volta de Padre Baptista
ISBN: 9789898364852 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Modo de Ler Idioma: Português Dimensões: 173 x 233 x 7 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 54 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Religião e Moral  >  Catolicismo

Sugestões

Portugal Católico
20%
portes grátis
29,90€ 23,92€
Temas e Debates
Natal É Todos os Dias
20%
portes grátis
17,69€ 14,15€
Nascente
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.