Bertrand.pt - Zero - A Biografia de uma Ideia Perigosa

Zero - A Biografia de uma Ideia Perigosa

de Charles Seife 

Editor: Gradiva
Edição ou reimpressão: abril de 2001
24H
Portes
Grátis
10%
14,13€
Poupe 1,41€ (10%) Cartão Leitor Bertrand
Em stock - Envio imediato
portes grátis

Zero descreve com humor, rigor e fascínio como um dígito atormentou e fascinou os intelectuais desde a velha Atenas até Los Alamos. Charles Seife habilmente defende que o conceito do nada e o seu gémeo exibicionista, a infinidade, revolucionaram as fundações da civilização e do pensamento filosófico. Se já é um apaixonado da matemática ou da ciência vai deliciar-se com este livro; se ainda não é, vai ser quando acabar de o ler..»

Excertos
Embora o sistema numérico grego fosse mais evoluído do que o egípcio, não era a maneira mais avançada de escrever números do mundo antigo. Esse título pertencia a outra invenção oriental: a ma­neira de contar babilónica. E, graças a este sistema, o zero zurgiu, finalmente, no Oriente e no Crescente Fértil do actual Iraque. À primeira vista, o sistema babilónico parece perverso. Por um lado, é sexagesimal — baseado no número 60. Isto é uma escolha invulgar, sobretudo porque a maioria das sociedades humanas escolheram 5, 10 ou 20 como o seu número base. Os Babilónios também usavam apenas duas marcas para representar os seus números: uma cunha para representar 1 e uma dupla cunha para representar 10. Os grupos destas marcas, agrupados em conjuntos que somavam 59 ou menos, eram os símbolos básicos do sistema de contagem, tal como o sistema grego se baseava em letras e o egípcio em figuras. Mas a característica verdadeiramente ímpar do sistema babilónico consistia em que, em vez de ter um símbolo diferente para cada número, como os sistemas egípcio e grego, cada símbolo babilónico podia representar uma multidão de diferentes números. Uma só cunha, por exemplo, podia simbolizar 1, 60, 3600 ou incontáveis outros números. Este sistema, embora pareça tão estranho aos olhos modernos, ­fazia, contudo, perfeito sentido para os povos antigos. Era, na Idade do Bronze, o equiva­lente ao código de computador. Os Babilónios, como muitas outras culturas, haviam inventado máquinas que ajudavam a contar. A mais famosa era o ábaco. Conhecido como soroban no Japão, suan-pan na China, s’choty na Rússia, coulba na Turquia, choreb na Arménia e por uma variedade de outros nomes em diferentes culturas, o ábaco baseia-se em pedras deslizantes para registar quantidades. (As palavras calcular, cálculo e cálcio derivam todas da palavra latina para seixo, calculus.)

Zero - A Biografia de uma Ideia Perigosa
ISBN: 9789726627890 Ano de edição ou reimpressão: Editor: Gradiva Idioma: Português Dimensões: 135 x 210 x 11 mm Encadernação: Capa mole Páginas: 232 Tipo de Produto: Livro Classificação Temática: Livros  >  Livros em Português  >  Ciências Exatas e Naturais  >  Outras Ciências

Sugestões

Ética para Um Jovem
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
12,90€
Dom Quixote
O Filósofo e o Lobo
10%
portes grátis
10% Cartão Leitor Bertrand
14,90€
Lua de Papel
X
O QUE É O CHECKOUT EXPRESSO?


O ‘Checkout Expresso’ utiliza os seus dados habituais (morada e/ou forma de envio, meio de pagamento e dados de faturação) para que a sua compra seja muito mais rápida. Assim, não tem de os indicar de cada vez que fizer uma compra. Em qualquer altura, pode atualizar estes dados na sua ‘Área de Cliente’.

Para que lhe sobre mais tempo para as suas leituras.