Bertrand.pt - A Bem da Nação

A Bem da Nação

O Sindicalismo Português Entre a Tradição e a Modernidade

de Francisco Carlos Palomanes Martinho 

idioma: Português do Brasil, Português
Editor: Civilização Brasileira
Edição ou reimpressão: janeiro de 2002
24H
Portes
Grátis
10%
26,50€
Poupe 2,65€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

A BEM DA NAÇÃO: O SINDICALISMO PORTUGUÊS ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE (1933-1947), do jovem pesquisador e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Francisco Martinho, discute o papel do nacionalismo e de suas ligações com a tradição e a modernidade no processo de institucionalização e consolidação de um Estado corporativo em Portugal, durante as décadas de 1930 e 1940. O trabalho apresentado por Martinho representa um imenso passo para o rompimento do isolamento nacional da pesquisa e o esforço comparativo entre os grandes fenômenos históricos contemporâneos. A transição entre o período da ditadura militar e um governo democrático teve como conseqüência, no meio acadêmico da História, uma procura por temas de pesquisa de interesse quase que único e exclusivo do historiador.

Excertos
"Antes de se haver entrado no trabalho de reorganização, uma palavra só — desordem — definia em todos os domínios a situação portuguesa. (...).
No cimo, um pouco causa um pouco efeito de todas as outras desordens, o irregular funcionamento dos Poderes Públicos. (...). A Presidência da República não tinha força nem estabilidade. O Parlamento oferecia permanentemente o espetáculo da desarmonia, do tumulto da incapacidade legislativa ou do obstrucionismo escandalizando o país com seus processos e a inferior qualidade do seu trabalho. Aos Ministérios faltava a consistência; não podiam governar mesmo quando os seus membros queriam. A administração pública, compreendida a das autarquias e a das colónias, não representava a da unidade e acção progressiva do Estado; era ao contrário o símbolo vivo da desconexão geral, da irregularidade, do movimento descoordenado, a gerar o cepticismo, a indiferença, o pessimismo dos melhores espíritos. (...)"

Oliveira Salazar (1930)

"Um reparo prevejo eu: em tão longo discurso, exclusivamente sobre matéria política, pouco se fala de liberdade, de democracia, de soberania do povo, e muito ao contrário, de ordem, de autoridade, de disciplina, de coordenação social, de Nação e de Estado. É certo, e há-de confessar-se corajosamente, se nos dispomos a fazer alguma coisa de novo, que há palavras e conceitos gastos sobre os quais nada de sólido se pode edificar já."
Oliveira Salazar (1930)

O presente texto tem por objetivo discutir o papel do nacionalismo e de suas interfaces com a tradição e a modernidade no processo de institucionalização e consolidação de um Estado corporativo em Portugal durante os anos 30 e 401. Conforme se pode observar nas epígrafes que dão início a esta parte introdutória, as opiniões daquele que se tornou a mais importante figura do Estado Novo português partiam do pressuposto de que a imposição da ordem e da disciplina em torno da Nação e do Estado era o caminho necessário para que se pudesse superar a conjuntura de crise anterior, evidenciada na crise da presidência da República, na incapacidade legislativa do parlamento e na ausência de união nacional, entre outros. Ao mesmo tempo que procuraremos perceber o processo de organização do Estado Novo como um modelo autoritário e corporativo dotado de características muito próprias, será destacado, como elemento de grande importância, a situação européia no pós-guerra, quando a crise do liberalismo possibilitou o nascimento de regimes antidemocráticos em diversos de seus países2. A conjuntura internacional será vista como um dos elementos relevantes na consolidação do Estado Novo, mas não o mais importante, posto que as razões endógenas foram aquelas que, fundamentalmente, impuseram o nascimento de um regime de tipo autoritário e corporativo em Portugal.
O nacionalismo, como fenômeno político de importância para a definição de políticas de Estado, nasceu, historicamente, a partir da Revolução Francesa, vinculado à idéia de uma Nação pertencente a todo o povo. A Nação era entendida, nesse sentido, como elo entre Estado e povo. A idéia de pertencimento, ao longo do século XIX, possibilitou o desencadear de movimentos revolucionários e de libertação nacional, ao mesmo tempo que permitiu a consolidação de regimes políticos que conseguiram evocar, com eficácia, os princípios de um "patriotismo estatal" como componente mais importante no relacionamento entre Estado e povo3.
No fundamental, a idéia de que uma Nação se confunde com o Estado que a administra era a perspectiva dos governantes europeus do final do século XIX e início do XX. Para Portugal, esta simbiose era "natural", haja vista a vitória de uma perspectiva unitária (um único povo) desde a Reconquista, quando uma nova institucionalidade jurídica e administrativa redefiniu os contornos do Estado nacional português. Esta situação era, em larga medida, uma vantagem se comparada com o predomínio dos nacionalismos autonomistas de Espanha, por exemplo, apesar dos temores portugueses com os potenciais desejos espanhóis de construir um Estado ibérico4. Assim, quando o regime do Estado Novo português reproduzia, em toda a sua documentação oficial, a expressão A bem da Nação!, ela podia perfeitamente ser entendida tanto como a defesa do povo quanto do Estado. Era dita com esta intenção e assim percebida por aqueles que apoiavam o regime e pela população em geral.
Entretanto, desde antes de seu nascimento como regime político, na oposição à República liberal e durante a ditadura militar, o nacionalismo apregoado por aqueles que ajudaram na queda do sistema democrático trazia consigo contornos da tradição e da modernidade. Por tradição, entende-se, por um lado, a evocação do passado português, de sua importância na construção de um mundo moderno e na aquisição de um vasto poderio colonial. Neste caso, a memória da construção da nacionalidade portuguesa, do sebastianismo, da Reconquista e do antiliberalismo de D. Miguel possuía importância determinante. Por outro, procurava-se consolidar a idéia de existência de uma "psicologia" tradicional do povo português: ordeiro, pacato, católico e vocacionado para o trabalho agrícola, em particular na pequena propriedade familiar. Não por acaso, em seu estudo para ingresso como professor da Universidade de Coimbra, ao mesmo tempo que denunciava a falência de um Alentejo latifundiário, Oliveira Salazar enaltecia o norte do país e sua pequena economia como elemento agregador da Nação portuguesa, "fecundada pelo capital e o trabalho"5.
Mas essa tradição, conforme foi dito, vinha combinada com elementos de modernidade. A própria citação do passado português já era, em si, uma homenagem ao moderno, uma vez que foi exatamente naquele passado que se evocava o período em que Portugal havia não só constituído a sua modernidada mas, sobretudo, havia sido o pioneiro em sua constituição no mundo ocidental. Para além de uma constante homenagem ao seu modernismo pretérito, o Estado Novo português apontava para outra modernidade mais condizente com sua época, própria da situação de crise liberal vivida pela Europa na conjuntura do entreguerras. Se é verdade que o fascismo, com sua estética futurista, era, não só um movimento dotado de modernidade mas, para além disso, se pretendia revolucionário, alguns outros regimes — entre eles o Estado Novo — beberam também da fonte que apontava para a identificação do liberalismo e da democracia como representantes do velho e do decadente. Assim, a organização de um Estado regulador, ainda que sem maiores projetos de industrialização, era um elemento constituinte dessa modernidade. A importância do Estado era permanentemente reiterada e, assim como nos regimes fascistas, a preocupação com a propaganda doutrinária e formadora era constante. Não por acaso, um dos mais importantes quadros do Estado Novo, António Ferro6, foi designado para dirigir a agência oficial de propaganda, o SPN (Secretariado de Propaganda Nacional). Desta forma, os valores do Estado reproduziam-se com eficácia, de modo a promover uma constante aproximação com o povo a quem deveria servir e proteger.
Outro lugar em que se evidencia essa regulação estatal foi o universo sindical, objeto de estudo do presente trabalho. A criação da organização corporativa obedeceu, simultaneamente, à idéia de resgate da tradição medieval perdida com o advento do liberalismo e à projeção do dever do Estado em servir como mediador dos conflitos entre capital e trabalho presentes no mundo contemporâneo. Mais uma vez, passado e futuro se encontravam. E também nos organismos sindicais, conforme se verá, prevaleceu a concepção de que estes, mais do que representantes dos projetos particulares e econômicos das classes sociais, deveriam, sim, agir em favor do bem comum. A bem da Nação.

A Bem da Nação
O Sindicalismo Português Entre a Tradição e a Modernidade
ISBN: 9788520005873 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Civilização Brasileira Idioma: Português do Brasil, Português Dimensões: 159 x 229 x 43 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 432 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  História  >  História de Portugal

Sugestões

Da Lusitânia a Portugal
10%
portes grátis
22,20€ 19,98€
Bertrand Editora
Curiosidades da História de Portugal
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
16,50€
Verso de Kapa
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.